Corretoras: Escolhendo a próxima corretora

Na segunda feira (dia 01/05), desta semana, comentei sobre experiências e critérios para a escolha de uma corretora, demonstrando minha experiência pessoal e insatisfação com o reajuste (exagerado) dos custos operacionais da Rico. Durante a semana, contactei a Rico para sondar uma alternativa mais justa para o meu perfil, evitando assim uma nova transferência de custódia. Conforme imaginei, foi inútil.

Antes de prosseguir, gostaria de fazer uma pequena reflexão! 😉

Atualmente, inúmeras empresas vem seguindo um fluxo operacional bastante amarrado, robotizado e – desculpem a expressão – extremamente burro. A teoria por trás deste processo é linda, mas a realidade nem tanto. Digo isto porque existe um roteiro, pouco flexível, baseado em níveis de atendimento extremamente burocrático e amarrado. Os atendentes costumam ser instruídos para jamais romper isto (a culpa não é deles). É aí que mora o problema.

Quando levantamos uma questão NÃO prevista no roteiro de atendimento, dificilmente conseguimos uma solução simples e rápida, pois o atendente não dispõe de instrumentos ou flexibilidade suficiente para buscar soluções ou alternativas mais adequadas. Para complicar, com o passar do tempo, percebem que seguir o roteiro é mais confortável. Muitos destes fluxos são definidos com intuito de tornar o atendimento mais ágil, levando à uma eficiência muito mais quantitativa do que qualitativa. Apesar de questionável, é relativamente fácil mensurar o “fluxo do atendimento”, mas a qualidade não. Consequentemente, estas características acabam distorcendo a avaliação da eficiência real.

Aliás, foi algo que ficou bastante evidente quando precisei recorrer ao atendimento do pagseguro da UOL, por exemplo.

É evidente que, no caso das corretoras de valores, as barreiras são maiores e mais complexas. Mas, quando entrei em contato com a Rico, “o assunto também encerrou no atendimento“. As corretoras só percebem as consequências de uma grande insatisfação na medida em que vão perdendo clientes. Futuramente, estes números aparecerão negativamente no resultado financeiro e, com isto, qualquer reação da corretora será tardia e com o prejuízo já consolidado! Foi por esta razão que aproveitei para fazer uma reflexão sobre o assunto.

O poder está em nossas mãos! 😉

Quanto a escolha da corretora…
Conforme exposto anteriormente, selecionei três para avaliar: Socopa, Easynvest e Modalmais.

Para evitar uma nova transferência de custódia, resolvi contactar a Rico primeiro. Ao questionar os valores, os atendentes simplesmente responderam que os custos operacionais já haviam mudado e o menor plano disponível custa R$ 91,70 (prevendo 10 operações a R$ 9,17 cada). No meu caso, o plano é inviável, pois faço, em média, 4 operações no mês – não posso assumir um compromisso mensal de R$ 91,70. Tentei questionar os valores, imaginando que a corretora poderia manifestar alguma intenção ou proposta de mudança nos planos de corretagem para preservar seus clientes atuais, mas ouvi apenas um “lamento muito” e fim de conversa. Ou seja, para variar, o assunto morreu no atendimento.

Nesta semana, fiz o cadastro na Socopa, Modalmais e Clear. Acabei descartando a Easynvest porque os custos de corretagem são pouco atrativos e fiquei mais interessado pela Socopa e Modalmais. Eu não avalio os demais produtos oferecidos porque invisto apenas em renda variável, atuando como holder. Desejo apenas uma plataforma estável a um preço justo. Meus investimentos em renda fixa são feitos em grandes Bancos e não pretendo mudar.

Inicialmente, como já encontrei dificuldade com a Gradual (em função do cadastro expirado, impedindo operar por um dia inteiro), resolvi dar maior peso para corretoras que disponibilizem todo o processo de cadastro digitalmente, sem a necessidade de enviar uma cópia dos documentos de identidade e comprovante de residência. Ironicamente, no meu caso, a única corretora que permitiu isto foi a Rico. Não que isto seja um impedimento, apenas um critério de preferência.

Comecei o cadastro pela Socopa, mas achei que interface deles deixa muito a desejar. Durante a criação da conta até fiquei surpreso ao constatar que a interface havia carregado quase todas as minhas informações pessoais. Pouco tempo depois, quando o sistema solicitou o upload da cópia dos documentos, desanimei. Fiz contato por e-mail, perguntando as razões deste processo manual, visto que o sistema foi inteligente o suficiente para trazer todos os meus dados pessoais. Foi aí que descobri que os dados já estavam disponíveis porque comecei o cadastro no ano passado e não concluí (risos). Ou seja, não havia nada de tão inteligente no sistema.

Na dúvida, parti para a segunda corretora.

Um colega de trabalho comentou que havia criado uma conta na Clear e sua experiência estava sendo positiva. Os preços e a proposta da corretora são interessantes, apesar de pertencer ao grupo XP Investimentos. Fiquei confuso. Na minha opinião, o reajuste da Rico ocorreu para não deixar a XP em desvantagem competitiva (a diferença seria grande). Acredito que a XP não tenha interesse em mexer nos custos da Clear, pois o perfil predominante é de traders – se encarecer demais, desanda. Porém, tenho receio que criem planos de corretagem por número de ordens ou algo que diferencie. Ainda assim, fiz o cadastro e, com outra pendência de documentos, não concluí.

Por curiosidade, acessei o site da Gradual novamente e vi que os custos de corretagem passaram para R$ 1,99 (por ordem executada). Não posso negar que passou por minha cabeça a possibilidade de voltar (risos). Apesar do pequeno estresse no passado, conheço a plataforma e sei que é uma boa corretora. Eu migrei porque fiquei incomodado com o ocorrido e por acreditar que a proposta da Rico era melhor – em dezembro de 2016, julguei que estaria unindo o útil ao agradável (minha felicidade durou pouquíssimo tempo).

Apesar de tudo, entre a Gradual e a Clear, eu ficaria com a Gradual. Portanto, descartei a Clear também.

Ontem, recebi uma mensagem informando que a Modalmais, a partir de segunda-feira, trabalhará com isenção da taxa de TED para todos os planos disponíveis (demorou) e, na compra de FIIs, corretagem fixa de R$ 0,99 por ordem executada e isenção da taxa de custódia. Porém, o preço de corretagem para compra de ações é de R$ 8,99 para operações de posição e R$ 5,99 no fracionário. É um preço justo.

Também encontrei muitos relatos positivos quanto a estabilidade e recursos oferecidos pela plataforma.

Gostei. Fiz o cadastro nesta quinta-feira. E, para concluir o cadastro, enviei os documentos hoje mesmo.
Não teve jeito, nenhuma das corretoras citadas concluiu o cadastro sem o upload dos documentos!

Farei um experimento com a Modalmais até o mês que vem… Se o resultado for satisfatório, transfiro a custódia.

Para maiores informações sobre os custos da Modalmais:
https://www.modalmais.com.br/planos-e-promocoes/tabela-de-precos-modalmais

Corretoras: Experiências e critérios de escolha

Resolvi escrever sobre este assunto para responder o questionamento do Tiago S e por estar diante de um novo dilema envolvendo uma possível transferência de custódia novamente, pois os custos de corretagem da Rico se tornaram bastante questionáveis – não foi sob estas condições que optei pela transferência.

Começarei respondendo o questionamento…

Os FIIs são fundos fechados e suas cotas são negociadas diretamente na Bolsa. No caso do Tiago, é possível comprar as cotas pelo Banco do Brasil (BB) mesmo, mas, se assim fizer, o custo de corretagem será de R$ 20 por ordem executada. Por incrível que pareça, além da corretagem salgada, o gerente de sua conta corrente dificilmente terá domínio sobre os trâmites envolvidos com operações em Bolsa (são serviços com administração totalmente separada). Por esta razão, deixa de ser interessante operar pela corretora do Banco.

Para demonstrar o quão complicado pode ser, compartilharei a experiência de um amigo que também é correntista do BB. Ele solicitou a transferência de custódia do BB para a corretora Rico (apenas FIIs), porém o gerente fez uma confusão enorme. Ao que tudo indica, ao invés de prosseguir com a transferência via formulário STVM, acabou gerando uma OTA para o Itaú. Levou aproximadamente 4 meses para corrigir e concluir a migração – pensem no estresse (risos).

Também sou correntista do BB e acredito que seria mais cômodo operar pelo Home Broker (HB) deles. Mas, por diferentes razões (como as que demonstrei), neste caso, o ideal é abrir conta em uma corretora independente para operar com maior flexibilidade (incluindo também produtos de outros Bancos) e ainda contar com um atendimento especializado e melhor direcionado.

Vejam como isto funciona (do Blog de Valor):

A primeira conta que abri foi na corretora Gradual. O custo de corretagem era interessante, gostei do HB e havia um escritório na cidade onde moro (algo que facilitaria no contato rápido e direto). Infelizmente, durou pouco tempo, pois o escritório onde moro fechou (risos).

Conforme descrito anteriormente, mais tarde abri uma nova conta na corretora MyCAP visando definir uma carteira menor e com capital alocado a risco. O meu objetivo era trabalhar com carteiras separadas para diferenciar claramente as estratégias.

Na minha opinião, o HB da Gradual é melhor e mais estável.

Passado um determinado tempo, resolvi encerrar a conta na MyCAP. Eu a considero uma boa corretora e me atendeu relativamente bem, porém achei a proposta do produto Imposto de Renda Fácil quase enganosa e fiquei incomodado. Quando questionei o funcionamento, recebi inúmeras desculpas estapafúrdias. Como a minha carteira principal estava na Gradual e eu já havia decidido focar em uma estratégia essencialmente Buy & Hold, decidi solicitar a transferência de custódia e encerrar a conta na MyCAP. O motivo principal foi este.

Mas, antes de solicitar a transferência de custódia, a Gradual simplesmente bloqueou minha conta – por um dia inteiro – porque meu cadastrado havia expirado e, neste dia, acabei impedido de operar (por diferentes razões). Aproveitei para analisar todos os acontecimentos e rever minha posição em ambas as corretoras. Apesar de tudo, as duas corretoras são boas, “não necessariamente as melhores”.

Antes de abrir uma conta na MyCAP, eu já havia avaliado a Rico.  A relação custo benefício era bastante atrativa. Por esta razão, migrei tudo. E comecei a migração para a Rico no início deste ano.

Pouco tempo depois, eu soube que a XP havia comprado a Rico. Fiquei um pouco preocupado porque a XP, sob o pretexto de oferecer serviços diferenciados, já trabalhava com taxas mais elevadas. Logo, como isto seria balanceado? Em média, as principais corretoras trabalham na faixa de R$ 10,00 no mercado à vista. Se não me engano, eles também compraram a Clear (focada em trades), e não fizeram nenhum reajuste muito radical. O jeito foi aguardar. A Rico cobrava R$ 9,80 em operações de posição e R$ 4,40 no fracionário. Existia um diferencial competitivo interessante. Em fevereiro, fomos avisados que os custos de corretagem seriam atualizados a partir de abril, passando para R$ 16,20 em operações de posição e R$ 8,90 no fracionário. Praticamente dobrou. Vale lembrar que grandes Bancos, como o Banco do Brasil, cobram uma taxa muito próxima (não faz sentido).

Como costumo fazer, em média, 4 operações por mês (compra), este valor acaba fazendo uma diferença significativa. Não preciso e nem quero um “suporte especializado”. Desejo apenas uma plataforma estável e taxa de corretagem justa. Por esta razão, estou novamente avaliando a possibilidade de abrir uma conta em outra corretora e solicitar transferência de custódia.

Escrevi sobre estes detalhes para que vocês percebam que a escolha não é tão simples quanto gostaríamos.

Para consultar o ranking e as diferenças das principais corretoras, costumo recorrer ao bussoladoinvestidor.

Ironicamente, vejam quais são as 7 primeiras corretoras com a melhor posição no ranking (risos). Eu gosto da Rico, mas o preço que ela está cobrando é desproporcional a minha demanda – não acho justo e prejudicará o meu resultado mensal. É evidente que, antes de migrar, ainda tentarei negociar durante duas semanas.

Para avaliar cada corretora individualmente, clique na imagem que a representa e depois acesse o site oficial para confirmar as informações fornecidas, pois algumas estão desatualizadas. Se julgar necessário, abra conta em mais de uma corretora para testar sem compromisso.

No momento, estou avaliando seguindo a sequência de preferência: Socopa, Easynvest e Modalmais.

Confiram a entrevista, no canal Jornada do Dinheiro, com o gerente de HB Fabricio Tota (da Socopa):

Espero que ajude outros investidores também!

Guia do investidor para declaração de IR

Já conclui e transmiti minha declaração. A meu ver, não houve mudanças muito significativas – a sequência lógica se mantém. Na realidade, foram aplicadas algumas melhorias, como: “um único software para preencher e transmitir a declaração (não requer o receitanet) e alguns formulários ficaram mais intuitivos (na declaração de Rendimentos Isentos ou sujeitos a Tributação Exclusiva, por exemplo)”.

Resolvi compartilhar algumas dicas para auxiliar no processo de preenchimento. Não é algo tão complicado quanto parece e evitará que o investidor exponha seu patrimônio (detalhadamente) a contadores.

Vale lembrar que não sou especialista em IR e existem especificidades que variam de acordo com a realidade de cada contribuinte. Como não invisto fora do país (por exemplo), ignoro as opções referentes à moeda estrangeira.

Antes de prosseguir, recomendo a leitura dos seguintes links:
http://www.adctec.com.br/blog/imposto-de-renda-pessoa-fisica-2017
http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2017/declaracao/preenchimento
http://dinheirama.com/blog/2015/02/27/7-erros-comuns-imposto-de-renda-acoes-como-evita-los/

Link para download do programa:
http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2017/download

Para saber como funciona a tributação sobre investimentos imobiliários:
http://www.fundoimobiliario.com.br/leis.htm

Guarde todos os documentos por 5 anos (pelo menos) – Em caso de problemas (malha fina), a Receita Federal pode solicitar a apresentação dos comprovantes.

1. Se esta for sua primeira declaração, comece pela “Identificação do contribuinte” em “Fichas de declaração”.

irpf1

Não há mistério algum.

Mas, preste atenção para não cometer erros de digitação no preenchimento de informações que são imutáveis ao longo da vida. Apesar de pouco provável, pequenas inconsistências, como data de nascimento errada, podem fazer com que o contribuinte caia na malha fina. Já presenciei alguns relatos sobre isto.

Se o titular for casado, basta selecionar “sim” em “Possui cônjuge ou companheiro(a)?” e informar o CPF em questão. E, na ficha seguinte (dependentes), se for o caso, é possível cadastrar o(a) cônjuge como dependente (código 11).

2. Em seguida, ainda em “Fichas de Declaração”, identifique sua fonte(s) pagadora(s) em “Rend. Trib. Receb. De Pessoa Jurídica”.

irpf2

Esta ficha é obrigatória para trabalhadores assalariados ou prestadores de serviço.

O processo de preenchimento é simples. Utilize como referência o informe de rendimentos fornecido pela(s) empresa(s) em que trabalha ou prestou serviços. Atenção, nesta etapa é fácil para a Receita detectar qualquer tipo de inconsistência, pois ela cruzará seus dados com os informados pela fonte pagadora. O contribuinte cairá na malha fina caso uma das partes cause divergência de informações.

Diante do cenário econômico atual (de elevado grau de desemprego), muitas pessoas tem se posicionado, no mercado, como “Microempreendedor Individual (MEI)”. Não é o meu caso, mas para esclarecer as dúvidas mais comuns, separei alguns links interessantes:
http://www.adctec.com.br/meideclaracao.html
http://www.adctec.com.br/blog/como-o-mei-declara-o-imposto-de-renda-pessoa-fisica-2016
http://economia.terra.com.br/vida-de-empresario/mei-saiba-se-sua-empresa-deve-ou-nao-declarar-o-irpf-2015,d1cfaeadeb09c410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html

3. A ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” é muito comum para quem lida com investimentos com rendimento livre de IR (com isenção).

Esta ficha é utilizada para informar rendimentos livre de IR, como Caderneta de Poupança, LCI, LCA, Fundos Imobiliários e dividendos de ações.

A partir de agora, o contribuinte não precisa mais identificar o item adequado para cada “tipo de rendimento”. Esta ficha foi separada em duas abas, uma para informar cada rendimento individualmente e outra para informações gerais (totais). A aba padrão (primeira) já permite lançar os rendimentos, basta identificar o código corretamente.

Os códigos mais comuns para lançamento:
09 – Lucros e dividendos recebidos
10 – Parcela isenta de proventos de aposentadoria, reserva remunerada …
12 – Rendimentos de cadernetas de poupança …
20 – Ganhos líquidos em operações à vista de ações … até R$ 20.000 …
26 – Outros

A maioria dos bancos fornece o extrato detalhado pelo home-banking.

O cadastro é simples: “informe o código adequado ao tipo de investimento, CNPJ  e nome da “Fonte Pagadora” e o rendimento líquido”. Para isto, utilize como referência os informes de rendimentos enviados pelos Correios.

Vale lembrar que, no mercado de ações, o pagamento de “Juros sobre Capital Próprio” não é isento de IR, portanto é declarado na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/ Definitiva”. Mas, é simples. No próprio extrato, para facilitar o preenchimento, os valores já estão separados “por ficha”.

Caso algum extrato indique a existência de “Rendimento não pago”, como foi o caso do fundo XPGA11 (em 2016), o rendimento será cadastrado normalmente, mas será necessário informar o valor líquido, na ficha “Bens e direitos”: código 99 (Outros) e descrição “Créditos em transito” ou “Crédito devido pela pessoa jurídica”, seguido da identificação da fonte pagadora (com CNPJ).

Em 2016 encerrei algumas operações com lucro, sem exceder o limite de isenção (até R$ 20.000 por mês). Neste caso, é preciso informar o valor através do código 20.

O vídeo, a seguir, demonstra claramente o passo a passo da leitura do informe de rendimentos.

Mantive a declaração dos dividendos dos FIIs  sob “código 09” (lucros e dividendos recebidos), mas existem orientações, na Internet, indicando que este registro seja feito sob “código 26” (Outros), com descrição de “Ganhos em Fundos Imobiliários”. Entrei em contato com a ouvidoria da Receita Federal (resposta no link ao lado) para saber qual é o melhor procedimento em relação aos Fundos Imobiliários.

Vejam, a seguir, a orientação do sitebussoladoinvestidor” para declaração de FII:
http://blog.bussoladoinvestidor.com.br/imposto-de-renda-em-fundos-imobiliarios/
http://blog.bussoladoinvestidor.com.br/amortizacao-de-fundos-imobiliarios-ir/

Outro link interessante:
http://www.blogdoinvestidor.com.br/investimentos/como-declarar-os-fundos-imobiliarios-no-imposto-de-renda/

4. Em “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, devemos informar os rendimentos de aplicações que sofrem tributação (incide IR).

Esta ficha é utilizada para informar rendimentos de aplicações financeiras como Fundos DI ou pagamento de JCP, por exemplo. Nela, são declarados os rendimentos que tiveram imposto retido na fonte e não são passíveis de restituição.

A partir de agora o contribuinte não precisa mais identificar o item adequado para cada “tipo de rendimento”. Esta ficha foi separada em duas abas, uma para informar cada rendimento individualmente e outra para informações gerais (totais). A aba padrão (primeira) já permite lançar os rendimentos, basta identificar o código corretamente.

Os códigos mais comuns para lançamento:
06 – Rendimentos de aplicações financeiras
10 – Juros sobre capital próprio
12 – Outros

Não há mistério. O processo é o mesmo descrito na ficha anterior. A diferença é que faremos o cadastro de aplicações que sofrem tributação.

Para declarar rendimentos não pagos o processo é o mesmo descrito em rendimentos isentos.

Confiram a legislação referente à tributação de “Juros sobre Capital Próprio”:
http://contadores.cnt.br/noticias/artigos/2016/05/03/juros-sobre-capital-proprio-2.html
http://artigoscheckpoint.thomsonreuters.com.br/a/5v7w/ponderacoes-sobre-os-juros-sobre-capital-proprio-e-seus-contornos-fiscais-e-juridicos-marcos-ricardo-cruz-da-silva

5. Em “Bens e Direitos”, declare o patrimônio adquirido (ou a “evolução” anual).

irpf5

Nesta ficha cadastre seu patrimônio: casa, carro e investimentos, por exemplo.

Para “imóveis” ou “carro” declare o valor de aquisição, não o valor de mercado. Neste caso, ao longo dos anos, o contribuinte deverá apenas clicar em “repetir”, pois o preço de aquisição não mudará. A casa deve ser cadastrada com “código 12” e o carro com “21”.

Caso o contribuinte não dispunha do bem no ano anterior (na “primeira situação”), o primeiro valor informado será 0 e o segundo será o custo de aquisição (ano de apuração).

Os códigos mais comuns para lançamento:
12 – Casa
21 – Carro

31 – Ações
41 – Poupança
45 – Aplicação em renda fixa ou CDB

61 – Conta corrente
71 – Fundo de curto prazo
72 – Fundo de longo prazo
73 – Fundo de investimento imobiliário
74 – Fundo de ações ou ETF

97 – VGBL

A declaração de “ações” também é baseada no custo de aquisição (até o último dia do ano). Mas, se o investidor adquirir mais ações, a diferentes preços, o custo total será definido pela multiplicação entre o preço médio e o número de ações. Declare, por empresa, através do “código 31”. Na descrição, informe o nome da empresa, código de negociação, corretora (com CNPJ) e número de “papéis”.

Os fundos de investimentos imobiliários seguem o mesmo padrão, mas com “código 73”. Na descrição, informe o ticker (código de negociação), corretora (com CNPJ) e número de cotas. Alguns investidores informam o CNPJ da empresa ou fundo também, mas, particularmente, não tenho feito isto.

No informe de rendimentos da “XP Investimentos”, consta, como rendimento isento, um “valor não pago”. Neste caso, é necessário lançar este valor em “Bens e Direitos”, com “código 99” (outros) e descrição “CREDITO DEVIDO PELA PESSOA JURIDICA – XP INVESTIMENTOS (FII XPGA11), CNPJ 02.332.886/0001.04”.

O número de operações em bolsa dificilmente será pequeno. Portanto, para evitar erros e desgastes desnecessários, recomendo utilizar alguma ferramenta auxiliar, como o IrpfBolsa ou Calculadora de IR (do site Bússola do Investidor), principalmente se o investidor costuma fazer trades ou negocia cotas de FIIs.

Testei as duas ferramentas citadas acima e farei um breve comentário sobre cada uma.

Antes de tratar das ferramentas, em questão, é interessante compreender como funciona o recolhimento de IR sobre operações em bolsa.

É responsabilidade do investidor o recolhimento de imposto sobre operações em bolsa, com alíquota de 15% sobre os lucros aferidos em operações comuns e 20% em day-trade (operação de compra e venda no mesmo dia). Vale lembrar que, no mercado de ações, há isenção quando o somatório das vendas não exceder “R$ 20.000,00” (no mês), exceto para day-trade.

Não há isenção para negociação de cotas de fundos imobiliários ou operações de day-trade.

No caso de lucro, o pagamento deve ser feito com a emissão de uma DARF (código 6015), até o último dia útil do mês subsequente ao da apuração do lucro. É um procedimento válido no decorrer do ano”, sempre que o investidor encerrar sua posição com ganho de capital.

Tanto os lucros como os prejuízos serão declarados (no sistema da Receita), em “Operações comuns / Day-Trade” no menu “Renda Variável”. O prejuízo será compensado futuramente, permitindo abater sobre ganhos posteriores. Esta é outra etapa que a utilização do IRPFBolsa pode ajudar bastante.

Confiram um exemplo completo envolvendo ETFs:
https://verios.com.br/blog/como-declarar-no-ir-seus-investimentos-em-etfs/

É evidente que a emissão da DARF dificilmente acontecerá para adeptos de B&H, pois será raro exceder o limite de isenção (R$ 20.000 em vendas) ou realizar operações de day-trade. Ou seja, acontecerá em menor proporção porque, nesta estratégia, as operações de compra costumam ser mais frequentes e as “posições” não são “fechadas” com frequência.

Acredito que, por mais simples que pareça, é inviável tentar gerenciar todas as operações ou carteira de ações manualmente. No mínimo, o investidor terá que lançar suas operações em uma planilha e definir fórmulas para o cálculo de preço médio, lucro e prejuízo, por exemplo. Pessoalmente, acredito que além de ser muito trabalhoso, amplia a margem de erros.

Com a utilização de ferramentas específicas para o cálculo de IR e gerenciamento de carteira, o investidor contará com inúmeros benefícios: “maior precisão e facilidade para lançar as ações ou cotas em ‘Bens e Direitos’, geração automática da DARF, apuração automática de lucros ou prejuízos e acompanhamento detalhado da evolução de sua carteira de investimentos”.

O IrpfBolsa foi a primeira solução que testei e utilizei para auxiliar no recolhimento de IR e declaração – excelente relação custo x benefício. A licença para dois anos custa R$ 90,00 (pagamento único). Para quem lida com renda variável, e diante dos benefícios, este preço é simbólico. Há uma explicação do objetivo disto no próprio site – achei inteligente.

Na opção “Imposto de Renda”, é possível acompanhar o resultado anual da carteira, bem como a apuração de lucro ou prejuízo a compensar.

O trabalho do investidor se resumirá em alimentar o sistema com as notas de corretagem.

Para preencher a ficha de “Bens e Direitos”, podemos utilizar as informações fornecidas pelo IrpfBolsa, levando em consideração os campos “papel” (código), “quantidade” e “custo total”:

– Através do menuMeus resultados”, selecione a aba “carteira atual” e clique em “exportar” (no canto superior direito). Os dados serão “copiados” em memória e, desde que não existam lançamentos após dezembro (no ano de apuração), basta abrir uma planilha (como o Excel) e aplicar o recurso de edição “colar”.

– Porém, caso existam lançamentos após o ano de apuração, o ideal é fazer o levantamento através da aba “Variação da carteira”, selecionando o ano adequado e percorrendo cada mês de forma decrescente (a partir de DEZEMBRO). Feito isto, declare o primeiro resultado que encontrar para o ativo (será o mais atual).

irpfbolsa

A partir dos dados acima, pude declarar as cotas do fundo SAAG11:

irpfbens

Em “situação”, informe o “custo de aquisição”, não o valor de mercado.

Em 2016, testei, gratuitamente, pelo período de 7 dias, a “Calculadora de IR” do site “Bussola do Investidor”. Gostei. Tecnicamente, não deixou nada a desejar. Mas, em minha opinião, o custo mensal de R$ 49,90 (ou anual de R$ 538,92) da versão PRO, o coloca em desvantagem em relação ao IrpfBolsa.

Resultado do mês de Fevereiro (2017)

Mais um mês se passou e não há muita novidade no cenário político e econômico que mereça reflexão detalhada. Apesar do aumento do índice de rejeição do governo atual (resultado de medidas impopulares, porém necessárias), a economia vem demonstrando sinais de recuperação. O índice de inflação, por exemplo, está recuando, levando à taxas de juros cada vez mais baixas. Desta forma, investimentos em renda variável voltam a despertar maior interesse, e também oferece um fôlego maior para negociação de dívidas. Também foi liberado o calendário para saques de contas inativas do FGTS e anunciado o fim do crédito rotativo por mais de um mês. Aproveitei o feriado de Carnaval para viajar e relaxar. Por esta razão, não pude divulgar o resultado no último final de semana do mês de fevereiro.

Viajamos para o interior do Estado de MS no período da manhã de sábado, e voltamos na terça feira após almoçar. Por sorte, a viagem foi muito tranquila e não presenciamos nenhuma imprudência na estrada. Gosto de viajar. Na volta, minha namorada chegou a registrar uma “bela paisagem” por alguns segundos (apenas o tempo aberto, nada de mais)… Aproveitei a oportunidade para testar alternativas para incluir (embutir) vídeos pessoais do Google Drive no WordPress.

Porém, como sempre existe um imprevisto (risos), estou aguardando o recebimento de uma multa por ter sido abordado (pela PRF) dirigindo com farol desligado – paramos para almoçar e esqueci de ligar quando voltei para a estrada (não cheguei a percorrer 1 km). O mais irônico é que eu sempre tive o hábito de dirigir com o farol ligado, antes mesmo da lei tornar obrigatório.

No último final de semana do mês, fui surpreendido com a notícia de que o prefeito de Campo Grande (Marquinhos Trad) criou um decreto, bastante polêmico, que regulamentará o transporte de passageiros por aplicativo (como o Uber, por exemplo). Alguns pontos defendidos fazem sentido. Mas, o assunto é muito polêmico e não vejo razão para estender o assunto…

Leiam, na íntegra, o artigo que descreve a medida defendida:
http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2017/02/motoristas-da-uber-terao-6-meses-para-se-legalizarem-em-campo-grande.html

Neste mês, meus aportes foram menores. Além dos custos envolvidos com a viagem, surgiram “pequenos imprevistos” com o carro de minha namorada (viajamos no meu). Também tive outras despesas pessoais. Sendo assim, desapliquei uma pequena quantia do fundo DI. Conforme exposto em outras oportunidades, o benefício em acumular patrimônio diversificado em valor está presente em diferentes momentos da vida, não apenas na aposentadoria. Ou seja, mesmo diante de imprevistos, tenho o privilégio de seguir tranquilamente. Mas, em relação aos investimentos, foi praticamente um mês perdido. Faz parte. Segue o jogo (risos)!

“Finalmente”, concluí a transferência de custódia para a corretora Rico. O processo foi muito rápido (ponto positivo para MyCAP). A transferência ocorreu um dia após o recebimento do formulário. Ironicamente (e para meu azar), agora que conclui todo o processo, centralizando os ativos de renda variável em um única corretora, recebi um e-mail da Rico informando que os custos de corretagem serão atualizados. Atualmente, o custo padrão para operações no mercado de ações é de R$ 9,80 no lote padrão e R$ 4,40 no fracionário. Segundo o e-mail, no mês de abril, o custo de corretagem passará para R$ 16,20 em operações de posição e R$ 8,90 no fracionário – será uma das mais caras (a Socopa, por exemplo, isenta os custos de corretagem para operações com FIIs). Depois de ser comprada pela XP Investimentos, a Rico parece estar perdendo sua identidade. Entrei em contato para maiores esclarecimentos, mas não responderam ainda. Eu não gostaria, mas caso isto concretize, vou estudar a possibilidade de migrar para outra corretora novamente.

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, ABEV3, BRCR11 (0,982%), FCFL11B (0,610%), PQDP11 (0,642%), KNRI11 (0,594%), RNGO11 (0,697%), SAAG11 (0,694%), TRXL11 (0,418%), FVBI11B (0,554%), XPGA11 (0,797%), KNCR11 (1,046%), EDGA11B (0,586%) e HGRE11 (0,765%). De uma maneira geral, o desempenho dos FIIs permanece bastante estável. O pior resultado foi do fundo TRXL11. Vale lembrar que as cotas dos principais fundos tem apresentado uma valorização bastante expressiva e, com a queda da taxa de juros, a expectativa para o ano continua positiva.

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações ou cotas de ITSA3, BBSE3, BRCR11 e RNGO11. Como a capacidade de aporte foi menor neste mês e fiz resgate no fundo DI, mudei um pouco a distribuição: separei parte do capital (quase metade) para repor um percentual do valor resgatado (reaplicando no fundo DI) e apliquei o resto em renda variável. O menor aporte foi para ITSA3, nos demais a distribuição foi equilibrada.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Apesar de pequenas turbulências no cenário político, o mercado continua seguindo uma trajetória otimista e o resultado mensal continua surpreendendo, superando minhas expectativas. Vale ressaltar que é importante ter consciência que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de uma tendência de alta, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Um ótimo final de semana a todos!

Resultado do mês de Janeiro (2017)

Enfim, eis o primeiro resultado de 2017 (risos)…

Atrasei um pouco, para compartilhar o resultado de janeiro, porque estive ocupado com outros projetos e por questões pessoais também. No mês passado, incluí uma tabela que demonstra a evolução do preço de mercado de minha carteira (em relação ao preço médio), mas esta informação será fornecida apenas no mês de dezembro. Acredito que o ano ainda promete e provavelmente passaremos por algumas turbulências, principalmente porque o presidente norte-americano tem demonstrado uma grande habilidade para fazer besteira.

Conforme exposto na publicação anterior, decidi encerrar algumas posições da carteira Microcaps. Ou seja, em janeiro, vendi FESA4, SNSL3 e PTBL3. Com exceção de PTBL3, obtive um luco interessante nas operações. Dentre outras razões, me sinto mais confortável atuando como holder. Não vejo muita vantagem em continuar sócio destas empresas – os balanços continuam fracos. Da carteira Microcaps, mantive apenas CARD3 e AGRO3.

Vale lembrar que, na primeira quinzena de fevereiro, será liberado o calendário para o resgate total de contas inativas do FGTS. É uma excelente oportunidade para quitar dívidas, investir ou reforçar posições. Assim que obtiver maiores informações e tomar medidas para o saque, publicarei os detalhes. Mas, fiquem atentos, pois estão divulgando calendários falsos.

Ainda não solicitei a transferência de custódia da corretora MyCAP para a Rico porque concluí os ajustes da carteira há poucos dias. Preencherei o formulário STVM ainda hoje.

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, ITSA3, CARD3, FESA4, BRCR11 (0,763%), FCFL11B (0,582%), PQDP11 (0,723%), KNRI11 (0,641%), RNGO11 (0,813%), SAAG11 (0,711%), TRXL11 (0,812%), FVBI11B (0,749%), XPGA11 (1,198%), KNCR11 (1,013%), EDGA11B (0,556%) e HGRE11 (0,856%). O desempenho dos FIIs permanece bastante estável, e o pior resultado foi do fundo EDGA11B. O rendimento final da carteira foi reforçado com o pagamento de JCP (Juros sobre Capital Próprio) de FESA4 e CARD3.

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações ou cotas de BBAS3, BBSE3, CARD3, FVBI11B, KNCR11 e HGRE11. O menor aporte foi em ações CARD3 e fundo FVBI11B, nos demais a distribuição foi equilibrada.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

O mês apresentou uma pequena volatilidade, mas os principais ativos ofereceram um desempenho bastante satisfatório. Continuo com um excelente resultado, acima de minha expectativa. Vale ressaltar que é importante ter consciência que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de uma tendência de alta, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.