Resultado do mês de Julho (2017)

Como já estamos a poucos dias para entrar no mês de agosto (a partir de terça-feira) e por se tratar do último final de semana do mês, conforme prometido, vamos aos resultados…

Por aqui, o cenário político-econômico continua bastante incerto e turbulento, com o atual governo (Temer) apresentando recorde de impopularidade, condenação do ex-presidente Lula por corrupção e lavagem (no caso tríplex), definição da tarifa de energia sob bandeira vermelha para o próximo mês, aumento de tributos sobre combustíveis e o ultimo mês para saques de contas inativas do FGTS (com prorrogação para casos especiais). Felizmente, a taxa básica de juros apresentou a 7a. queda consecutiva (recuando para 9,25% ao ano) e o índice de desemprego também recuou. São bons sinais para a economia. Já no cenário internacional, a Venezuela continua chamando a atenção, respondendo contra manifestantes com extrema violência. E, para entusiastas de cripto moeda, o bitcoin gerou bastante estresse ao apresentar mudanças no projeto previstas para agosto, levando a uma volatilidade ainda maior. Financeiramente, não precisei lidar com grandes imprevistos e considero que o resultado dos investimentos continua excelente. Mas, profissionalmente, fomos surpreendidos ao receber a informação de que alguns contratos, da empresa em que trabalhamos, não seriam renovados e, por consequência, alguns cortes seriam feitos. Por sorte, para nós (funcionários), o impacto foi menor do que imaginávamos e a equipe que faço parte não foi afetada. Que mês foi este? (risos). Ufa!

Vejam como a queda da taxa de juros afeta no orçamento:

Fiquem atentos, pois o prazo para o saque de contas inativas do FGTS termina na próxima segunda-feira. Questionar se o governo está fazendo bondade ou não, não vem ao caso. O fato é que esta é uma oportunidade rara. Não abram mão. Vale lembrar que a prorrogação do prazo será válida apenas para casos especiais.

Confiram a reportagem do Jornal Nacional sobre o prazo final para os saques:

Não precisei lidar com grandes imprevistos, mas dei um apoio financeiro para minha namorada fazer a revisão do carro, já prevendo arrumar o ar condicionado do veículo. A minha sorte foi poder contar com uma renda extra de alguns serviços que prestei. Pois é, pequenos luxos podem custar caro – só o serviço de ar condicionado ficou em R$ 200,00.

Neste mês, concluí a transferência de custódia da corretora Rico para a Modalmais. Porém, antes de enviar o formulário STVM, fiz contato com a Rico para confirmar os procedimentos. Basicamente, o processo é o mesmo seja qual for a corretora. A diferença, desta vez, seria a possibilidade de reconhecer firma apenas na primeira folha. No meu caso, que são quatro folhas, preferi não arriscar e reconheci firma em todas. Desde o recebimento do documento (por SEDEX com AR) até a conclusão da transferência, demorou aproximadamente uma semana.

Antes de transferir a custódia, encerrei minha posição em AGRO3 e acabei fazendo uma pequena confusão para negociar a venda da parte fracionária. Acabei cancelando uma ordem e refazendo outra. Em seguida, no mesmo dia, comprei uma cota de HGRE11. O custo operacional desta “brincadeira” ficou em R$ 59,10. Depois deste episódio, tive a certeza de que não compensava mais operar pela Rico, mesmo após a corretora anunciar isenção da taxa de custódia. Piada… É muito fácil isentar a taxa de custódia praticando um custo operacional estratosférico.

Já as operações com opções, que comentei no mês passado, foram feitas na corretora Modalmais.

Como fiz o lançamento das opções de compra do Banco do Brasil e Petrobras no programa IRPFBolsa, o gráfico gerado exibirá a posição dos ativos na composição da carteira. Sendo assim, adiantarei alguns detalhes da operação.

Não procuro identificar assimetrias no mercado, mas, na minha opinião, surgiu uma com o Banco do Brasil. Por se tratar de um ativo de meu interesse, decidi montar uma “estratégia simples” que permitisse explorar parte desta volatilidade e ainda buscar “alternativas de médio prazo” para reforçar a posição. Expliquei as razões no resultado do mês anterior. As opções que escolhi foram: BBASH58 e PETRH42. Percebam que o vencimento está próximo (agosto) – o risco de novos posicionamentos é maior.

Após uma valorização superior a 100%, vendi metade das opções BBASH58. O meu objetivo, desde o início, é exercer metade das opções e, ao mesmo tempo, especular a volatilidade do período. Parte do meu objetivo foi concluído. Agora estou em uma condição muito mais confortável e não precisei gerar DARF porque pude abater o lucro de prejuízos passados – tudo calculado automaticamente pelo IRPFBolsa. Em relação a PETRH42, mantenho a posição inalterada. Vale ressaltar que assumi um risco controlado e já estou posicionado há mais de um mês. Não é algo que costumo fazer e NÃO ENCARE COMO RECOMENDAÇÃO (NÃO É)!

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ABEV3, ITUB3, ITSA3, BRCR11 (0,422%), FCFL11 (0,565%), PQDP11 (0,555%), KNRI11 (0,616%), RNGO11 (0,604%), SAAG11 (0,674%), FVBI11 (0,403%), MXRF11(0,601%), KNCR11 (0,680%), EDGA11 (0,219%), HGRE11 (0,648%) e FIGS11 (1,091%). O rendimento dos FIIs deixou um pouco a desejar. Nada que justifique rever a distribuição da carteira. O maior impacto se deu pela baixa performance de grandes fundos como BRCR11 e MXRF11. O resultado do fundo BRCR11 tem sido prejudicado em função do aumento da taxa de vacância, influenciando, inclusive, no preço da cota. Por se tratar de um excelente fundo, não vejo motivo para alarde. Infelizmente, não podemos dizer o mesmo do fundo MXRF11 – sofreu com a redução do IGP-M e prejuízo com a venda de todas as cotas do fundo SDI Logística Rio (por entender que o dividend yield não apresentava atratividade), por exemplo. O fundo EDGA11 continua apresentando o pior resultado. Ainda assim, o rendimento mensal da carteira foi bom, reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ABEV3, ITUB3 e ITSA3.

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações ou cotas de BBSE3, KNRI11, BRCR11 e MXRF11. O aporte mais expressivo foi para o fundo KNRI11 e o menor para MXRF11. Nos demais, a distribuição foi equilibrada.

Conforme exposto anteriormente, visando reduzir o risco da operação com as opções (CALLs), vendi metade das opções BBASH58 (com lucro). Mas, ainda estou avaliando como proceder com PETRH42. No próximo mês, revelarei o desfecho final (risos)“.

Continuo avaliando o desempenho do fundo Macro Multimercado LP. Fiz um pequeno aporte durante a semana, porém manterei baixa prioridade para novos aportes. A volatilidade permanece alta e, comparando com os demais ativos, ainda não estou certo de que a relação risco x retorno seja realmente recompensadora!”

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI ou Multimercado):

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado“.

Diante de tantas incertezas, não faz muito sentido dissertar sobre a trajetória do mercado. Se, em “situações comuns”, a previsibilidade é relativamente limitada, quem dirá nas atuais circunstâncias. Continuo satisfeito com a composição da carteira e a performance final continua excelente. Estou um pouco apreensivo com os fundos imobiliários EDGA11 e MXRF11. Mas, ainda é cedo para tirar conclusões sobre o MXRF11. Vale ressaltar que é importante ter consciência que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo).

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Governo estuda dobrar isenção de IRPF e tributar os dividendos

A tributação de dividendos é um assunto que está sempre em pauta, procurando compensar os deslizes de diferentes governos. “Atualmente”, por exemplo, o governo Temer estuda dobrar a isenção de IRPF para neutralizar o impacto negativo da aprovação das reformas da Previdência Social e trabalhista. É evidente que se trata de mais uma manobra política e, com a taxação sobre os dividendos, compensar a forte perda de arrecadação com a elevação agressiva da faixa de isenção do imposto de renda da pessoa física. Não é prudente dobrar a isenção de IRPF. De acordo com o artigo do site Valor Econômico, “Para compensar o impacto fiscal bilionário, a contrapartida seria tributar dividendos, que são isentos de imposto“.

Quanto a tributação, em novembro de 2016, o discurso foi outro:

Lembre-se de que empresas e instituições também dependem de captação de recursos para se desenvolver. Investimento não é caridade. O retorno é proporcional ao capital investido e condições acordadas. A isenção dos dividendos serve como incentivo para futuros investimentos, visto que a renda fixa, no Brasil, oferece um excelente retorno com baixíssimo risco. E, como as empresas já pagam imposto sobre o lucro, por meio do IRPJ e da CSLL, taxar o investidor seria uma bitributação. A comparação com países da OCDE chega a ser piada – comparem então a carga tributária final em relação ao retorno para a população.

Alguns especialistas afirmam que, em comparação com outros países, o imposto sobre a pessoa física no Brasil é muito baixo. Mas, ao fazer isto, ignoram as diferentes modalidades de tributação, retorno e nível de desenvolvimento social. A carga tributária atual é absurdamente alta – o impostômetro, nesta sexta-feira, atingiu R$ 1,2 trilhão.

Para melhor compreensão, recomendo assistir o vídeo a seguir:

Nesta semana, por exemplo, sofremos um forte reajuste no preço da gasolina após novo aumento de impostos:
http://g1.globo.com/economia/noticia/combustivel-com-aumento-de-imposto-ja-chegou-aos-postos-diz-sindicato.ghtml

Também encontrei estudos justificando que uma alíquota de 15% sobre lucros e dividendos somaria R$ 35 bilhões anuais à Receita (artigo Taxação de Dividendos). Infelizmente, continua sendo uma avaliação muito simplista. Nós sabemos que o pais precisa atrair mais investimentos para continuar crescendo. A partir do momento que o governo dá sinais de que interferirá na economia, visando prioritariamente a sua própria sobrevivência, investidores começam entender que o risco x retorno esperado deixa de ser interessante. Sendo assim, basta direcionar os próximos aportes para outros países para desestabilizar ainda mais a economia. Mas, diante de um cenário desfavorável, é evidente que ocorrerá também a saída de capital. É complicado mensurar todas estas variáveis.

A reforma da previdência é necessária?

O assunto é extremamente polêmico e, em função da complexidade e distorções colocadas por grupos específicos, é pouco compreendido também. Tem sido comum encontrar pensamentos movidos por ideologia ou aspectos emocionais. Mas, a matemática é uma ciência exata e comprova facilmente a criticidade do caminho em que a economia brasileira está tomando, bem como a necessidade real das reformas. Infelizmente, não é apenas uma questão de opinião.

O governo do atual presidente (Michel Temer) vem apresentando propostas de reformas extremamente impopulares, mas indiscutivelmente necessárias. E, fatalmente, isto vem resultando na queda de sua popularidade. A PEC 241 e a reforma da previdência, por exemplo, são temas de muita discussão e tem surgido distorções sobre o assunto. Pense bem… “ao invés de começar com medidas tão impopulares, não seria mais simples e cômodo para o presidente ignorar estas questões e deixar a bomba estourar na mão do próximo?”. Separei alguns vídeos e artigos técnicos que auxiliarão neste entendimento.

Se você ainda acredita que não existe déficit e que tudo isto é uma manobra para favorecer os mais ricos, é melhor rever seus conceitos. As classes menos favorecidas serão as mais afetadas e castigadas.

Para compreender melhor a dimensão do problema e como nos afeta, leiam os seguintes artigos (é muito sério):
http://mercadopopular.org/2016/10/a-pec-do-teto-dos-gastos-publicos-mitos-e-verdades/
http://mercadopopular.org/2016/08/a-previdencia-social-e-superavitaria-mito-ou-verdade/

O vídeo acima é longo, bastante esclarecedor e ajuda compreender melhor a urgência destas reformas. É injusto? De certa forma, sim. Porém, se nada for feito o resultado será muito pior. E, ao contrário do que alguns estão afirmando, para os ricos é indiferente, pois não dependem do INSS.

Não adianta fingir que o problema não existe:

A título de curiosidade, o Brasil é um dos seis países, junto com Nigéria, Argélia, Turquia, República da Eslováquia e Egito, que ainda permitem aposentadoria sem limite de idade, considerando somente com o tempo de contribuição ou serviço. Pelo visto, não são casos de sucesso para seguir.

Não cabe aqui discutir se é injusto ou não. Independente dos próximos acontecimentos, se você quer contar com uma aposentadoria tranquila, não dependa exclusivamente do INSS. A condição do INSS é preocupante e a recomendação dos principais economistas tem sido a construção da própria previdência, investindo em Títulos do Tesouro Nacional ou Mercado de Capitais (como FIIs ou ações, por exemplo).

Confiram o texto extraído do Instituto Mises Brasil:

João recebe R$ 1.000 por mês. Esse é o seu salário bruto.

Desse valor, João paga 8% para o INSS. Isso dá R$ 80.

Seu patrão paga 20% desse valor também para o INSS. Isso dá R$ 200.

Por mês, portanto, João e seu patrão repassam R$ 280 ao INSS.

De acordo com as futuras novas regras da Previdência, João terá de trabalhar por 49 anos para conseguir se aposentar com seu salário integral. Ou seja, João e seu patrão terão de pagar, mensalmente, R$ 280 ao INSS durante 49 anos para que, no ano de 2066, João se aposente e receba uma aposentaria mensal de… R$ 1.000.

(Para facilitar o exemplo, estamos considerando inflação zero pelos próximos 49 anos. Isso significa que, em 2066, R$ 1.000 terão o mesmo poder de compra que têm hoje. Essa forma de raciocinar tem a vantagem de pensarmos tudo em valores de hoje para qualquer época futura, o que mantém o raciocínio mais claro.)

Agora, qual seria a situação de João caso ele investisse esses R$ 280 em aplicações de alto rendimento corrigidas pela inflação?

Como mostra esse artigo, se João fizesse isso, daqui a 49 anos ele teria à sua disposição uma quantia cujo poder de compra equivale a nada menos que *R$ 1,038 milhão* em valores de hoje.

Mas agora vem o principal: esse R$ 1,038 milhão (em valores de hoje) que João terá daqui a 49 anos, caso continuem aplicados, renderão a ele nada menos que R$ 5.086 por mês (em valores de hoje).

Apenas compare e se espante:

No primeiro cenário, tudo o que restou a João é receber R$ 1.000 por mês (em valores de hoje). E só. Ele não tem mais nada. Toda a dinheirama que ele deu ao INSS (um total de R$ 178.360 durante 49 anos) se perdeu. Ele não tem acesso a ele. Tudo o que lhe restou, repetindo, é receber R$ 1.000 por mês.

Já no segundo cenário, João não apenas estará em posse de R$ 1,038 milhão (em valores de hoje), como ainda estará ganhando mais R$ 5.086 por mês (em valores de hoje) só com os juros incidentes sobre esse R$ 1,038 milhão!

Eis, portanto, as alternativas de João: patrimônio nenhum acumulado e apenas R$ 1 mil por mês para sobreviver; ou patrimônio de R$ 1,038 milhão acumulado mais uma renda mensal de R$ 5.086 por mês.

Isso, e apenas isso, já deveria bastar para acabar com qualquer debate sobre a Previdência.

Aliás, o exemplo do Instituto Mises Brasil foi bastante modesto. Há uma série de aplicações conservadoras que oferecem, ao longo de muitos anos, taxas de juros na ordem de 0,80% ao mês. Então, se investirmos R$ 280, por 49 anos, a uma taxa mensal de 0,75%, nosso patrimônio atingirá incríveis R$ 3 milhões. Isto representará uma renda mensal superior a R$ 20.000,00.

Alguns simuladores de juros compostos:
http://www.clubedospoupadores.com/simulador-de-juros-compostos
http://carteirarica.com.br/juros-compostos/

Perceberam a diferença? Bem diferente dos resultados oferecidos pelo INSS.

A social-democracia no Brasil entrou em colapso

Ontem, ao acessar minha conta pessoal no facebook, recebi um compartilhamento de um artigo muito interessante – do Instituto Ludwig Von Mises Brasil – que trata sobre o impacto e as consequências que a social-democracia vem causando sobre o Brasil.

Alguns artigos do Instituto são bastante polêmicos e nem sempre concordo, mas a análise sobre a social-democracia foi perfeita e está muito bem fundamentada – os números não mentem.

Confiram, na íntegra, o artigo:
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2532

Formação de patrimônio (primeiros passos)

A semana foi, sem sombra de dúvidas, bastante turbulenta para quem investe em renda variável – com Ibovespa encerrando em queda de 3,32% e inúmeros acontecimentos no cenário político (Aumento para funcionalismo público, Protestos contra Temer, Corte de 4,3 mil cargos e etc). O ano promete fortes emoções, principalmente enquanto o cenário político permanecer instável. O gráfico de hoje foi o inverso ao da publicação anterior.

Screenshot_20160610-175245

Diante de tantas incertezas, algumas pessoas ficam desconfortáveis ou inseguras para começar investir. No entanto, saibam que, ao contrário do que parece, o momento oferece excelentes oportunidades para “investidores conscientes”, seja em renda variável ou fixa. Mas, é você quem definirá o nível de emoção (risos)!  😉

Se você estiver começando e conta com recursos limitados, acredito que o ideal seja optar por opções mais simples e de baixo risco, mantendo constante o estudo sobre educação financeira e investimentos (é fundamental). Com o tempo e experiência, evoluímos naturalmente.

Ou seja, acredito que o ideal (aproveitando o momento atual) seja começar por investimentos em renda fixa, como: “Poupança, Tesouro Direto ou LCI“.

Investindo em Renda Fixa

Não tenho conta na corretora Easynvest, mas compartilho alguns de seus vídeos porque são muito didáticos e educativos. Para você que se sente inseguro ou está começando, recomendo separar alguns minutos de seu tempo para assistir este vídeo (reforça o que tenho compartilhado ao longo do tempo):

Cuidado com a interpretação da indicação de  “reavaliar os investimentos”. Não gire patrimônio. A troca deve ser feita quando identificamos que o investimento perdeu valor (ou tende perder). Ou seja, não tente migrar de um investimento para outro na busca de “rendimentos melhores”. Podemos até direcionar novos aportes conforme nosso interesse (se julgarmos lucrativo). A Bolsa de Valores, por exemplo, não está em seu “melhor momento”, mas é justamente agora que vale à pena se posicionar, pois permite comprar um número maior de ações de boas empresas (com cautela).