Resultado do mês de julho (2019)

Como o mês de julho encerrou no meio da semana, decidi apresentar o resultado mensal no primeiro final de semana de agosto. Para variar, presenciamos “pequenos” conflitos envolvendo o Governo atual – a imprensa brasileira não se cansa de procurar cabelo em ovo. Felizmente, não precisei lidar com imprevistos. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Por coincidência, no mês em que o ministro Paulo Guedes anunciou o interesse em acabar com a adesão obrigatória a Conselhos de Classe, como OAB, CRM e CREA (por exemplo), surgiu um grande desentendimento entre o Presidente da República (Jair Bolsonaro) com o Presidente da OAB (Felipe Santa Cruz).

Quanto ao desentendimento, já escrevi minha opinião sobre o assunto:

Felizmente, fomos presenteados com notícias positivas…
O clima de otimismo prevalece!

Na última semana do mês, o COPOM (Comitê de Política Monetária) anunciou um corte na taxa básica de juros, reduzindo a Selic de 6.5% para 6.0% (a menor desde o início do regime de metas de inflação), deixando, ainda, entender a possibilidade de futuros cortes. Ou seja, demonstra maior controle sobre a inflação.

A redução da Selic é salutar para economia brasileira, mas nos leva buscar opções de investimentos mais sofisticados. Acredito que ampliará o interesse por Fundos Imobiliários, Debentures Incentivadas (títulos de crédito privado), Fundos Multimercados e Ações. Vale lembrar, que ideal é não girar patrimônio, apenas direcione os próximos aportes conforme o interesse.

Com intuito de aquecer a economia, o Governo Federal decidiu liberar saques, até o limite de R$ 500.00 (a partir de setembro), para contas ativas ou inativas do FGTS e PIS-Pasep. Confesso que esperava algo um pouco mais expressivo (em porcentagem, por exemplo), mas, ao mesmo tempo, sabia que seria um “grande desafio”, pois os saques comprometem alguns setores (como da construção civil) e, há pouco tempo, o Governo Temer havia permitido o saque completo de contas inativas.

Ainda, em relação ao FGTS, o Governo também propôs, para 2020, novas regras para os saques futuros, através de uma modalidade batizada como “saque-aniversário” (opcional). Pode ser uma opção interessante para quem dispor de saldo superior a R$ 20.000, podendo sacar 5% mais uma parcela adicional de R$ 2.900,00 – ou seja, um saque anual de, pelo menos, R$ 3.900.

https://noticiasconcursos.com.br/noticias-concursos/saque-do-fgts-governo-libera-dinheiro-para-trabalhadores-ativos-em-2019/

Particularmente, estou inclinado em aderir a nova modalidade de saques. Mas é preciso pensar bem, pois, ao aderir, não poderemos trocar de modalidade por dois anos (a partir da solicitação) – neste prazo, não será permitido o saque completo da conta, mesmo em caso de demissão. Por outro lado, ficaremos mais livres para trabalhar o dinheiro conforme o nosso interesse ou necessidade. É uma decisão muito pessoal, estou apenas mostrando as opções.

Já no cenário externo, após sofrer novo blecaute generalizado, a Venezuela continua chamando atenção – desta vez, inacreditavelmente, jogando a culpa em um ataque eletromagnético (é muita cara de pau… risos).

A Bolívia também chamou atenção. Segundo o portal BBC, “uma aliança entre a Rússia e a Bolívia prevê a construção de um complexo de tecnologia atômica a mais de 4 mil metros do nível do mar, na cidade de El Alto, vizinha da capital boliviana La Paz“. Na minha visão, seria mais sensato e “viável” (longo e médio prazo) investir em energia limpa, como eólica e solar – caminho que estamos tomando com a contribuição de empresas como a Engie e Weg.

Em se tratando de energia solar, recentemente, também presenciamos a entrada da Weg no varejo, ampliando um projeto de miniusinas solares em condomínios. Particularmente, acredito que estamos no caminho correto.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Aos entusiastas das criptomoedas, surgiu uma opção de investimento mais “segura” (autorizada pela CVM) – confesso que fiquei surpreso. O Banco BTG está disponibilizando um Fundo Multimercado, conhecido como HASHDEX DIGITAL ASSETS DISCOVERY FIC FIM, que gere ativos baseados em criptomoedas. Ainda assim, não se iluda, trata-se da modalidade mais arriscada atualmente.

No mês passado comentei sobre o lançamento de uma criptomoeda, pelo Facebook, chamada Libra. Segundo a revista Exame, “a empresa terá a missão de convencer o Congresso Americano que sua criptomoeda pode ser lançada sem prejuízos de privacidade e segurança“.

Quando pensei que o assunto (criptomoedas) encerraria, eis que surge a primeira tentativa de regulação no Brasil. Não sei como a Receita Federal “pretende fazer isto efetivamente”, mas “Investidores e corretoras que atuam com criptomoedas, como o bitcoin, passarão a ter de informar transações mensalmente à Receita Federal“. A ideia, na teoria, parece viável, mas, na prática, os brasileiros já estão enviando dinheiro para o exterior e operando em corretoras fora do alcance dos órgãos brasileiros – duvido muito que prestem conta sobre estas operações.

Segundo a Exame: Com a norma, as corretoras precisarão prestar à Receita informações de todas as transações de seus clientes, como nome dos envolvidos, valores, data e taxas. A obrigatoriedade também vale para pessoas físicas que investem neste mercado de forma independente, sem as corretoras, e cujas transações com as moedas ultrapassarem 30.000 reais em um determinado mês

Dos ativos que mantenho em carteira, foram divulgados os balanços (2T19) de Grendene (GRND3lucro líquido de R$ 118,0 milhões / 36,9% menor), Hypermarcas (HYPE3lucro líquido +21,3%), OdontoPrev (ODPV3lucro líquido +21,3%), Petrobras (PETR3lucro líquido de R$ 18,9 bilhões com a conclusão da venda da TAG, +89%) e Ambev (ABEV3 – lucro líquido de R$ 2.7 bilhões, +16%)

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=2t19

Como o portal acionista.com.br passou a cobrar assinatura para exibir os balanços, passaremos a trabalhar com o financenews.com.br.

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de PETR3, ITSA3, ITUB3, ODPV3, BRCR11 (0,398%), FCFL11 (0,510%), PQDP11 (0,476%), KNRI11 (0,480%), RNGO11 (0,686%), SAAG11 (0,725%), GGRC11 (0,476%), MXRF11 (0,613%), KNCR11 (0,533%), HGRE11 (0,461%), FLMA11 (0,425%), HGBS11 (0,776%) e FIGS11 (0,202%). Em relação ao mês passado, não há muita novidade. O desempenho da carteira continua excelente. Conforme esperado, o pior rendimento ficou com o fundo FIGS11 – além do término da RMG, seus imóveis estão passando por reforma. No encerramento do mês, o fundo KNRI11 adquiriu 12 andares do imóvel Torre IV do Condomínio São Luiz (SP) – edifício corporativo ocupado por renomadas empresas dos segmentos bancário. Aliás, falando em segmento bancário, o presidente do Banco Santander se manifestou afirmando que o fim dos caixas humanos no Brasil está próximo. Seja como for, não há razão para desespero; esta discussão não é nova. Portanto, apesar do excelente dividendo, não custa dar uma atenção especial para o fundo SAAG11. De maneira geral, o rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ITSA3, ITUB3, PETR3 e ODPV3.

Realizei ajustes na carteira com intuito de rebalancear algumas posições:

– Há algum tempo avalio o fundo VISC11 (shoppings), porém já estava exposto aos fundos PQDP11, HGBS11 e FIGS11. No resultado do mês anterior, comentei que deixaria o FIGS11 em quarentena. Pois bem, após avaliar o portfólio de cada fundo e o meu interesse em aportes mensais, decidi fechar a posição em FIGS11, abrindo outra em VISC11.

– O segundo ajuste foi em relação ao fundo FLMA11. Trata-se de um fundo monoativo, de excelente qualidade e bem localizado. Apesar de gostar do fundo, suas cotas vem sendo negociadas com um ágio quase impeditivo para reforçar posições. O meu preço médio, por exemplo, estava em R$ 2,40. Desprezar um lucro de aproximadamente R$ 1,6 por cota em um fundo com ágio tão elevado, não fazia sentido. Sendo assim, decidi fechar a posição e distribuir o dinheiro entre VISC11 e MXRF11.

Não sei se ficou claro, mas, neste caso, não se tratou de um trade!

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de ITSA3, HYPE3, RNGO11, SAAG11, KNRI11, VISC11, MXRF11 e BRCR11. É evidente que o número de operações e ativos foi maior em função do remanejamento em carteira tratado anteriormente e contou com uma ajuda do retorno financeiro da própria carteira. Os menores aportes foram destinados ao BRCR11 (uma única cota) e ITSA3, e os maiores para VISC11 e MXRF11.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Durante o mês, abri uma pequena posição no Banco Inter (BIDI3) visando o longo prazo. Porém, depois de alguns dias, diante de tantas incertezas, decidi transformar em swing trade e fechei a posição com lucro superior a R$ 1,00 por ação. Pretendo analisar o caso com mais calma futuramente.

Em relação ao remanejamento de carteira, encerrei a posição em FIGS11 com um pequeno prejuízo e FLMA11 com lucro. Assim, pude abater o prejuízo e reduzir o imposto (DARF). Para tornar minha vida mais fácil e automatizar a apuração de IR, lanço todas as operações no programa IRPFBolsa.

Quanto ao meu projeto APFTrend-v2.0 (robô trades)…

Faltando poucos dias para encerrar o mês, obtive aproximadamente R$ 150 de lucro líquido. Com isto, decidi fazer um experimento com realização parcial. Infelizmente, com um número de contratos maior (apenas 3) e trades malsucedidos, terminei com prejuízo de aproximadamente R$ 450.

Me senti em uma verdadeira montanha-russa:

Fig1: Operação com lucro
Fig2: Operação com prejuízo

Na segunda figura (Fig2) o prejuízo parece menor porque fiz modificações no algoritmo para melhorar alguns padrões de entrada e saída. Mas, observem atentamente as setas (azul/compra e vermelho/venda).

Como está em fase experimental, acabo interferindo nas operações do robô e ajustando o algoritmo ao longo da semana. Não é fácil. Para avaliar melhor a performance do robô, neste mês acompanharei as operações apenas no final da tarde.

É claro que estou trabalhando com um capital alocado a risco para não comprometer os aportes mensais (bem como a evolução da carteira)

A versão demo do robô (apenas binários) está disponível para download através do link:
http://aprendizfinanceiro.com.br/APFTrend-v2.0-demo.zip

Aos interessados em testar o robô, recomendo começar pelas simulações – o projeto ainda está em fase experimental. É importante ressaltar que operações especulativas envolvem perdas esporádicas. Não há garantias de lucro. Portanto, mantenham cautela e jamais coloquem dinheiro que não possam perder (a única garantia é que pequenas perdas acontecerão inevitavelmente)!

De maneira geral, continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e também com a evolução do robô de trades (apesar do resultado negativo neste mês). Ainda assim, o ganho da capital da carteira continua superando minhas expectativas – tem sido expressivo. Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Resultado do mês de junho (2019)

O mês de junho surpreendeu de diferentes maneiras. Aliás, alguns acontecimentos são dignos de filme. Provavelmente, o vazamento ilegal de uma possível conversa entre o então Juiz Sergio Moro e procurador Deltan Dalla­gnol foi o assunto mais discutido. No entanto, muitos acontecimentos marcaram o mês. Felizmente, não precisei lidar com imprevistos. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Conforme exposto, o vazamento ilegal de uma possível conversa entre Sergio Moro e procuradores da Lava Jato foi a desculpa que a defesa do ex-presidente (Lula) precisava para tentar desqualificar (indevidamente) todo o processo de condenação. Porém, na justiça brasileira, qualquer “documento” obtido de forma ilegal (como no ataque hacker) não pode ser incluído como prova – vale lembrar, também, que não há como comprovar a autenticidade do diálogo, visto que o hacker pode facilmente produzir diálogos em nome dos participantes.

Certamente, o ocorrido causou desconforto, mas não tem base suficiente para se manter. Tanto é verdade que, logo em seguida, o Mercado Financeiro praticamente ignorou o momento turbulento. E, sejamos sensatos, a defesa do ex-presidente não conseguiu refutar nenhuma das acusações até então (todas com provas contundentes).

O mercado continua otimista…

Ibov encerra o mês acima dos 100 mil pontos!

Já a discussão em torno a Reforma de Previdência parece não ter fim. Ao contrário do que a oposição prega, o maior prejudicado não é o mais pobre (pelo contrário) – aliás, acredito (opinião pessoal) que o maior embate acontece porque a reforma propõe o fim de privilégios em cargos públicos de alta renda (igualando ao teto do INSS).

Por mais incrível que possa parecer, ainda há quem questione o déficit…

Se você ainda tem dúvidas, sugiro assistir o seguinte vídeo:

O portal G1 publicou um estudo sobre o déficit nos principais Estados brasileiros e os números são assustadores. A pior situação ficou com o Estado de Minas Gerais com déficit de R$ 5.4 bi – fiquei surpreso em saber que a situação de Minas é mais delicada que do Rio Grande do Sul (déficit de R$ 3.8 bi).

Pois é, os números não mentem! 😉

Mas, a confusão (ou desinformação) tem sido tanta que alguns movimentos sociais convocaram uma greve geral *contra* a Reforma de Previdência e o Contingenciamento na Educação, embora tenhamos presenciado claramente oportunistas brigando por outras pautas (não é preciso dizer quais… risos)!

Confiram o compilado da greve produzido pelo canal Mamaefalei:

Em alguns aspectos entendo que o governo vem acertando, mas não acho que esteja lidando muito bem com conflitos internos, principalmente por permitir conflitos ideológicos. No mesmo mês, tivemos mais duas baixas – a demissão do general Santos Cruz da Secretaria de Governo e do presidente do BNDS, Joaquim Levy.

Na sexta-feira (28/06/2019), a MP 873, que proíbe o desconto em folha do imposto sindical, perderia a validade – particularmente, não concordo com a “contribuição” obrigatória! Mas, felizmente, o Ministro Barroso cassou a decisão que autorizava desconto em folha de contribuição sindical.

Apesar das turbulências internas, estamos cada vez mais próximos de ingressar na OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico). Além do apoio Norte Americano, o Reino Unido também manifestou apoio para o ingresso do Brasil na OCDE.

Por sorte, as notícias boas não param por aí. A semana encerrou com mais uma grande aliança. Segundo o Ministério da Economia, o acordo firmado entre o Mercosul e União Europeia pode aumentar o PIB brasileiro em até U$ 125 bi em 15 anos.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

O mês está encerrando com forte valorização das principais criptomoedas (de certa forma indexadas pela criptomoeda Bitcoin). Para os simpatizantes deste mercado, o Facebook lançou mais uma criptomoeda conhecida como Libra e com grande potencial de crescimento, pois já conta com parcerias como Mastercard, Paypal, Ebay, Spotify e Uber, por exemplo.

De maneira geral, ainda é cedo para tecer conclusões sobre as criptomoedas. Acredito que, no caso da Libra, haverá algum tipo de regulação. Mas, o Bitcoin, por exemplo, cedo ou tarde, causará reação mais enérgica no mundo inteiro. A Receita Federal Brasileira já permite declarar a posição em Bitcoin, mas a verdade é que boa parte dos investidores não o fazem. E, tudo isto, sem considerar que muitos estão fazendo remessa não declarada para o exterior. Hoje, é impossível ter controle sobre todas operações envolvendo as criptomoedas – se o governo acredita que pode, é muita ingenuidade (não creio que sejam tão ingênuos assim… risos). Seja qual for sua visão, não ignore este fato.

Neste mês, finalmente, a Petrobras conseguiu concluir a venda da TAG (Transportadora Associada de Gás S.A.), com o pagamento de R$ 33,5 bi pela Engie.

O interesse claro na privatização dos Correios – reforçado com a demissão do presidente Juarez Aparecido – vem despertando a atenção de gigantes internacionais. Há rumores de que empresas como Amazon e Alibaba estão interessadas em comprar.

A Odebrecht também fez barulho com o maior pedido de recuperação judicial da história brasileira – de acordo com a Infomoney, a companhia divulgou R$ 51 bi de dívidas passíveis de reestruturação.

Finalmente, a “briga” pela Netshoes chegou ao fim. Segundo o portal Terra, “depois de passar semanas disputando a aquisição da Netshoes com a Centauro, a Magazine Luiza ganhou o deal, e concluiu o processo de aquisição“.

O balanço dos ativos que mantenho em carteira foram divulgado nos dois meses anteriores e, de maneira geral, o resultado foi positivo, tornando a situação da carteira de renda variável confortável e promissora.

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://www.acionista.com.br/agenda/resultados-das-cias.html

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de BBAS3, CRFB3, ITUB3, BRCR11 (0,488), FCFL11 (0,511%), PQDP11 (0,481%), KNRI11 (0,477%), RNGO11 (0,578%), SAAG11 (0,722%), GGRC11 (0,536%), MXRF11 (0,599%), KNCR11 (0,620%), HGRE11 (0,470%), FLMA11 (0,420%), HGBS11 (0,538%) e FIGS11 (0,574%). O resultado foi modesto, mas o desempenho da carteira continua excelente. Devido a forte valorização dos últimos meses (e apenas por esta razão), o pior rendimento foi do fundo FLMA11 – o fundo continua excelente, porém, no atual momento, entendo que existam opções mais interessantes para direcionar novos aportes. Com o fim da RMG, é preciso ficar atento com o FIGS11, pois o fundo já divulgou rendimento de apenas 0,202% para o mês de julho – deixarei em quarentena (reduzi minha exposição no ano passado). Já o fundo BRCR11, com a nova ocupação do CENESP pelo Banco do Brasil, conseguiu reduzir a taxa de vacância do imóvel de 62,2% para 33,9%a vacância física do fundo passará a ser de 15% (o desempenho do fundo tende aumentar). De maneira geral, o rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3, CRFB3 e ITUB3 (pouco expressivo).

Conforme exposto inúmeras vezes, o posicionamento como holder é praticamente uma conduta obrigatória. E, para auxiliar na identificação de empresas sólidas e lucrativas, recomendo assistir o seguinte vídeo (Canal do Holder):

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de WEGE3, SAAG11 e BRCR11. O maior aporte foi para SAAG11 e o menor foi para BRCR11. Destinei o menor aporte ao fundo BRCR11 porque, apesar de gostar do fundo, já tenho uma exposição alta.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Quanto ao meu projeto APFTrend-v2.0 (robô trades)…

Desta vez, o resultado do robô foi negativo, em aproximadamente R$ 400 (prejuízo). Ainda assim, tenho consciência que o objetivo é buscar assimetrias que ofereçam prejuízo pequeno e lucro maior, logo é importante avaliar o comportamento do robô ao longo do ano.

Não nego que fiquei um pouco preocupado e já até pensei em abandonar as operações de trade, mas não me dou por vencido facilmente. Decidi revisar o código e incluir alguns controles adicionais!

Precisei melhorar os pontos de entrada e buscar controles para limitar entradas tardias. Aproveitei o feriado de Corpus Christi e trabalhei arduamente nos ajustes do robô.

Comecei incluindo suporte ao algoritmo do indicador Trend Direction and Force (TDF). A grande vantagem do TDF é a possibilidade de mensurar a intensidade do movimento dentro da tendência através da “vetor val“. Em paralelo, inclui mais controles baseados no desvio padrão. Depois da alteração, consegui melhorar a eficiência do robô em 4x (infelizmente, apenas no final do mês).

A versão demo do robô (apenas binários) está disponível para download através do link:
http://aprendizfinanceiro.com.br/APFTrend-v2.0-demo.zip

Aos interessados em testar o robô, recomendo começar pelas simulações – o projeto ainda está em fase experimental. É importante ressaltar que operações especulativas envolvem perdas esporádicas. Não há garantias de lucro. Portanto, mantenham cautela e jamais coloquem dinheiro que não possam perder (a única garantia é que pequenas perdas acontecerão inevitavelmente)!

De maneira geral, continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e também com a evolução do robô de trades (apesar do resultado negativo neste mês). Ainda assim, o ganho da capital da carteira continua superando minhas expectativas – tem sido expressivo. Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Disparada do dólar… Comprar ou não?

Com a disparada do dólar, muitas pessoas estão se perguntando se, neste exato momento, “investir” na moeda é uma boa opção. Infelizmente, não há uma resposta única e direta – a decisão, como sempre, é bastante pessoal. Mas, nada impede que façamos algumas avaliações para compreender melhor o que está em jogo e riscos envolvidos.

Para quem ficou interessado na valorização do dólar e pretende especular, é importante lembrar que a cotação atual (na casa de R$ 3,70) está muito próxima da máxima histórica dos últimos 10 anos. Portanto, o ideal seria ter especulado bem antes. O risco agora será maior.

Fonte ADVFN

Particularmente, não é uma “manobra” (trade) que desperte meu interesse. Hoje cedo, em 20/05/18, compartilhei um vídeo expondo minha visão sobre o assunto.

Ao especular, precisamos avaliar friamente a relação risco x retorno. Ou seja, procuramos nos expor ao risco de uma perda pequena e limitada, frente a possibilidade de um lucro maior. No patamar atual, para que a operação faça sentido, o volume financeiro precisaria ser *expressivo*. Como a volatilidade do dólar é moderada, não vejo que a relação risco x retorno seja interessante.

Berkley Invest: Mais uma promessa tentadora!

Sinceramente, não sei se faz sentido dedicar tempo e esforço para alertar sobre os riscos de opções de investimentos como este. É sempre a mesma coisa e com uma enxurrada de pessoas entrando, defendendo com unhas e dentes, até o barco afundar com todos juntos.

Ontem mesmo, compartilhei um vídeo sobre o assunto:

Mas, a bola da vez é a BerkeyInvest:

Por mais incrível que pareça, é simples identificar quando você está diante de uma “proposta duvidosa” (para não dizer pior). Na realidade atual, qualquer oferta de investimento que ofereça remuneração acima de 1% ao mês traz consigo um nível de risco bastante elevado. Ou seja, não há como oferecer garantias – o prêmio é alto justamente para compensar o risco elevado de possíveis perdas. Então, como saber se estamos “investindo” sabendo dos riscos envolvidos ou estamos “apostando” em um barco furado? Muito simples, basta ficar atento com a promessa de “rendimento garantido“.

Pronto, com isto, termina qualquer análise adicional para a Berkley! 😉

A título de curiosidade, você sabe como a empresa atua para prometer este rendimento enorme?

Todos os dias fazemos investimentos nos mais diversos nichos do mercado financeiro, como: Ações em diversas Bolsas de Valores, Opções, Forex, Bitcoins, etc.

Certamente, com este tipo de operação, a empresa não tem aval da CVM para atuar no Brasil. Aliás, já deram baixa no CNPJ 28.327.281/0001-00, a título de extinção espontânea – provavelmente para transferir a sede para outro país.

E, mesmo depois da experiência com a Alcateia, é inacreditável que as pessoas ainda entrem nisto.

Conheça o perfil dos investidores brasileiros

Estou aproveitando o feriado do dia do trabalhador para compartilhar uma informação que venho me programando faz quase uma semana. Um amigo chamou a minha atenção ao mostrar o número de CPFs cadastrados na Bolsa de Valores brasileira, subdivididos por idade, região e sexo. Achei a informação bastante interessante. Eu não poderia deixar de compartilhá-la, mas aproveitei para cruzar com outros números que podem chamar ainda mais a sua atenção.

Pois é, o brasileiro sempre considerou a Bolsa de Valores como uma opção extremamente arriscada e, em função de nossa elevada taxa de juros, naturalmente, boa parte dos investidores tende(iam) a optar por investimentos de Renda Fixa. Porém, com o avanço da “inclusão digital”, o acesso à opções mais arrojadas vem mudando este cenário. Esta mudança pode ser vista com bons olhos, mas, ao mesmo tempo, oferece riscos muitas vezes desconhecidos por grande parte da população (que, até então, desconhecia este universo).

Confiram, a seguir, a distribuição dos investidores na Bolsa de Valores brasileira:
Ou seja, são ao todo 652.969 investidores pessoa física.

Em relação a esta tabela, percebam que o número de homens supera em mais de 3x o número de mulheres, e o maior número de investidores está na faixa etária entre 36 e 45 anos (a minha… risos). Ainda assim, as maiores fortunas estão entre os mais velhos (acima de 66), que estão em menor número e com um montante 4x superior. Não seria este um forte indício que o tempo é nosso maior aliado e que estratégias de B&H são realmente eficientes? Entendo que sim.

As informações exibidas podem ser obtidas no site da B3:
http://www.bmfbovespa.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A828D295048C0EF015139C5CB176684

Mas, conforme exposto anteriormente, o investidor brasileiro se sente mais confortável com investimentos em Renda Fixa por contar com rendimentos expressivos (se comparado com o resto do mundo), com baixíssimo risco, simplicidade e por ser uma opção bem conhecida e de “fácil acesso”.

Então, para efeito de comparação, no mês de março (de 2018), o Tesouro Direto atingiu a marca de 2.050.454 CPFs. Um número expressivo, não? Corresponde à 3x o número de investidores na Bolsa. Até aqui não é tão surpreendente.

Novamente, o público feminino é expressivamente menor. Nem venham me “questionar”, estou apenas compartilhando os números (risos). De qualquer forma, é possível ver que este número vem crescendo rapidamente.

Para ter acesso a todos estes números, acessem o link do Tesouro:
http://www.tesouro.gov.br/pt/balanco-e-estatisticas (veja em “tabelas” – ou o link logo abaixo)
http://www.tesouro.gov.br/documents/10180/639446/Anexo+Balan%C3%A7o+Mar%C3%A7o+2018/e102a55b-45d4-4c65-9d92-17e036bf2248

Isto demonstra a insegurança de boa parte dos investidores em relação a renda variável. Felizmente, esta realidade vem mudando, pois a facilidade de acesso à informação está cada vez maior – e a Internet vem colaborando com isto, claro! Para se ter uma ideia melhor, nos últimos 15 anos, o número de CPFs na Bolsa cresceu mais de 600%. O difícil é conscientizar que a Bolsa não é um cassino, apesar de permitir a especulação direta.

Agora vem a parte mais curiosa…

De maneira geral, o brasileiro costuma ser “averso ao risco”, já que o país conta com uma das maiores taxas de juros do mundo, com baixíssimo risco e proteção de mecanismos como o FGC (Fundo Garantidor de Crédito). É claro que estou falando de investidores, independente do nível de conhecimento e perfil.

Aliás, já comentei em outros artigos que a Bolsa também permite uma posição conservadora – dependerá do seu perfil, experiência e conhecimento.

Infelizmente, o mundo atual é bastante imediatista e a realidade econômica de nosso país faz com que muitas pessoas busquem alternativas de maior ganho em curto espaço de tempo. Pois é, agora junte isto ao volume de informação que circula rapidamente na Internet, e o resultado é uma enxurrada de pessoas sendo enganadas ou aceitando níveis de risco que desconhecem. Quanto maior o retorno, maior o risco. Simples assim!

Sabendo disto, o que explica o número de “investidores” em criptomoedas, em aproximadamente um ano, superar em mais de 2x o número de investidores na Bolsa brasileira? E pasmem, está prestes a atingir o total de investidores em Tesouro Direto – aparentemente, com potencial para ultrapassar ainda em 2018. Se boa parte de população não se sentia a vontade com o mercado de capitais, como pode estar com o mercado de criptomoedas? Parece um pouco incoerente.

Obviamente, não há fontes oficiais quanto ao número de CPFs no mercado de criptomoedas, até porque, fora do universo das exchanges, este vínculo não é obrigatório (e atualmente, não há como ser). Portanto, a avaliação atual é baseada em informações fornecidas por algumas exchanges como a FoxBit ou Mercado Bitcoin. Ainda assim, não encontrei uma estatística exata em nenhuma delas. Então, de acordo com uma matéria do Estadão, publicada em fevereiro deste ano, o número de CPFs registrados nas principais exchanges era de aproximadamente 1.400.000 (1.4 milhão) no Brasil.

É inegável que, nos últimos anos, o crescimento de investidores brasileiros tem sido expressivo e vem despertando o interesse do público feminino (costuma ser menor) também. Por um lado pode representar maior conscientização da população, proporcionando um horizonte de vida cada vez melhor. É um ponto positivo.

Infelizmente, avaliando o “outro lado da moeda” (risos), a realidade brasileira cobiça o pequeno investidor assumir uma posição quase exclusiva de especulador (para não dizer apostador). É aí que mora o perigo.

Não sou dono da verdade, mas a minha opinião é que muitos brasileiros estão apostando demasiadamente no mercado de criptomoedas, com pouco ou nenhum embasamento – simplesmente, na esperança de estar diante de uma grande revolução, capaz de oferecer uma reserva de valor sólida (é difícil). Particularmente, não compartilho desta visão e no meu entendimento não terminará bem para a grande maioria. Ao contrário do que muitos imaginam, os requisitos para sobreviver neste mercado não são muito diferentes do mercado de capitais – se não for maior.

A evolução destes números, em relação ao perfil do investidor brasileiro, parece desencontrada.

Portanto, independente de sua visão… não seja torcedor, saiba o que está fazendo.