Resultado do mês de outubro (2018)

O mês de outubro encerrou com fortes emoções, definindo, após uma disputa eleitoral bastante polarizada, o futuro Presidente do Brasil (Jair Bolsonaro). Particularmente, fiquei satisfeito com o resultado e com a equipe que vem sendo apresentada. Em função do segundo turno, resolvi focar no cenário político-econômico brasileiro, procurando mostrar a importância de uma renovação política (buscando o fim de um sistema extremamente corrupto) e ajudando na divulgação de informações verdadeiras. Logo, fui obrigado a tomar uma posição clara e, portanto, não pude agradar a todos. Aliás, tudo isto custou bastante tempo, fazendo com que adiasse até mesmo a codificação (em MQL5) do robô para automatizar trades com mini contratos de dólar. Além disto, precisei lidar com pequenos imprevistos. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Durante o período eleitoral, considero que a esquerda tentou manchar a imagem de Jair Bolsonaro distorcendo algumas de suas falas ou mesmo o entendimento de democracia, induzindo o entendimento de que sua vitória representaria a volta do regime militar ou também abandono total das “minorias”. O mais irônico foi ver que o candidato participou de uma disputa democrática e quase foi executado durante o processo. Foram tantos acontecimentos inacreditáveis, dignos de filme. Vale lembrar que, “a democracia NÃO é um sistema feito para garantir que os melhores sejam eleitos, mas sim, para impedir que os ruins fiquem para sempre“.

Se Bolsonaro fosse realmente homofóbico, como explicar este vídeo (contra fatos não há argumentos)?

Está sendo formada uma equipe que já comprovou eficiência e seriedade (o otimismo está voltando):

Nas últimas semanas fugi um pouco do propósito principal da fanpage, mas entendi que não poderia me omitir e decidi tomar uma posição clara. Eram apenas dois candidatos, com ideologias bem diferentes (basicamente 0 ou 1). Então, não havia como agradar todos. Obrigado pela paciência, apoio de alguns e desculpem pela insistência (foi necessário).

E, para você que ainda está muito preocupado com o fascismo, racismo ou machismo, gostaria de deixar uma reflexão:

Não esqueçam que estamos no mesmo barco…
Devemos torcer por um país melhor e próspero para TODOS! 😉

Quanto a economia, ainda estamos vivenciando um momento bastante delicado, mas, felizmente, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), em setembro, o Brasil gerou 137.336 mil empregos com carteira assinada – foi o melhor resultado para o mês em 5 anos. Com a aproximação do Natal estes números tendem melhorar ainda mais.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo:

Em relação aos investimentos, o mercado abriu uma oportunidade de especulação “interessante” para Forjas Taurus (alguns investidores “puderam” dobrar o capital). Minha atuação principal é como Holder, portanto especulo apenas em momentos pontuais. Por entender que os fundamentos da empresa são fracos e por perder o momento de entrada, preferi ficar de fora – o ideal é fugir de “micos”. Vale lembrar que poucas pessoas tem habilidade suficiente para tirar proveito de momentos como este. Aliás, para quem estiver com a ação em radar (FJTA4), recomendo muita cautela. Após a saída de um grande investidor, a Suno Research fez um alerta não recomendando a abertura de posição.

Não há novidade em relação ao balanço dos ativos que mantenho em carteira, mas deixarei o link para consulta do calendário de meses anteriores ou seguintes.

Para acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Quanto aos investimentos…

Minha capacidade de aporte foi comprometida porque precisei lidar gastos adicionais, como revisão do carro, troca de pneu e uma viagem curta para aproveitar o feriado. Não realizei operações de trade porque mantive foco na divulgação de informações sobre o segundo turno, procurando desfazer o preconceito e a distorção que a mídia tradicional produziu contra o Bolsonaro. Pessoalmente, acredito que nosso destino caminhava para um futuro similar ao da Venezuela. Espero que o presidente não nos desaponte, mas certamente já mudamos o nosso rumo.”

Recebi proventos de ITSA3, ITUB3, ODPV3, BRCR11 (0,366%), FCFL11 (0,601%), PQDP11 (0,540%), KNRI11 (0,603%), RNGO11 (0,596%), SAAG11 (0,796%), GGRC11 (0,716%), MXRF11 (0,714%), KNCR11 (0,510%), HGRE11 (0,490%), FLMA11 (0,629%), HGBS11 (0,569%) e FIGS11 (1,233%). O desempenho dos FIIs permanece estável e, nas últimas semanas, vem apresentando recuperação. Infelizmente, o fundo BRCR11 continua com o pior resultado, porém, com a conclusão da negociação com a Brookfield, acredito que a partir do próximo mês o resultado será melhor – aliás, em dezembro, está previsto um presentão de Natal (expectativa de distribuição de rendimento de aproximadamente R$14,37 por cota). O rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ITSA3, ITUB3 e ODPV3 (pouco expressivo).

Para quem ainda não conhece o fundo FCFL11, convido assistir uma apresentação feita pela Suno:

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de ABEV3 e RNGO11. O maior aporte foi para ABEV3 e o menor para RNGO11. Por considerar que o mercado precificou injustamente as ações ABEV3, aproveitei o momento para reforçar minha posição. Imprevistos financeiros limitaram minha capacidade de aporte.

Como dediquei um tempo maior para compartilhar informações sobre as eleições presidenciais e combate à fake news ou distorções históricas (como a interpretação de fascismo, por exemplo), não realizei operações de trade e interrompi o meu projeto de codificação do robô para o MetaTrader 5. Mas fiquei muito feliz por fazer parte deste movimento para a construção de um novo Brasil.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Nem preciso dizer que, com o resultado das eleições, o clima de otimismo volta a reinar. O mercado reagiu muito bem com a nomeação do juiz Sérgio Moro como Ministro da Justiça, levando o índice Ibovespa fechar perto dos 89 mil pontos (registrando uma nova máxima histórica). Fiquei muito satisfeito com o resultado, não só pela valorização de minha carteira de renda variável como também pela expectativa de dias melhores. Conforme a brincadeira no início, a equipe formada é digna de uma Liga da Justiça (risos). Tenho certeza de que o preconceito sobre o presidente será desfeito no decorrer do tempo. E, caso não corresponda à nossas expectativas, cobraremos com a mesma energia. Mas, os últimos contatos com Israel demonstram que o próximo governo não ficará apenas na promessa.

“Espero que o presidente não nos desaponte… certamente já mudamos o nosso rumo!

Um ótimo final de semana a todos! 😉

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Acha que é capaz de viver de trades? Cuidado!

A possibilidade de viver de trades é algo que costuma atrair muitos investidores novatos (aguça a imaginação), além de aquecer um grande mercado de treinamentos e consultorias. A possibilidade é real, mas a probabilidade de sucesso é muito menor do que costumam pregar por aí. É uma questão bastante particular, só o tempo dirá!

Por esta razão, decidi fazer um vídeo sobre o assunto. E, para que vocês tenham uma ideia melhor, até o final deste ano, compartilharei minha experiência. Este é o prazo que estabeleci para tentar ganhar habilidade suficiente.

Percebam que a parte técnica é importante, mas será o seu menor desafio! 😉

Conforme comentei no vídeo, existem quatro fatores que determinarão o seu sucesso:
1. Controle emocional;
2. Disciplina;
3. Manejo de risco; e
4. Saber ganhar e perder

É evidente que o conhecimento técnico é importante, mas é fácil perceber que não será suficiente. De qualquer forma, compartilharei alguns vídeos que considero bastante instrutivos para quem pretende realizar operações de trade e está começando.

“Lembrem-se que não pode haver emoção nas operações e pequenas perdas serão inevitáveis!”

Ainda vale a pena investir em Bancos?

Em tempos de grandes transformações e inovações tecnológicas e com surgimento de tantas Fintechs será que ainda vale a pena investir em ações dos Bancos mais conhecidos? Estariam eles com o tempo de vida contado para acabar? Particularmente, entendo que ainda existe muita água para rolar!

É comum encontrar questionamentos contrários aos grandes Bancos. Porém, faça chuva ou faça sol, acredito que estarão sempre no topo, mantendo forte influência na economia do país. Vocês perceberão como os números por trás destes gigantes são maiores do que se imagina.

Basicamente, podemos avaliar a segurança e a saúde dos Bancos através de dois índices:

1. Índice de Basileia: é a relação entre o capital próprio e o capital de terceiros exposto ao crédito. Caso o índice do Banco seja 20%, por exemplo, para cada R$ 100,00 emprestados, o Banco dispõe de R$ 20 de capital próprio. O Banco Central exige o mínimo de 11%. Portanto, quanto maior, melhor.

2. Índice de Imobilização: determina a porcentagem do capital de terceiros que está imobilizada em bens sem liquidez imediata. Se o índice for de 30%, a cada R$100,00 em seu patrimônio, R$ 30 estarão imobilizados. Quanto maior, mais lenta será a disponibilidade do recurso. O Banco Central exige o máximo de 50%. Logo, quanto menor, melhor.

A seguir, será perceptível  que os Bancos Inter (BIDI), Banco do Brasil (BBAS) e Itaú (ITUB) apresentam os índices sob controle. É evidente que, a princípio, o índice de imobilização do Banco Inter apresenta vantagem sobre os demais em função do porte e dos ativos ou recursos disponíveis aos clientes. Mas é preciso ter cautela com a avaliação do Banco Inter, pois seu IPO (Oferta Inicial Pública) aconteceu recentemente.

Banco Inter (BIDI) – Valor de mercado: R$ 9.5B

Índice de Basileia e Imobilização

O índice Basileia foi de 21.2% em DEZ de 2015, 17.2% em DEZ de 2017 e 15.4% até agora; e com imobilização de 2.5% até agora.”

Evolução Patrimonial:

“Fonte: www.meusdividendos.com”

Banco do Brasil (BBAS) – valor de mercado: R$ 98.1B

Índice de Basileia e Imobilização:

O índice Basileia foi de 16.0% em DEZ de 2015, 19.6% em DEZ de 2017 e 18.4% até agora; e com imobilização de 14.5% até agora – vantagem sobre o Banco Inter.”

Evolução patrimonial:

“Fonte: www.meusdividendos.com”

Banco Itaú (ITUB) – valor de mercado: R$ 308.1b

Índice de Basileia e Imobilização:

O índice Basileia foi de 15.4% em DEZ de 2015, 18.8% em DEZ de 2017 e 16.6% até agora; e com imobilização de 23,8% até agora – também apresenta vantagem sobre o Banco Inter.”

Evolução patrimonial:

“Fonte: www.meusdividendos.com”

Os números apresentados impressionam, não? O Banco do Brasil tem um valor patrimonial 10x superior ao Inter. E, mesmo assim, é 3x menor que o Itaú.

Com um valor patrimonial de R$ 308B, fica fácil entender porque o Itaú é o maior Banco do país! 😉

Mas, para avaliar o lucro liquido de cada Banco, sugiro recorrer ao portal Bancodata, pois o Banco Inter, por exemplo, abriu capital há pouco tempo, tornando a análise do quadro de evolução injusta. De qualquer forma, o lucro líquido do Banco Inter em 2017 foi de R$ 48,8 milhões, enquanto Banco do Brasil e Itaú apresentaram lucro líquido de R$ 11,2 bilhões e R$ 21,8 bilhões respectivamente.

Percebam que as diferenças são grandes. Como já tenho posição em BBAS, BBSE, ITUB e ITSA, resolvi não arriscar novas posições em BIDI, mas entendo que o futuro do Banco Inter pode ser promissor – ainda assim, vale lembrar que o Banco está sendo investigado pelo MPDF em função de uma denúncia envolvendo o vazamento de dados de seus clientes (para complicar um pouco mais, o Banco sempre negou).

O meu objetivo foi demonstrar que a posição em grandes Banco tende ser muito salutar para uma boa diversificação de carteira. É claro que a decisão e a estratégia adotada é algo muito pessoal, variando de acordo com o entendimento de cada um.

Então, a resposta é SIM, claro que vale a pena! 😉

ITSA: Bonificação

Em tempo de grandes turbulências, que tal tratarmos sobre um assunto mais agradável como a bonificação de ações? O cenário político-econômico vem gerando muitas incertezas (com expectativa negativa), o que resulta no movimento de pânico que estamos conferindo. É neste momento que suas convicções como Holder serão testadas.

Demonstrar autocontrole na euforia é brincadeira de criança! 😉

O momento realmente pede cautela, mas pode oferecer grandes oportunidades. O mercado vem reagindo com um certo exagero, visto que os fundamentos das empresas que mantenho em carteira, por exemplo, continuam excelentes e apresentando resultados superiores ao do ano passado. Logo, o “melhor momento” (se é que existe) para reforçar posições em empresas solidas é justamente no “pânico” (quando o impeto vendedor é maior e pouco racional).

Neste mês fomos contemplados com a bonificação de ITAÚSA.

Já escrevi um artigo sobre o assunto, mas cometi um pequeno equívoco em relação ao custo por ação.

Através do portal da B3 podemos conferir todos os eventos da empresa:
http://bvmf.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/ResumoEmpresaPrincipal.aspx?codigoCvm=7617&idioma=pt-br

Para saber quais foram os eventos registrados, clique em “Eventos Corporativos“. O comunicado sobre a bonificação pode ser obtido na opção “Aviso aos Acionistas” de “Informações Relevantes” (ao lado de “Eventos Corporativos“.
Todos os dados da bonificação estão disponíveis no linkAviso aos Acionistas” (abrirá em nova janela)

Ou seja, quando for apurar o ganho de capital na declaração de IR, leve em consideração a aquisição das ações como se fosse uma operação de compra normal, com custo de R$ 6,53 por ação – é evidente que sem os custos de corretagem.

É para efeito de lançamento de preço médio na apuração de ‘bens e direitos‘ do ‘IRPF‘ e também servirá como benefício fiscal (caso o investidor opte pela venda).”

Mercado em pânico: o que fazer?

Atualmente o mercado de capitais está tomado pelo sentimento de pânico, com forte saída de capital estrangeiro e turbulências fortes no cenário político-econômico – no decorrer de um mês, por exemplo, o Ibov já perdeu mais de 10.000 pontos.

Confiram o gráfico do Ibov pelo Google:

Já faz algum tempo que estou ensaiando produzir algum material sobre o assunto…

Infelizmente, uma forte gripe e algumas questões pessoais acabaram atrapalhando um pouco – fiquei sem voz por uma semana. E, pode não parecer, mas é trabalhoso manter um simples blog como este (risos). É claro que mantive a fanpage relativamente atualizada com os fatos mais recentes e relevantes (utilizo como referência na apuração mensal).

Apesar do momento de pânico, não se desesperem:

Confesso que presenciar uma forte desvalorização como esta mexe um pouco com nossa cabeça, mas o tempo nos ensina como o mercado funciona e percebemos que, ao selecionar boas empresas, é possível transformar o momento de pânico para alguns em oportunidade. Vale lembrar que, com o passar do tempo, o próprio rendimento da carteira permite reforçar ainda mais nossas posições. Logo, para Holders, o mais importante são os fundamentos, não o preço de mercado. Aceitem: “Renda variável, varia (risos)“.

Confiram também um vídeo do canal No Radar do Dinheiro:

É evidente que nada impede que traders experientes também tirem proveito do momento. Boa parte dos investidores tem uma atração incontrolável por operações de trade (já fui um), porém é importante lembrar que apenas uma minoria desenvolve habilidade suficiente e conseguem extrair vantagens reais.

Resumindo: MANTENHAM A CALMA E SIGAM FIRMES COM A ESTRATÉGIA!