Resultado do mês de dezembro (2020)

Até que enfim chegou 2021. Apesar do atraso na publicação (novas prioridades – mudança de endereço e casamento), gostaria de começar desejando a todos um Feliz Ano Novo. O ano de 2020 ficou para trás e passamos por fortes turbulências que serão lembradas para sempre: “de crises político-econômica (com proporções mundiais) à pandemia do Covid-19“. O ano não foi fácil, mas fomos vencedores e é vida que segue. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Pois é, passamos por um ano repleto de desafios, conquistas e também de muitas perdas irreparáveis. O impacto causado pela pandemia e os conflitos ideológicos serão lembrados para sempre. Felizmente, pude lidar com tudo isto de uma forma mais leve porque Deus colocou uma mulher muito especial em minha vida pouco tempo antes da tempestade que estava por vir!

Quase duas décadas depois, nos reencontramos e percebemos que as afinidades não só se mantiveram, elas aumentaram. Passamos por este período de turbulência juntos e decidimos nos casar no início de janeiro de 2021.

Como as prioridades mudaram, no final de novembro de 2020, decidi que não faria novos aportes e nem operações especulativas (trades). Temporariamente, direcionei todos os recursos para a mudança de endereço, acessórios para a nova casa e preparativos para o casamento.

É claro que, em função dos riscos de contaminação por Covid-19, não fizemos festa, optamos por um jantar entre família para aproximadamente 15 pessoas.

Nas próximas linhas, demonstrarei como foi a performance da carteira durante o ano de 2020, minhas expectativas e as movimentações mais relevantes.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Falando diretamente sobre investimentos ou especulação…

Já demonstrei inúmeras vezes que não sou um grande entusiasta das criptomoedas (apesar de estar repensando), entretanto não podemos ignorar que a valorização das criptos superou qualquer outro ativo do mercado tradicional. Hoje, dia 9 de janeiro, um bitcoin equivale a R$ 223.900,00. O que mais impressiona é saber que a cotação, ao longo de 2020, atingiu mínimas inferiores a R$ 30.000. Trata-se da flutuação mais agressiva que pudemos presenciar durante o intervalo de 1 ano. Nada superou – nem dólar, prata ou ouro.

Durante o ano, tive uma pequena exposição ao mercado de criptoativos através da corretora BitMex (oferece uma plataforma de negociação que permite negociar contratos futuros de criptoativos). Nunca comentei sobre assunto porque foi um experimento mais arrojado que fiz com um amigo (sócio em alguns projetos).

Em relação a posição na BitMex, cheguei a realizar pequenos trades para me familiarizar com a plataforma. Porém, no final do ano, depois da forte valorização dos criptoativos, optei por encerrar a posição e realizar lucro. O lucro que obtive destinei para carteira de renda variável de minha esposa – não dava para desperdiçar essa chance.

Como a flutuação dos criptoativos tem sido a mais agressiva atualmente e estamos presenciando máximas históricas, decidi que não farei mais nenhum experimento neste mercado enquanto a cotação do BTC estiver acima de R$ 150.000.

O índice IBov também surpreendeu positivamente (e muito)…

No resultado de dezembro de 2019, incluí uma imagem demonstrando que o índice Ibov encerrou aquele ano em 115.645,34 pontos. Pois é, mesmo com as turbulências da pandemia (até hoje), o Ibov agora está em 125.076,63.

Cuidado, pois isto não significa, necessariamente, que superamos patamares do ano passado, mas sim a confirmação de um novo momento de forte euforia.

Em momentos extremamente eufóricos (em qualquer mercado), mantenha cautela e siga com a estratégia de aportes regulares, procurando aplicar a melhor distribuição possível. Se bem definido, apesar do risco envolvido, o rebalanceamento de carteira pode ser uma opção interessante – caso não se sinta confortável, não faça. E não esqueça que os aportes em maior volume são melhor aproveitados em momentos de pânico, não o inverso. Ninguém fica feliz com a abertura de posições relevantes próximo de uma forte realização de lucros. Então, não se deixe levar pelo entusiasmo do clima eufórico. Resumindo: Não se deixar levar pela emoção!

Durante o ano passado, a economia foi castigada e os mercados reagiram com agressividade porque “o mundo estava parando“. Acredito que parte da euforia atual reflete a expectativa de recuperação econômica depois da confirmação da eficiência das vacinas contra a Covid-19, evitando assim novos lockdown.

Inúmeros países já iniciaram o processo de vacinação. Infelizmente, por aqui, ainda prevalecem as questões ideológicas e interesses políticos (desde o início foi assim). Diante de um conflito ideológico tão forte (seja de direita ou esquerda), o que mais se observa são fake news antivacina ou tentativas de diminuir o impacto e riscos da pandemia.

Seja como for, avaliar a situação econômica do país e fazer projeções é um grande desafio…

Por um lado, estima-se que a dívida pública brasileira supere 100% do PIB (Produto Interno Bruto) nos próximos meses, principalmente depois dos gastos emergenciais (inevitáveis) durante a pandemia – não se iluda com comparações de economias extremamente desenvolvidas. A CONTA vai chegar e o peso para o Brasil tende ser maior!

Por outro lado, o país mostrou números favoráveis referente ao 4T20. Segundo o IBGE (PIM-PF), a indústria cresceu 1,1% em outubro/20, em relação ao mês anterior com ajuste sazonal. Destaca-se que esta é a 6ª alta seguida, com expansão da transformação (1,2%). Por categoria de uso, destaque para a alta de 7,0% nos bens de capital, que, após o crescimento de 45% no 3T20, com os dados de outubro, o carregamento estatístico indica elevação de cerca de 15% para o último trimestre do ano. Com isso, a produção industrial já superou em 2,3% o nível de produção do período pré-pandemia.

Para obter acesso ou acompanhar os balanços de 2020, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20
https://financenews.com.br/?s=2t20
https://financenews.com.br/?s=3t20
https://financenews.com.br/?s=4t20

Quanto aos investimentos e resultado da carteira…

Recebi proventos de ABEV3, BBAS3, ITUB3, PETR3, ODPV3, BRCR11 (0,57%), FCFL11 (0,46%), PQDP11 (0,27%), KNRI11 (0,41%), RNGO11 (0,59%), HGRU11 (0,53%), GGRC11 (0,55%), MXRF11 (0,57%), KNCR11 (0,34%), HGRE11 (0,43%), VISC11 (0,39%), HFOF11 (0,53%) e HGBS11 (0,29%). Diante do clima eufórico, o desempenho da carteira apresentou uma leve melhora, mantendo a performance estável. Conforme esperado, com a possibilidade de novas contenções cada vez mais distante, a performance dos FIIs de Shopping vem apresentando melhora gradativa. De maneira geral, o retorno financeiro final continua excelente e contou com um pequeno reforço com o pagamento de dividendos e JCP de ABEV3, BBAS3, ITUB3, PETR3 e ODPV3 (os rendimentos mais expressivos foram de Ambev e Petrobras – presentão de Ano Novo).

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos permanece equilibrada porque, em meses anteriores, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Gráfico de novembro – não houve novas operações em dezembro

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Para demonstrar mais detalhadamente a “evolução” da carteira (pela valorização), compartilharei o resultado do ganho por ativo (em relação ao preço médio):

PapelP. médioP. mercado%Setor
ABEV317,0016,53-2,77Consumo nâo Cíclico
BBAS320.8339,7991,07Financeiro
BBSE327.0129,8910,60Financeiro
BRCR1199.5491.80-7,77Financeiro e Outros
CRFB317.4519.5011,75Consumo não Cíclico
EGIE340.5144.269,25Utilidade Publica
EZTC315.5940.44159,43Consumo Cíclico
FCFL1190,28117.7030.38Financeiro e Outros
FLRY321.8427,3925,42Saúde
GGRC11123.95139,8912,86Financeiro e Outros
GRND37.048,3418,39Consumo Cíclico
HGBS11218.44215,93-1,15Financeiro e Outros
HGRE11141.88150,155,83Financeiro e Outros
HYPE333.5735.315,18Saúde
ITSA39.2912,5034,62Financeiro
ITUB321.2928,9936,19Financeiro
KNCR11102,7088,64-13,69Financeiro e Outros
KNRI11149.01159,557,07Financeiro e Outros
MXRF1110.3110,461.45Financeiro e Outros
ODPV313.9314,584,63Saúde
OIBR30.822,43196,44Comunicações
PETR310,6431,59196,84Petroleo, Gás e Biocombustíveis
PQDP111334.222990124,10Financeiro e Outros
RNGO1184,2371,94-14,59Financeiro e Outros
SAAG11121.3900Financeiro e Outros
VISC11117.29117.02-0.23Financeiro e Outros
WEGE321,2989,79321,74Bens Industriais

Alterações da carteira:
– Posições abertas: HFOF11, HGRU11 e CIEL3
– Posições encerradas: SAAG11

Conforme exposto no Resultado de Outubro, por diferentes razões, decidi encerrar a posição no fundo SAAG11 poucos meses depois da fusão com RBVA11. Logo em seguida, aproveitei o momento para abrir posição no fundo HGRU11 e também para revisar a distribuição de carteira (rebalanceamento).

A posição em CIEL3 tem caráter especulativo (médio risco) e não realizei novos aportes após a abertura de posição.

De qualquer forma, não se prendam demais aos preços como métrica principal. Percebam que a apuração não é tão simples quanto parece…

No decorrer de 2020, com a pandemia, o índice Ibov apresentou uma queda muito expressiva e a performance da carteira despencou rapidamente. Se não me engano, passamos por 6 Circuit Break no mesmo mês. Cada Circuit Break que surgia parecia representar um novo apocalipse e aproveitei para reforçar as posições! Logo, o preço médio da carteira aumentou um pouco. E, se analisarmos o preço de mercado atual, mesmo aos 125.000 pts, a maioria dos ativos ainda não retornou aos patamares de DEZ 2019.

Nos últimos dois anos, inúmeros ativos, como BBAS3 e EZTC3 (por exemplo), estão distantes de suas máximas históricas. Ainda assim, o momento pede cautela – com a expectativa de recuperação econômica, o mercado vem se movimentando com forte euforia, mas ainda não sabemos quais serão as consequências reais que a pandemia impôs para as economias mundiais.

No momento, não tenho realizado operações especulativas.

Durante o mês de novembro (2020), dezembro (2020) e janeiro (2021) realizei revisões e melhorias no indicador APFTrend. Minhas férias estão terminando e pretendo focar nas operações de trade automatizadas. Em breve, trarei novidades sobre o Robô.

Até então, no decorrer de aproximadamente dois anos, só posso dizer que a busca da consistência operacional no day trade tem custado caro. A minha tranquilidade só não foi abalada porque minha posição como holder oferece o suporte que preciso para insistir no processo sem sofrer quaisquer perdas patrimoniais reais ou relevantes. Apenas comprometi uma parte da minha capacidade de aporte. Para quem está começando ou tem pouca experiência, não recomendo.

Para finalizar…

Há algum tempo, comentei sobre a evolução gradativa da receita ($$$) de minha conta no Google AdSense. Infelizmente, “desandou”. Desde que a empresa fez alterações no algoritmo e aplicou mudanças internas, minha receita despencou. Preciso separar um tempo para entender o que aconteceu e qual pendência preciso resolver.

Desejo que 2021 seja um ano mais leve, próspero e repleto de felicidades, realizações e muita saúde para todos.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Resultado do mês de novembro (2020)

Como alguns acontecimentos positivos, importantes e impactantes em minha vida pessoal pedem maior dedicação, farei uma abordagem mais direta neste final de ano. Preciso dar uma atenção maior para meu casamento e mudança de residência. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

O mês foi marcado pelas eleições brasileiras e norte americanas. Por aqui, escolhemos prefeitos e vereadores. Já, nos Estados Unidos, o resultado surpreendeu elegendo Joe Biden como presidente (apesar das inúmeras tentativas de reverter o resultado juridicamente).

Aliás, em relação às eleições, o interessante foi que o resultado norte americano também gerou bastante discussão por aqui – alguns grupos tentam fazer acreditar que o resultado foi fraudulento, mas não acredito nesta possibilidade e entendo que o desfecho final já está estabelecido. Vale ressaltar que o Brasil possui inúmeros acordos com os Estados Unidos em andamento e, mesmo assim, foi um dos poucos países que optou em não cumprimentar Joe Biden – movido, provavelmente, muito mais por questões pessoais e ideológicas.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Em relação a economia nacional, tivemos uma novidade bastante interessante e inovadora. Finalmente, na metade do mês, o PIX (Pagamento Instantâneo – gerido pelo Banco Central) foi liberado.

A ideia, com o PIX, é oferecer um serviço de pagamentos e transferências contínuo (todos os dias da semana e 24h por dia), rápido (até 10 segundos) e gratuito para pessoa física. Fiz algumas transferências e fiquei bastante impressionado – o valor já estava disponível assim que consultei a outra conta (menos de 5s).

Em relação a segurança do PIX, recomendo apenas tomar cuidado para cadastrar as chaves diretamente no home banking ou App de sua instituição financeira (não confie em links enviados por terceiros) e evite cadastrar, como chave PIX, o CPF e número de telefone. Vale lembrar que sua chave será sempre vinculada à uma conta corrente ativa em seu nome.

Neste mês, com mudança de residência e casamento marcado para janeiro de 2021, não fiz aportes mensais; na realidade, realizei algumas retiradas. A princípio, minha intenção é fazer a mudança final antes do Natal.

Agora, depois dos 40 (risos), encontrei uma razão especial para tomar uma decisão que nunca senti confiança anteriormente. O ano de 2020 tem sido complicado, mas tive a felicidade de encontrar uma parceira em que consigo enxergar uma grande sincronia emocionalmente, financeiramente (como lidamos com dinheiro) e ideais de vida. E o mais importante: encontramos amor e respeito. Assim, apesar das fortes turbulências de 2020, tornamos o nosso ano mais suave! 😉

Por diferentes razões, incluindo a pandemia e objetivos, optamos pelo casamento civil e um pequeno jantar em família (infelizmente, não será possível reunir todos).

Para os mais curiosos, saibam que os custos para dar entrada no cartório pode variar de acordo com o Estado ou cidade. A entrada da documentação em cartório ficou em R$ 500. É possível casar sem os custos do cartório, porém os noivos precisam fazer uma “Declaração de Hipossuficiência” (não é o nosso caso). Em média, o custo do par de alianças em ouro 18k, com 8 gramas cada, tende variar entre R$ 2.000 à R$ 3.000.

Por fim, para registrar o momento especial (não temos intenção de festa), alugamos/reservamos um pequeno espaço bem decorado e aconchegante para o jantar em família.

Voltando aos investimentos…

Dos ativos que mantenho posição em carteira, foram liberados os balanços referentes ao 3T20 de BBAS (Banco do Brasil), ITSA (Itaúsa) e CRFB (Grupo Carrefour/Atacadão). O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 3,5 bilhões no 3T20, aumento de 5,2% frente ao 2T20 e decréscimo de 23,3% em relação ao 3T19. O lucro líquido recorrente de Itaúsa atingiu R$ 51 bilhões no 3T20, representando redução de 23% em relação ao 3T19.

Para obter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20
https://financenews.com.br/?s=2t20
https://financenews.com.br/?s=3t20

Quanto aos investimentos e resultado da carteira…

Recebi proventos de BBAS3, GRND3, CRFB3, BRCR11 (0,53%), FCFL11 (0,46%), PQDP11 (0,26%), KNRI11 (0,41%), RNGO11 (0,59%), HGRU11 (0,54%), GGRC11 (0,49%), MXRF11 (0,58%), KNCR11 (0,27%), HGRE11 (0,43%), VISC11 (0,34%), HFOF11 (0,54%) e HGBS11 (0,19%). Em relação as posições em carteira, não há muita novidade para comentar e o rendimento permanece estável. Conforme abordado no resultado anterior, encerrei minha posição no fundo RBVA11 (apesar do excelente rendimento) e abri em HGRU11 (CSHG Renda Urbana). De maneira geral, o retorno financeiro final continua excelente e contou com um pequeno reforço com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3, GRND3 e CRFB3 (o rendimento mais expressivo foi de BBAS3).

Desta vez não realizei novos aportes. Todos os recursos disponíveis no mês foram destinados para o planejamento do casamento, aquisição de móveis e utensílios para casa.

Quem quiser conhecer um pouco mais sobre o fundo HGRU11, recomendo assistir:

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos permanece equilibrada porque, em meses anteriores, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

Percebam houve uma mudança pouco significativa na carteira (quase imperceptível). A partir de agora, o CEI também exibirá o Tesouro Direto na composição da carteira. Na realidade, já tenho exposição aos títulos públicos através de fundos de investimentos. Ocorre que, no mês passado, após uma pequena instabilidade, confirmei uma aplicação em Tesouro Direto acidentalmente enquanto estava navegando no ambiente da Clear. A interface não deixou muito claro no momento e também não me deu a chance de revisar e confirmar. A aplicação aconteceu em um único clique. Resolvi manter!

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Vale lembrar que minhas prioridades para dezembro e janeiro serão pessoais e, neste período, também não farei novos aportes (dependerá da disponibilidade de recursos) e nem operações especulativas. Neste meio tempo venho realizando revisões e melhorias no projeto APFTrend.

De maneira geral, apesar do momento amargo para o mercado (não se iluda com algumas semanas de otimismo), continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e o rendimento excelente.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

PIX: Seria o fim dos Grandes Bancos?

O Banco Central determinou que o custo para as instituições financeiras é de R$0,01 por cada dez transações. O BC indicou que pagamentos pelo PIX feitos por pessoas físicas devem ser gratuitos, enquanto pessoas jurídicas pagarão um valor definido pela instituição que opte por utilizar para efetuar as transferências.

Porém, o Bacen deixou livre para cada instituição definir se e como repassará esse custo aos clientes, inclusive deixando-os livres do pagamento de qualquer tarifa.

Fonte: https://bizcapital.com.br/central-de-ajuda/qual-e-o-custo-de-um-pagamento-via-pix/

Resultado do mês de outubro (2020)

Mais um mês se encerra e continuamos presos (risos). O ano de 2020 não tem sido fácil, mas acredito que os maiores desafios ainda estão por vir. Não é de espantar que o cenário político-econômico permanece turbulento, principalmente com as eleições prestes a se realizar. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Por aqui, as turbulências são quase sempre as mesmas e, muitas vezes, contam com uma ajudinha do próprio presidente. O comentário de que o governo atual teria acabado com a Lava Jato porque não há mais corrupção não pegou muito bem. Ironicamente, poucos dias depois do comentário, um senador foi pego com dinheiro na cueca.

Mas precisamos ser justos, existem algumas conquistas interessantes. Segundo o portal BBC, “depois de 22 meses de negociação entre os governos de Brasil e Estados Unidos, os dois países anunciaram na segunda-feira (19/10) a conclusão de três acordos comerciais inéditos“.

Aproveitando que as eleições estão há poucos dias de acontecer, deem uma olhada no Ranking do políticos para conhecer um pouco mais os candidatos:
https://www.politicos.org.br/Ranking

Já no cenário internacional fomos surpreendidos com a notícia de que o presidente norte americano Donald Trump testou positivo para o COVID, mesmo após noticiar ter tomado Hidroxicloroquina preventivamente. Aliás, ele foi tratado com outra medicação.

Também tivemos a triste notícia de que a pobreza na Argentina atingiu mais de 40,9% da população no primeiro semestre (cerca de 12 milhões de pessoas). Diante de tantas adversidades, a Uber Eats decidiu fechar seus negócios na Argentina, restando agora OrdersYa e Rappi. Sinceramente, neste momento, a saída da Uber Eats é o menor dos problemas.

A Argentina só dá bola fora. Com maior taxação sobre grandes fortunas (não aprendem nunca), o governo só conseguiu ampliar a crise ainda mais. Como era de se esperar, as grandes fortunas estão deixando o país. Dados do Ministério do Interior mostraram que cerca de 13 mil argentinos migraram para o Uruguai entre abril e setembro

Vários países estavam passando por um momento desafiador, mas a pandemia ampliou a dificuldade.

O impacto da pandemia pode ser sentido de diferentes maneiras de acordo com o segmento do mercado. Por aqui, a CVC (CVCB3), por exemplo, foi fortemente atingida. E, de acordo com a Suno, uma “auditoria da CVC apontou ‘incerteza’ para continuidade operacional“.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Neste mês, algumas empresas divulgaram os balanços referentes ao 3T20

É neste momento que me sinto tranquilo em saber que mais de 90% de minha carteira de renda variável está protegida por excelentes ativos (sólidos e resilientes), conseguindo passar pela crise sem grandes (ou nenhum) trauma.

A Weg, por exemplo, continua impressionando e cresceu 54% no 3T20. A Fleury também surpreendeu, registrando alta de 45% no lucro líquido. Por outro lado, o ano tem sido muito desafiador para a Ambev e afetou o resultado da empresa (crescimento de 2% no lucro líquido ajustado do 3T20, mas registrou queda de 35.6% no acumulado do ano). Já a Cielo apresentou uma redução de 71% no lucro líquido no 3T20.

Há poucos meses, tendo consciência do risco elevado, abri uma pequena posição em Cielo e, sem novos aportes, venho acompanhando desde então. Caso o futuro das criptomoedas se concretize como uma *moeda de troca confiável*, a empresa estará um passo a frente em relação às concorrentes – atualmente, as criptos ainda apresentam características de um ativo financeiro. Vale ressaltar que a saúde financeira da Cielo é preocupante.

Toda perda financeira que precisei lidar no ano de 2020 foi em decorrência de operações extremamente especulativas e risco elevado (trades). Não foi muito indigesto porque nunca comprometi outras posições – neste caso, só trabalhei com capital alocado à risco.

Para obter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20
https://financenews.com.br/?s=2t20
https://financenews.com.br/?s=3t20

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, ITSA3, ODPV3, BRCR11 (0,49%), FCFL11 (0,47%), PQDP11 (0,38%), KNRI11 (0,39%), RNGO11 (0,58%), RBVA11 (0,71%), GGRC11 (0,50%), MXRF11 (0,64%), KNCR11 (0,28%), HGRE11 (0,43%), VISC11 (0,18%), HFOF11 (0,47%) e HGBS11 (0,14%). Apesar da turbulência constante, o rendimento da carteira permanece estável. Finalmente, depois de muitos meses sem distribuir rendimentos, o fundo PQDP11 entregou 0,38% e já provisionou 0,26% para novembro. De maneira geral, o retorno financeiro final continua excelente e contou com um pequeno reforço com o pagamento de dividendos e JCP de ITUB3, ITSA3 e ODPV3 (em ambos os casos o rendimento foi pequeno e bastante equilibrado).

Aproveitei o mês para fazer um pequeno rebalanceamento na carteira…

Não é de hoje que a direção do Banco Santander vem afirmando que pretende reduzir consideravelmente o número de agências físicas. Então, apesar dos dividendos generosos, esta era uma dúvida que assombrava o fundo SAAG11.

Recentemente, houve uma fusão entre os fundos SAAG11 e RBVA11, o que levou a conversão das cotas de SAAG11 em 0,83 cotas de RBVA11 – apesar da pequena diversificação de carteira, este é um fundo essencialmente de agências (Caixa Econômica e Santander). Para complicar um pouco mais, o Banco Santander manifestou que “não pretende renovar 55%” dos contratos (não sei se é um fato) e entrou em uma briga judicial para rever os aluguéis, mesmo se tratando de contratos atípicos. Como a situação do fundo está confusa e o futuro das agências físicas é duvidoso, preferi fechar a posição em RBVA11 e redistribuir entre outros ativos.

Para melhor compreensão em torno das incertezas por trás deste fundo, recomendo assistir:

Também reduzi levemente minha exposição em WEGE3. Ocorre que, com a forte valorização do ativo no ano (49% até 31/10/2020), o balanceamento da MINHA CARTEIRA, em relação a outros ativos de excelente qualidade, ficou desproporcional.

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de ITUB3, ITSA3 e HGRU11. O aporte mais expressivo foi direcionado ao fundo HGRU11 e para os demais a distribuição foi equilibrada.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos permanece equilibrada porque, em meses anteriores, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Em relação aos trades, fechei o mês negativo, mesmo após acumular vários dias com lucros consecutivos. Pois é, chega a ser irritante. Até o dia 20, operando com até 4 mini contratos (em média 2 mini contratos por operação), consegui acumular mais de R$ 2.000,00 inciando com um caixa de apenas R$ 300. Minha habilidade operacional evoluiu bastante (obtive uma margem de acerto elevada), mas estou falhando em limitar o prejuízo nos dias em que o mercado se movimenta contra a operação – é o famoso DEScontrole emocional (risos). Ainda assim, estou muito satisfeito pois agora sei exatamente qual é o próximo aspecto operacional que preciso melhorar.

De maneira geral, apesar do momento turbulento, continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e o rendimento excelente.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Resultado do mês de setembro (2020)

Pois é, parece que o tempo voou e estamos prestes a concluir um “ano praticamente perdido”. A pandemia paralisou o mundo e o novo temor de uma segunda onda de contaminação gerou bastante turbulência nas últimas semanas. Algumas questões internas também ampliaram o clima de tensão por aqui. Particularmente, entendo que este clima de incertezas e intensa volatilidade já era esperado. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

O mês foi relativamente desafiador para o país em diferentes sentidos!

No cenário interno, duas notícias causaram fortes turbulências na Bolsa brasileira: a possibilidade da volta da “CPMF digital” e, mais recentemente, as incertezas quanto a forma do financiamento do programa “Renda Cidadã“.

Para não prolongar o assunto, sugiro assistir o seguinte vídeo:

Também fomos surpreendidos com o aumento do índice de inflação que refletiu diretamente sobre os preços de alimentos básicos do Brasil, como foi o caso do arroz.

Alguns associaram o problema à pandemia. No entanto, segundo o portal InfoMoney, foi a moeda desvalorizada e importação em larga escala de alimentos por parte da China que provocou uma explosão nos preços ao consumidor. Sem sombra de dúvidas, o maior beneficiado foi o Agronegócio (e faz sentido, foi uma oportunidade rara), mas a forma como os negócios foram conduzidos não foi favorável para população, principalmente pelo momento em que vivemos.

É evidente que os efeitos da pandemia serão sentidos mais adiante. O país está oficialmente em recessão técnica novamente. Seja como for, este é um desafio que será encarado por praticamente todos os países. O PIB do G20, por exemplo, registra tombo recorde de 6,9% no segundo trimestre – a China foi o único país que registrou crescimento de 11,5% (teorias de conspiração não levam a nada).

Na MINHA OPINIÃO, outro fator que influenciou no aumento do índice de inflação foi o controle da taxa de juros estabelecido nos últimos anos – em aproximadamente dois anos, conferimos uma redução de 14.5% para 1.90% (é a taxa DI atual). Milagre? Entendo que a economia interna vem melhorando, porém a redução aplicada parece ser artificial demais e muito antecipada. Não acredito que a recuperação econômica tenha sido tão forte e em curtíssimo espaço de tempo. Vale frisar que é uma visão pessoal.

Aliás, a redução acentuada na taxa de juros costuma refletir diretamente na disponibilidade de capital estrangeiro. Levando em conta o histórico econômico do país, o Real é uma moeda estável, porém está longe de ser uma moeda muito segura. Sejamos realistas, o critério de 99% dos investidores (pequeno ou grande) no mundo é a relação risco / retorno. Logo, com as taxas atuais tão baixas e aversão ao risco, o país perdeu a atratividade. A fuga de capital estrangeiro era algo esperado também! Não acredito que o discurso de “crise ambiental” influencie tanto na fuga de capital estrangeiro do Brasil. Podemos usar o discurso politicamente correto que quiser, mas o que realmente dita o interesse por determinado investimento é a relação risco / retorno. Investimento não é caridade.

Se avaliarmos tudo isto friamente, mesmo após a liberação das BDRs (Brazilian Depositary Receipt) para investidores não qualificados, investir fora do Brasil diretamente tem despertado o interesse de muitos brasileiros também. Não é tão raro encontrar dicas e recomendações de aportes mensais fora do país – você provavelmente já até ouviu falar sobre a Corretora Avenue. Ainda não é o meu caso, porém penso no assunto.

Felizmente, o mês encerrou com a notícia positiva para a economia brasileira de que “em meio a queda nas importações e exportações, a balança comercial brasileira tem US$ 6,1 bi de superávit em setembro“.

No mundo, o receio de uma segunda onda de contaminação do Covid-19 tem gerado bastante estresse.

Apesar de tantos questionamentos quanto a apuração (principalmente por viés político), o número de vítimas fatais do Covid-19 já supera a marca de 1 milhão ao redor do mundo. E, ao que tudo indica, a Índia terá um grande desafio para conter a propagação do vírus (está acelerando) – infelizmente, é difícil acreditar que estejam preparados. De maneira geral, o número de casos tem se mostrado crescente na Europa e vem causando uma preocupação generalizada com o surgimento de uma segunda onda, algo que resultou na queda das principais Bolsas de Valores – o Ibov, por exemplo, está cada vez mais distante dos 100.000 pts registrados no mês passado.

Felizmente, podemos apontar alguns avanços. A OMS anunciou a distribuição de 120 milhões de testes rápidos para países de baixa renda (incluindo o Brasil). Outra informação animadora foi o excelente resultado conferido nos testes realizados com a vacina Coronavac – segundo o portal Exame, “Um estudo divulgado pelo governo de São Paulo em relação à vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac com o Instituto Butantan contra o novo coronavírus apontou que, dos 50 mil voluntários testados na China, 94,7% não apresentaram efeitos colaterais graves – aqueles que apresentaram algum sintoma (5,36%) tiveram dor no local da aplicação, fadiga e febre.”

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Aliás, vou aproveitar o momento para tecer alguns comentários quanto a Corretora Modalmais

Conforme exposto em resultados anteriores, minha insatisfação diante da grande dificuldade de comunicação com a Corretora levou à solicitação da transferência de custódia da Corretora/Banco Modalmais para outro Banco. Confesso que o processo foi mais simples que imaginei. Ainda assim, resolvi dar mais uma chance para a Corretora mantendo uma pequena parcela das operações de trade. Pois é, este foi meu segundo arrependimento.

Recentemente, a Modalmais disponibilizou um serviço chamado “Meu Stop” para gerenciar limites para perdas patrimoniais. Em um primeiro momento, talvez você até entenda que é um recurso interessante para a proteção dos clientes, mas nem tudo é o que parece (principalmente se direcionarmos pequenos volumes financeiros).

O controle “Meu Stop” é feito automaticamente e pode ser ajustado pelos clientes. O problema é que, ao fechar a posição, este serviço tem um custo adicional de R$ 12.00 por contrato (e, segundo a atendente, R$ 25 por ação). Então, ao atingir o gatilho de saída você consolida o prejuízo da operação somado aos custos do serviço e custos operacionais da Bolsa. Neste caso, a propaganda de corretagem zero já não impressiona mais.

Na apuração de IR que faço com o programa IRPFBolsa, conferi um prejuízo bastante significativo onde mais da metade do valor foi referente aos custos operacionais. Acredite, este recurso de zeragem automática não é tão vantajoso para o pequeno investidor, mas será extremamente lucrativo para Corretora. Particularmente, acho até válido oferecer o serviço, desde que forneça ao cliente a possibilidade de aderir ou não. A garantia de segurança para a Corretora poderia ser atingida usando um controle de margem de garantia fixa (em dinheiro). Então, não tem desculpa: EU não acredito que o serviço foi disponibilizado visando o melhorias para os clientes.

Contactei a Corretora, porém não ofereceram nenhuma alternativa

Para obter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=1t20
https://financenews.com.br/?s=2t20

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de BBAS3, ITUB3, CRFB3, BRCR11 (0,51%), FCFL11 (0,50%), PQDP11 (0,0%), KNRI11 (0,40%), RNGO11 (0,58%), RBVA11 (0,73%), GGRC11 (0,47%), MXRF11 (0,66%), KNCR11 (0,30%), HGRE11 (0,44%), VISC11 (0,14%), HFOF11 (0,44%) e HGBS11 (0,12%). Não há muita novidade, porém, conforme exposto inicialmente, o mês apresentou algumas turbulências e a variação do Ibov assustou um pouco – não foi um período muito confortável para muitos investidores. Ainda assim, posso dizer que continuo satisfeito com a performance da carteira que permanece estável e tem apresentado um excelente resultado. O fundo PQDP11, “para variar”, não distribuiu dividendos, mas já provisionou pagamento para o mês de agosto. De maneira geral, o retorno financeiro final continua excelente e contou com um pequeno reforço com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3, ITUB3 e CRFB3 (o rendimento mais expressivo foi de BBSE3 e CRFB3).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de HYPE3 e ITUB3. De maneira geral, a distribuição foi bastante equilibrada. Mais uma vez, minha capacidade de aporte foi reduzida em função dos trades malsucedidos.

Durante o ano realizei algumas “posições especulativas”, algumas de risco controlado (position trade em OIBR3) e outras de extremo risco (day trade com mini contratos).

Apesar da forte turbulência atual, o resultado da posição em OIBR3 (pequena) continua lucrativo com *ganho atual* equivalente à duas vezes o valor investido. Por entender (opinião pessoal) que a empresa está demonstrando bastante eficiência em seu processo de recuperação e por estar pouco exposto ao ativo, decidi manter a posição aberta – particularmente, no patamar atual de preços, não me sinto a vontade para reforçar a posição.

Vale ressaltar que o retorno (lucro) atual em OIBR3, apesar de ser o dobro, não cobre os prejuízos das operações de day trade com mini contratos malsucedidas!

Para quem tem interesse na Oi, recomendo o seguinte vídeo:

E, para quem tem interesse em Itaúsa (ou é sócio), recomendo assistir:

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A disposição dos ativos permanece equilibrada porque, em meses anteriores, reforcei e priorizei as posições nos fundos imobiliários.

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

De maneira geral, apesar do momento amargo para o mercado (não se iluda com algumas semanas de otimismo), continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e o rendimento excelente.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas que comento) envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando opções de investimentos e o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!