Resultado do mês de julho (2020)

Eis que metade do ano se foi e o COVID-19 continua sendo o centro das atenções. Por sorte, o combate ao vírus está evoluindo e surgiram diferentes propostas de vacina (o Brasil participa de algumas) – aliás, já estuda-se a possibilidade de vacinação até o final do ano, mas não há confirmação oficial. De maneira geral, não há muita novidade no cenário interno, apesar do atual presidente testar positivo para o COVID-19 (já recuperado) e o ministro da economia apresentar uma proposta para tributação digital. No cenário internacional, a divulgação negativa do Produto Interno Bruto (PIB) norte americano, referente ao segundo trimestre deste ano, casou bastante estresse no mercado. Apesar de tantas turbulências, não fui surpreendido com imprevistos no mês. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Quanto ao COVID-19, há muitos questionamentos em relação a contagem de contaminados e óbitos no Brasil (na maioria das vezes com intuito de desacreditar). Neste exato momento, estima-se um total de aproximadamente 94.130 mortos no país. Saberemos se os números estão “superestimados” ou não no final do ano, comparando a diferença do total de óbitos entre 2020 e 2019. Sei que não devemos tratar vidas como meros números, no entanto esta avaliação será importante para “mensurar” se a avaliação feita pelos Estados foi real e se as medidas tomadas para o combate à pandemia foram desproporcionais ou não.

Felizmente, o Brasil conta com parcerias internacionais que permitiram obter uma reserva elevada de doses experimentais de algumas vacinas. Segundo o portal UOL, “já são 120 milhões de doses da Chinesa Sinovac (desenvolvida com o Instituto Butantan) e mais 100 milhões da universidade de Oxford. Aliás, há relatos de que alguns profissionais de saúde participam(ram), de forma experimental, no primeiro processo de vacinação no país. A ciência continua lutando contra o tempo e existem outras frentes de pesquisas também. Em paralelo, por exemplo, existe um estudo apontando para uma diminuição significativa no contágio e número de óbitos com a aplicação da vacina BCG.

Em relação ao impacto econômico, é provável que ainda presenciaremos muitas turbulências. A conta final ainda não foi apresentada. O isolamento social tem se mostrado fundamental, mas, ao mesmo tempo, bastante negativo para a economia e tende ser ainda pior onde o lockdown se fez necessário.

Com fluxo menor e controlado de pessoas nas ruas, inúmeras empresas simplesmente perderam quase todo o seu faturamento. Pequenos negócios podem simplesmente fechar definitivamente; o que, infelizmente, leva à um índice de desemprego crescente. Os governos, no mundo inteiro, tentaram intervir oferecendo auxílios emergenciais – imprescindível para grande parte da população, porém provocará um endividamento interno bastante expressivo e certamente será cobrado no futuro.

Por consequência, a tendência é que venhamos conferir uma desaceleração acentuada na capacidade produtiva de diversos países. Ou seja, o otimismo do mercado “tende” mudar de direção. Após a divulgação da queda de 32% do PIB norte americano, no segundo trimestre deste ano, as principais Bolsas fecharam a semana “no vermelho”. Ainda assim, pela pontuação atual do IBov, percebe-se que o mercado “mantém o clima de otimismo”. Seja com for, mantenha a cautela, pois, com a desaceleração econômica global, dificilmente o resultado do PIB brasileiro será favorável.

Com o isolamento social, as transações digitais foram beneficiadas e chamaram a atenção. O governo brasileiro, preocupado com o endividamento interno (tanto pelos encargos de programas sociais como folha de pagamento), enxergou uma nova alternativa de tributação. Muitas pessoas associaram ao CPMF, mas Paulo Guedes enfatiza se tratar de uma tributação digital (comércio eletrônico). Particularmente, preferia não ter que arcar com mais impostos, no entanto considero plausível se for temporário (avaliando as particularidades do momento atual).

Infelizmente, a pandemia impôs esta situação toda!

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

No final de julho algumas empresas divulgaram seus balanços e, em função de um cenário tão desafiador, o resultado positivo surpreende e corrobora com a manutenção do clima de otimismo atual.

A Weg, por exemplo, surpreendeu com crescimento de 32% do lucro líquido no 2T20 – a valorização da ação também impressionou: no intervalo de 1 ano, WEGE3 apresentou uma variação de R$ 22 para R$ 66 (por ação). De forma semelhante, outra empresa que surpreendeu bastante foi a Engie, apresentando salto de 98% de lucro no 2T20. Por outro lado, o mesmo não pode ser dito de BB Seguridade (queda de 9% no lucro líquido), Fleury (prejuízo de R$ 73 milhões), Petrobras (prejuízo de R$ 2.7 bilhões) e Bradesco (queda de 40% no lucro líquido), por exemplo.

Assusta um pouco ver um grande Banco como o Bradesco apresentar uma queda expressiva no lucro líquido, porém é preciso aguardar o resultado dos demais Bancos para que possamos concluir se foi um caso isolado e específico.

Quanto a Oi, ainda é cedo e complicado tecer qualquer conclusão. A situação da empresa continua delicada (ainda em recuperação judicial), porém trata-se de um possível turnaround bastante interessante (e arriscado, risos). Atualmente, a empresa recebeu uma proposta, pela operação móvel, da gestora norte americana Digital Colony e outra proposta de R$ 16,5 bilhões de Tim, Claro e Vivo.

Conforme exposto em meses anteriores, minha aposta em OIBR3 está feita e não pretendo mudar (PM de R$ 0,80) – seja qual for o desfecho, trata-se de uma alocação que não afetará minha tranquilidade. Aliás, não é o meu caso, mas, para quem arriscou um swing trade (operação de médio prazo), o ativo já performou muito bem. Vale ressaltar que não é uma recomendação, até porque o posicionamento neste momento (euforia) é extremamente arriscado!

Também aproveitei o momento para abrir uma pequena posição em CIEL3. O aporte foi pequeno e acompanharei a evolução da empresa antes de reforçar a posição. Acredito na experiência de mercado construída ao longo dos anos e achei positiva a iniciativa de buscar aval do Banco Central (que já concedeu) para emissão de moeda eletrônica.

Para obter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20
https://financenews.com.br/?s=2t20

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, ITSA3, EGIE3, ODPV3, BRCR11 (0,47%), FCFL11 (0,54%), PQDP11 (0,0%), KNRI11 (0,38%), RNGO11 (0,66%), RBVA11 (0,57%), GGRC11 (0,46%), MXRF11 (0,64%), KNCR11 (0,32%), HGRE11 (0,38%), VISC11 (0,18%), HFOF11 (0,94%) e HGBS11 (0,16%). Apesar do momento desafiador, a performance da carteira permanece bastante estável; não há mudanças significativas. Mesmo depois do relaxamento do isolamento social em algumas cidades, a performance dos FIIs de shopping continua sendo castigada. Particularmente, considero que não há muito o que esperar para 2020 (“o ano foi perdido”). A meta agora é preservar capital. O melhor rendimento continua com o fundo HFOF11, embora a previsão para o mês de agosto seja preocupante – fatalmente seria afetado. O retorno financeiro final continua excelente e contou com um pequeno reforço com o pagamento de dividendos e JCP de ITUB3, ITSA3, EGIE3 e ODPV3 (em ambos ativos o rendimento foi pouco expressivo, porém o rendimento de EGIE3 foi o mais alto).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de FLRY3, CIEL3 e GGRC11. Conforme exposto anteriormente, após avaliar os riscos envolvidos e por entender que a precificação está injusta, decidi abrir uma pequena posição em CIEL3, onde foi direcionado o menor aporte. Nos demais a distribuição foi bastante equilibrada.

Para melhor compreensão dos riscos e vantagens, confiram uma análise interessante sobre a Cielo:

Após passar sufoco no mercado futuro por instabilidade na corretora/Banco (duas horas seguidas), solicitei transferência de custódia (formulário SVTM) do Banco Modal para outro Banco. Para quem me acompanha a mais tempo, não é novidade minha insatisfação com o Banco Modal (em grande parte pela dificuldade de comunicação). Ao contrário do que imaginei inicialmente, o processo foi rápido e totalmente online. Não foi preciso reconhecer firma. E, por não ter interesse em reforçar posições, aproveitei para solicitar o resgate dos fundos Alaska Black II e Fator Sinergia FIA – ambos D+30. Por incrível que pareça, o pior resultado foi do fundo Alaska Black II (com rendimento negativo) – preço pago por entrar com “grande atraso”.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos ficou mais equilibrada porque, desde o mês passado, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Em relação aos trades…

Novamente, alternei entre operações manuais e automatizadas com o robô no Metatrader5. Desta vez, o resultado foi ruim. Pois é, conforme comentei na postagem anterior (mês de junho), inúmeros fatores podem influenciar no resultado e, querendo ou não, existe uma pitada de sorte neste processo. Não abuse, o manejo de risco é tão importante quanto uma operação bem sucedida.

É fundamental ter um controle (limite) eficiente sobre as perdas! 😉

Discursos sobre psicologia positiva e mindset são comuns na Internet e podem até animar um pouco no início, mas não garantirão a consistência operacional – dependerá de habilidade e experiência (poucos conseguem) ou um processo automatizado muito eficiente; o resto é historinha para boi dormir (vender sonho é MUITO mais fácil que colocar em prática)!

A grande questão está em nosso comportamento diante de uma operação mal sucedida. Ou seja, como reagimos diante do prejuízo. Sempre alternaremos entre erros e acertos, não há como evitar. É importante e fundamental limitar as perdas (aceite dias negativos) e maximizar os acertos – é evidente que não será fácil colocar em prática.

O emocional costuma ser testado quando o dia começa negativo, pois sua meta ficará mais distante logo de saída (podendo aumentar a cada erro). Também é complicado identificar até que ponto faz sentido procurar reverter um prejuízo. Em alguns casos vale à pena tentar reverter, mas nem sempre será possível. E acredite, em um dia negativo (vai acontecer), o primeiro prejuízo será sempre o menor.

Em outras palavras: “a tentativa manual de corrigir os erros do robô funcionou MUITO BEM durante um período, mas não durou muito tempo e fez com que eu devolvesse todo lucro das operações do mês anterior e mais um pouco. Como o índice de acerto no mês anterior foi alto, operei com excesso de confiança em julho e encontrei dificuldade para aceitar o momento para encerrar as operações no dia.”

Aparentemente, seguindo a risca os sinais do robô (APFTrendPlus), o resultado tem sido positivo, mas não se mostrou tão eficiente. Porém, desta forma, consigo respeitar o controle de risco e o erro não custa tão caro (muitas vezes por teimosia). Por esta razão, vou rever minha conduta para o mês de agosto. Posso interferir na operação desde que não contrarie o sinal do robô (errando ou não).

De maneira geral, apesar do momento amargo para o mercado (não se iluda com algumas semanas de otimismo), continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e o rendimento continua performando muito bem.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Resultado do mês de junho (2020)

O tempo está passando rápido e “pouca coisa realmente pertinente” tem mudado. Ao que tudo indica, em decorrência da pandemia, estamos “passando por um ano perdido”. É difícil mensurar o preço que será cobrado por isto. Aliás, o aumento no número de casos confirmados e óbitos tem causado bastante instabilidade nos mercados em todo mundo. No cenário interno, para variar um pouco, a cada mês que passa, a equipe do Governo sofre alterações – o conflito tem sido constante. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Com o aumento no número de casos e óbitos (recordes), em função do avanço do Coronavírus, o clima de tensão nos mercados mundiais continua turbulento. Mas, é preciso manter a cautela; ainda é cedo para avaliar ou estimar as consequências que serão sentidas nos próximos meses ou anos. O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), por exemplo, estima uma retração de 6% do PIB brasileiro neste ano.

De maneira geral, apesar de tantas incertezas e desvalorização na semana, os mercados responderam com otimismo no mês. Sinceramente, fiquei até surpreso. No início do mês, por exemplo, o índice Ibov registrava 87.946 pontos aproximadamente – vale lembrar que, em abril (deste ano), atingimos a mínima de aproximadamente 63.500 pontos. E, no momento em que escrevo (dia 30/06/2020), o índice registra 95.681 pontos.

Como prevalece o clima de grandes incertezas (pelo impacto humano, social e econômico), toda cautela é pouco. Conforme exposto anteriormente, as estimativas futuras não dão sustentação para o clima de otimismo atual!

Quanto ao cenário interno, não há muita novidade. Acredito que, talvez por necessidade (resultado de tantos atritos internos), o Governo continua fazendo acordos com o Centrão. Também tivemos alterações na Secretaria de Cultura (saída de Regina Duarte) e Ministério da Educação (saída de Abraham Weintraub). Pouco tempo depois, o Governo nomeou Abraham Weintraub como diretor executivo do Banco Mundial, mas sua nomeação não foi bem vista entre funcionários do Banco – que, sem sucesso, tentaram barrar sua nomeação.

Fiquei um pouco desapontado com a resposta do Governo Federal diante deste momento tão difícil e delicado, mas também não concordo com a forma desproporcional como a mídia tradicional vem atacando o Governo.

Aliás, independente de qualquer Governo e diferente do que a esquerda brasileira sempre induziu acreditar, neste momento o papel da iniciativa privada tem sido muito mais atuante e positivo para o país do que da iniciativa pública. Por exemplo: “O Banco Itaú, fez doação de R$ 1 bilhão para o combate ao COVID-19; e a Weg produziu e entregou respiradores (assinou em março um contrato para obter a licença para produzir o ventiladores pulmonares com base técnica no aparelho de ventilação mecânica pulmonar Luft-3 da LEISTUNG) – dentre tantos outros, estes foram apenas alguns exemplos“.

Na contra mão de tantos esforços solidários, nossos “representantes” se negaram utilizar os recursos do fundão eleitoral em um momento tão crítico para o país. São nestes momentos que vemos de onde vem os maiores sacrifícios e esforços.

Portanto, na próxima vez que alguém lhe disser que os empresários só olham para o próprio umbigo, lembrem-se de quem está fazendo a diferença no momento mais grave e delicado do país! 😉

Vejam o exemplo da Weg:

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Para obter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, CRFB3, BRCR11 (0,45%), FCFL11 (0,48%), PQDP11 (0,0%), KNRI11 (0,38%), RNGO11 (0,58%), RBVA11 (0,66%), GGRC11 (0,59%), MXRF11 (0,65%), KNCR11 (0,32%), HGRE11 (0,39%), VISC11 (0,23%), HFOF11 (0,82%) e HGBS11 (0,17%). Novamente, apesar do momento desafiador, a performance da carteira permanece bastante estável. Os fundos que apresentaram melhor “recuperação” no rendimento foram: GGRC11 e HFOF11 – aliás, preciso agradecer ao meu amigo Tanaka por chamar minha atenção para o fundo HFOF11. De maneira geral o retorno financeiro final da carteira continua excelente e contou com um pequeno reforço com o pagamento de dividendos e JCP de ITUB3 e CRFB3 (em ambos ativos o rendimento foi pouco expressivo).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de GRND3 e KNCR11. Como, no mês passado, a Grendene pagou rendimentos “generosos”, decidi direcionar parte do aporte para a empresa e também por interesse em ampliar a posição no ativo. No entanto, o aporte mais significativo foi para o fundo KNCR11 que, apesar do rendimento inferior (se comparado com outros ativos da carteira), considero estar negociando com um preço bastante atrativo e, particularmente, vejo um potencial interessante de valorização (tanto da cota como dos rendimentos). São decisões pessoais.

O aporte mensal foi estrategicamente menor. Mantive parte dos recursos em poupança (para casos emergenciais), direcionei outra parte para trades na corretora Clear, reforcei as posições por meio do rendimento da própria carteira e mantive aproximadamente R$ 1.500 líquido na conta da Modalmais para concentrar nas operações de trade com mini contratos de índice.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos ficou mais equilibrada porque, desde o mês passado, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Em relação aos trades…

Dentre erros e acertos, operando manualmente ou com o robô, “fechei o mês” com lucro líquido de aproximadamente R$ 1.550 (somente com as operações).

É interessante ver como coincidências e sorte podem fazer parte do processo, não é apenas habilidade. É claro que a experiência, o controle emocional e o manejo de risco são fundamentais. Seja como for, mostrar resultados isolados não diz absolutamente NADA sobre uma estratégia ou consistência operacional. Você *sempre* encontrará um caso isolado para demonstrar. Alguém sempre ganhará em determinado momento! Portanto, não fique muito animado com os resultados divulgados em determinados cursos de trade (não provam NADA).

No primeiro dia (da primeira semana), o robô já começou com prejuízo de R$ 300. Para treinar e tentar reverter o resultado negativo, fiz 20 trades curtos no mesmo dia. Dos 20 trades, errei apenas dois. Porém, o custo operacional foi tão alto que terminei o dia no 0 a 0 – resumindo: “o custo operacional foi o prejuízo do dia (nada que me incomodasse)“. Confesso que, mesmo assim, fiquei surpreso e contente com o número de acertos. Acreditem, foi uma combinação de sorte (não conseguiria reproduzir isto todos os dias – risos) com manejo de risco! Uma coisa ficou clara: “operar desta forma seria inviável, mas foi uma experiência válida“.

Nos dias seguintes, alternei entre operações com o robô e manuais. Consegui atingir um ponto de equilíbrio que me permitiu fazer aproximadamente R$ 150 por dia no período da manhã (estabeleci como meta inicial). Muitas vezes o robô acertou as principais operações logo no início do dia. E, ao perceber um movimento forte, dentro de uma tendência bem definida, deixei o robô controlar a operação até o final. Desta forma, também obtive lucros acima da média. Por outro lado, em alguns casos mais arriscados, precisei interromper a operação antes do robô. O mais interessante foi manter este resultado em praticamente duas semanas seguidas, sem precisar ficar grudado na tela do computador – pude exercer outras atividades.

Tudo estava perfeito, até eu colocar na cabeça que tinha a “obrigação” de reverter todo e qualquer prejuízo do robô em lucro – ganhando todos os dias e fechando a meta. Pois é, parecia funcionar bem. Nos dias seguintes, eu “sempre” acertava movimentos mais longos também; e bastava operar no período da manhã. A segunda lição foi aceitar que é impossível fechar a meta perfeitamente todos os dias. Em alguns dias, a sorte não estará do nosso lado e, caso não aceite, o prejuízo tende aumentar no decorrer do dia.

Se você não admite que a sorte também faz parte do processo, então aceite que, em alguns dias, seu estado de espírito não ajudará! 😉

Aliás, em alguns dias (mais raros), pode ser que sua corretora lhe deixe em estado de pânico também. Hoje mesmo (dia 30), a Modalmais travou por mais de duas horas seguidas – haja sangue frio. A corretora alegou que a falha foi na B3, mas, estranhamente, a Clear não apresentou a mesma instabilidade. Por sorte, operei com o robô na Modalmais com apenas 3 mini contratos. O ambiente da corretora travou e vi um lucro de R$ 150 oscilar para prejuízo de quase R$ 700 (sem poder fazer nada e sem saber até onde iria – já estava rindo de nervosismo quando passou pelo meu stop loss à todo vapor). Quando o sistema normalizou, zerei minha posição com prejuízo de R$ 300. Como já havia realizado lucro de R$ 150 na Clear, decidi encerrar as operações no dia. Como eu disse, a sorte faz parte do processo e a ânsia por reverter um pequeno prejuízo pode resultar em um grande prejuízo.

E assim encerrei o mês positivo… são tantas emoções! (risos)

De maneira geral, apesar do momento amargo para o mercado (não se iluda com algumas semanas de otimismo), continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e o rendimento continua performando muito bem.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Resultado do mês de maio (2020)

Mais um mês encerra e continuamos limitados pelo COVID-19. Não há uma previsão exata para o fim do isolamento social por aqui e o índice de contaminação segue em curva exponencial crescente. Aliás, infelizmente, o que mais encontramos são achismos e muita desinformação. Falar sobre o cenário político-econômico hoje é garantia de conflito ideológico, pois o confinamento amplia as emoções e paixões exacerbadas – parece que o foco de discussão de alguns grupos é meramente político. De qualquer forma, as consequências econômicas já estão sendo sentidas e são amargas. Muitas empresas, para evitar demissões ou fechamento (por exemplo), aderiram ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda oferecido pelo governo federal – passei por isto também; não está fácil para ninguém. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

O desalinhamento entre o governo federal e seus ministros é tão grande que, em menos de um mês de posse (17 de abril até 15 de maio de 2020), presenciamos a saída do segundo ministro da Saúde (Nelson Teich) em plena pandemia. Estamos falando de trocas estratégicas de grande impacto em curtíssimo espaço de tempo e em um momento de grande turbulência política, social e econômica. Na minha opinião pessoal, a justificativa de que outras administrações faziam alterações mais frequentes não serve como desculpa, pois entendo que o momento é extremamente delicado, único e o governo atual sempre prometeu uma conduta diferente e oposta à tudo que víamos até então. Inúmeras alianças atuais seriam impensáveis no início.

Não vou estender este assunto, pois, conforme exposto no início, tratar sobre o cenário político-econômico hoje é garantia de conflito ideológico, pouco produtivo e não mudará a realidade dos fatos.

Quanto ao impacto econômico imediato… Apesar de alguns contratempos, o governo tem feito sua parte! 😉

Visando socorro às empresas de pequeno e médio porte, para evitar demissões em massa, o governo federal lançou um programa de reposição salarial, permitindo que empresas reduzam temporariamente (até 3 meses) a renda de seus funcionários em 25%, 50% ou 70%. Como a reposição tem um teto proporcional ao seguro desemprego, as empresas tendem aplicar reduções mais significativas para rendas menores (até dois salários, por exemplo), visto que, neste caso, a complementação do governo será quase total. Para o funcionário, quanto maior a renda, menor será a reposição e maior será a perda.

O programa de reposição salarial é uma medida emergencial e tende evitar consequências ainda mais graves no mercado de trabalho, pois, com a redução do consumo e sem este apoio financeiro, algumas empresas seriam obrigadas a demitir ou fechar as portas por incapacidade de lidar com seu quadro de funcionários. Portanto, é um benefício que atinge empregado e empregador (todos ganham). A empresa em que trabalho, por exemplo, aderiu ao programa.

Outro programa oferecido pelo governo é o Auxílio Emergencial – trata-se de suporte financeiro para trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados (infelizmente, há vários relatos de dificuldade com a liberação do recurso). Aproveitando o ensejo, segundo o portal G1, “a Caixa Econômica Federal libera nesta segunda-feira (dia 1 de junho) as transferências e saques em dinheiro da segunda parcela do Auxílio Emergencial depositada em poupanças sociais digitais“.

São medidas necessárias. Mas, não se engane, o custo deste socorro será alto e a conta será paga por todos os cidadãos.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Em relação ao mercado de capitais, o clima de pessimismo parece ter dado “uma trégua” (cuidado) e os principais índices mundiais vem respondendo de forma positiva. Ainda assim, fiquem atentos, o momento atual continua bastante incerto e as consequências econômicas só ficarão evidentes quando tudo isto passar e cada país analisar com calma as “contas” acumuladas em consequência da paralisação (é inevitável). No momento há muita especulação.

Para que se tenha melhor compreensão dos desafios que estão por vir, segundo relatório da Focus, “analistas do mercado estimam queda de 6,25% para o PIB brasileiro em 2020. Foi a décima sexta queda seguida do indicador,(relatório focus)“. 

Resumindo: não se permita mover por emoção!

Algumas empresas que mantenho posição em carteira apresentaram os balanços referentes ao período 1T20, como foi o caso de Ambev (QUEDA de 55,6% do lucro líquido ajustado), Fleury (QUEDA de 36,6% do lucro líquido), Petrobras (PREJUÍZO líquido de R$ 48,5 bilhões devido à baixa contábil) e Carrefour Brasil (QUEDA de 4% do lucro líquido, apesar do crescimento de 6,9% de EBITDA). Reafirmo: “o cenário é e continuará bastante desafiador por algum tempo”. Até os principais Bancos, como Banco do Brasil e Itaú (por exemplo), registraram queda no lucro líquido (vale ressaltar que não é prejuízo).

Para obter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, GRND3, BRCR11 (0,47%), FCFL11 (0,47%), PQDP11 (0,0%), KNRI11 (0,41%), RNGO11 (0,57%), RBVA11 (0,70%), GGRC11 (0,49%), MXRF11 (0,69%), KNCR11 (0,37%), HGRE11 (0,39%), VISC11 (0,28%), HFOF11 (0,76%) e HGBS11 (0,17%). Não há muita novidade. Conforme esperado, o isolamento social afetou diretamente muitos fundos. O fundo Parque Dom Pedro Shopping (PQDP11), até que se tenha maior visibilidade quanto ao impacto no fluxo de caixa, optou em não distribuir rendimentos temporariamente. Porém, não entrem em desespero, lembrem-se de que os fundos são obrigados a distribuir 95% do resultado semestralmente – tudo depende do planejamento do fundo (a distribuição mensal é praticamente uma cortesia). De maneira similar, outros fundos de shopping como VISC11 e HGBS11 também apresentaram resultados ruins. Quanto a disposição da carteira, percebam que houve um pequeno “ajuste” (não foi manual): saiu o Fundo Santander Agências (SAAG11) e entrou Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) – na realidade, o que aconteceu foi a fusão entre os dois fundos (criando um dos maiores fundos imobiliários do país), convertendo as cotas na proporção de 0.83 RBVA11 para cada SAAG11. De maneira geral, mesmo com tantas turbulências e impactos negativos, o rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ITUB3 e GRND3 (para minha surpresa, o “rendimento” mais expressivo foi da Grendene).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de FLRY3 e KRNI11. De maneira geral, a distribuição foi bastante equilibrada. Porém, em função de tantas incertezas, tanto no mercado de capitais como na visão macroeconômica do país e por questões de segurança, considerei prudente manter parte do capital dedicado para novos aportes na caderneta de poupança (pelo baixo risco e disponibilidade imediata). Não pretendo fazer isto com frequência, minha intenção é dispor de um pequeno recurso de rápido acesso e quase nenhuma volatilidade.

Aos mais entusiastas do Banco Inter, recomendo assistir o seguinte vídeo:

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos ficou mais equilibrada porque, desde o mês passado, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Em relação aos trades

Desde o início do ano, consegui evoluir bastante o indicador APFTrend-Plus e reescrevi o Expert Advisor (EA) do zero para explorar melhor as “sinalizações” do indicador (é o que busco).

Até então, vinha priorizando tanto a codificação do indicador como do EA, sem realizar operações de trade com minicontratos na conta real. É evidente que toda a avaliação operacional vinha sendo realizada no testador de estratégias do Metatrader5. Existem muitos detalhes que podem passar desapercebidos entre os desenvolvedores e analistas – dependendo da forma como o testador é chamado, o resultado pode ser completamente diferente.

Como estou ficando satisfeito com a evolução do projeto, pretendo retomar as operações na conta real nos próximos dias e, em breve, compartilharei um vídeo com maiores detalhes sobre o assunto.

De maneira geral, apesar do momento amargo para o mercado (não se iluda com algumas semanas de otimismo), continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e o rendimento continua performando muito bem.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Convulsão política e econômica!

Desde o início do ano o país vem apresentando um cenário político-econômico bastante instável e difícil de analisar. O surgimento do vírus COVID-19 sacudiu o mundo e está levando à uma crise econômica sem precedentes. Como se não bastasse, o cenário interno do Brasil está se tornando extremamento perigoso.

Durantes as eleições de 2018, também manifestei apoio ao atual presidente, não havia outra maneira. Diante das opções apresentadas, não me arrependo. Não era o candidato de minha preferência, mas era a única opção que enxergávamos para mudar o rumo do país. A renovação política também engrandece e fortifica a democracia.

O otimismo era enorme. Estávamos conferindo uma equipe técnica de peso – parecia que as coisas seriam diferentes (existia uma luz no fim do túnel). Infelizmente, o comportamento explosivo e impulsivo do atual presidente levou a grandes mudanças em sua equipe e alianças. Após um ano de governo, a equipe já não é mais a mesma e é difícil enxergar resquícios do que vimos anteriormente.

Sendo assim, as expectativas futuras precisam ser revistas…

A situação tomou proporções inimagináveis inicialmente, com a quebra da aliança política que o governo contava no congresso, “levando” o presidente abandonar o PSL – ou seja, governando sem partido ou alianças essenciais para aprovar as propostas do governo. Não é à toa que, atualmente, o governo se viu obrigado em criar novas alianças com o centrão. Foi o que restou.

Na minha opinião pessoal, o governo Bolsonaro não soube negociar os interesses políticos e, sempre que contrariado, optou pela ruptura. Perdeu apoio entre influenciadores digitais, fritou membros e ministros do próprio governo. Em pleno momento de pandemia, o governo perdeu dois ministros de grande influência (Mandetta e Sérgio Moro) e posição estratégica. A saída de Sérgio Moro (Ministério da Justiça) poderia ser evitada, mas foi um conflito que o presidente não se importou em evitar.

Ambos estão brigando para defender quem tem razão, mas a verdade é que quem tem o poder para manter ou derrubar é o presidente. Novamente, o governo optou pela ruptura. Atenham-se aos fatos, pois frases ditas no ar não tem significado ou relevância alguma.

Aliás, dentre várias razões, uma das justificativas alegadas pelo presidente para o descontentamento com Ministro da Justiça foi a falta de resposta para o atentado sofrido durante as eleições.

Porém, vale lembrar que, em 07/2019, tanto o atual presidente quanto o MPF, aceitaram que o caso do Adélio Bispo fosse encerrado (não recorreram):
https://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2019/07/16/mpf-e-bolsonaro-nao-recorrem-e-processo-contra-o-agressor-adelio-bispo-e-encerrado.ghtml

Logo, existem questões que estão fora do alcance da população ou grande mídia. É inútil especular possibilidades. Melhor nem tentar aprofundar o assunto, pois seriam suposições inúteis. O que quero dizer até aqui é que todo o desgaste atual vem sendo causado pelo próprio governo.

E se você acha que acabou por aqui, saiba que o Ministro Paulo Guedes também está sofrendo atrito com o governo. Infelizmente, isto coloca em grande risco a trajetória otimista do mercado de capitais que visualizava o cumprimento de uma pauta liberal. Perceberam os riscos?

Segundo a Empiricus, “O grande plano econômico em vigência, hoje, é o chamado Plano Pró-Brasil, desenvolvido pela ala militar do governo, anunciado pela Casa Civil, que sequer teve o aval do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

Para maiores detalhes sobre o que foi dito, sugiro a leitura do artigo:
https://sl.empiricus.com.br/p/pe131-bode/

Não pretendo, com isto, criar polêmica, apenas compartilhar um pouco de minha preocupação e informar. Gostei do artigo publicado pela Empiricus e considero o conteúdo relevante para o momento em que vivemos.

Tenham cautela, pois ainda existe espaço bastante relevante para piorar! Apertem os cintos, este ano promete!

Coronavírus: Recessão ou contenção?

Tenho acompanhado as discussões em redes sociais e o que a mídia tradicional vem noticiando e, na minha opinião, acho lamentável ver que boa parte das pessoas encaram o momento como uma luta política entre direita x esquerda, capitalismo x comunismo ou uma trama da esquerda brasileira para derrubar o governo. Concordo que não podemos surtar, mas subestimar o Covid-19 pode ser um erro fatal.

Quem me acompanha há mais tempo sabe que me identifico mais com a visão da “direita” e com o sistema capitalista (sempre comentei abertamente). No entanto, isto não me impede de questionar atitudes ou ações que discordo – o que também não significa que não possa errar. Para melhor esclarecer a minha visão, gostaria de avaliar alguns números mais adiante.

Atualmente, existe uma discussão forte sobre os impactos econômicos da “contenção” (tende acontecer de um jeito ou de outro). Vale lembrar que os impactos já estão sendo sentidos no mundo todo, não é uma “mera” questão interna. É óbvio que as medidas internas podem agravar a situação do país.

Sendo bem direto… Ainda é possível racionalizar a discussão porque o número de mortes no Brasil é pequeno e a doença está na fase inicial, com a curva de contaminação ainda em formação. Mais adiante vocês perceberão que os efeitos econômicos também dependerão do sucesso da contenção na fase inicial.

O Roberto Justus, por exemplo, argumentou que o mundo já sofre com outras doenças (ou fatalidades) e usou alguns números para efeito de comparação. Não sei se fez de caso pensado, mas sua comparação foi bastante “questionável” (sendo bonzinho). Ele usou uma amostragem bruta e fixa (de um ano completo) contra uma amostragem temporária (pouquíssimos meses) ainda em crescimento exponencial. No vídeo, argumentou que “12.000 mortos não era nada”. Não vou entrar no mérito da sensibilidade humana (a questão não é essa, não vejo problema), vamos concentrar nos números. Vejam que a discussão aconteceu há poucos dias e hoje o número de mortes já está em 19.753. Infelizmente, estes números ainda estão distantes de estacionar. Por esta razão, é complicado fazer comparações.

Observem a seguinte imagem:

Fonte: https://www.worldometers.info/coronavirus/

Dos 440.398 casos confirmados, 112.036 foram curados e 19.753 foram fatais – até o exato momento (25/03/2020). Dessa amostragem, que é dinâmica (por isto é preciso tomar cuidado ao fazer comparações estáticas), já sabemos que 13.425 casos são críticos. Avaliando o número total de casos confirmados frente ao número de casos críticos, é possível observar que o número de casos fatais está muito longe de estacionar.

Agora, peço que vocês observem atentamente a diferença da curva de contaminação em relação a curva de mortes.

https://www.worldometers.info/coronavirus/

Percebam que o movimento é quase o mesmo – cor azul (contaminação) e cor laranja (mortes). O que muda é a escala. Na curva de contaminação, a escala varia de 100 em 100 mil. Já na curva de mortes, a escala apresenta variação de 5 em 5 mil. Por sorte, diferença de escala é grande, mas já é suficiente para tentar mitigar futuras mortes.

Tudo bem, esta é a situação no mundo.

Vejamos agora como está a curva de mortes no Brasil:

Fonte: https://www.worldometers.info/coronavirus/country/brazil/

Estes números não são da minha cabeça, foram extraídos do portal worldometers.

Meu objetivo até aqui é mostrar que a doença não pode ser tratada como uma mera gripe, nem mesmo comparada com o H1N1. O argumento de mortes por acidente de transito ou outras doenças não minimiza em nada o tamanho do problema, pois este vírus sozinho é capaz de colocar o sistema de saúde do mundo em colapso.

Agora, vamos ao cerne da questão…

Chegamos em um ponto em que lideres mundiais precisam, necessariamente, tratar vidas como números – e não há outra forma. Mas, qual medida causará um número maior de mortes ou estrago econômico?

Alguns grupos afirmam que a recessão econômica matará muito mais no médio e longo prazo. É difícil responder essa questão, existem diferentes interpretações.

Antes de continuar, peço que assistam até o final o seguinte vídeo:

Percebam que, com a quarentena na fase inicial da contaminação, a propagação do vírus segue um ritmo menor (“controlável), dando tempo para o sistema de saúde se estruturar para futuras demandas e diminui o esforço (tempo) para combater a doença.

Entendam que o grande problema está no ritmo de propagação da doença, colapsando os sistemas de saúdefatalmente, terá implicações na economia.

Nos países onde o número de mortes tomou proporções alarmantes, colapsando o sistema de saúde, a quarentena terminou sendo a única alternativa para conseguir atender a demanda, mas agora por prazo indeterminado.

Você pode achar tudo isto questionável, mas assistimos acontecer na Itália e agora na Espanha. Aliás, os Estados Unidos estão prestes a se tornar o epicentro da doença.

Tentamos encontrar justificativas para Itália (localização, clima e número de idosos, por exemplo) ultrapassar a China em número de mortes. Pois é, agora a Espanha também ultrapassou a China (com 738 mortes nas últimas 24 horas):
https://g1.globo.com/mundo/noticia/2020/03/25/espanha-supera-o-numero-de-mortes-da-china-por-causa-do-coronavirus.ghtml

No Brasil, a primeira justificativa para minimizar o impacto da doença foi o nosso clima. E, em curto espaço de tempo, já estamos com 2.274 casos confirmados (e estamos em quarentena).

Fonte: https://www.worldometers.info/coronavirus/country/brazil/

Não há mais como fugir da crise global. É evidente que a questão econômica é MUITO preocupante!

Mas, se a quarentena hoje demonstra um preço alto, é provável que seja ainda maior caso o sistema de saúde colapse e uma contenção ainda mais severa seja imposta (falta de alternativa) por prazo maior ou indeterminado.

Este é um grande impasse que o mundo não estava preparado para lidar.

Minha intenção aqui não é criar histeria, desejo apenas que cada um entenda a gravidade real do momento e faça a sua parte com tranquilidade. O melhor momento para agir é na fase inicial. O tempo tende ser o nosso maior inimigo. Se você puder ficar em casa, fique!