Ações ou FIIs: Preço de compra importa?

Esta é mais uma questão que gera bastante discussão, mas a resposta ideal (a meu ver), quase sempre, é “depende“. o primeiro fator a ser avaliado é o tipo de operação: “por que estamos comprando? (Trade ou B&H)“. A resposta revela o tipo de operação que estamos dispostos a realizar. Parece óbvio, porém, na prática, para quem ainda está adquirindo experiência, não será.

Confiram a minha visão quanto a diferença entre investir e especular:

Gosto do conteúdo produzido pelo Bastter. Algumas vezes, a forma como ele aborda o assunto, pode ofender um pouco quem ainda não conhece o grupo (com suas “famosas voadoras“… risos). Em determinadas situações, eles extrapolam um pouco, mas, ainda assim, o conteúdo produzido vale a pena. Há quem diga que é puro marketing ; outros afirmam que é a única forma de “conscientizar o investidor amador” (faz um certo sentido). Aliás, se existe um marketing para chamar atenção para o seu negócio, acho muito justo – pelo trabalho e conteúdo oferecido (muitas vezes gratuito).

Nem sempre concordo com a forma como o Bastter e seus seguidores abordam o assunto, no entanto não posso negar que a precisão no quesito comportamental e estratégico é impressionante – algumas vezes, nos vídeos que assisti, parecia que ele estava me descrevendo, e o mesmo pude observar em meus colegas de trabalho. A precisão é tanta que impressiona. Logo, acho mais que justo dar os créditos a quem merece (não recebo nada por isto).

Confiram alguns estudos que reforçam o que comentei:


Tendo visão de longo prazo, como saber se um ativo está barato o suficiente ou caro demais? Ou ainda, quem nos avisará o momento exato para comprar “sempre barato”? Percebam a importância destes conceitos. Ao focar nos preços, sua conduta tenderá para o lado do “trade“.

Já parou para pensar o que lhe motiva realmente investir? No meu caso, por exemplo, o objetivo é construir um patrimônio diversificado em valor, conquistar uma renda passiva suficiente para viver com tranquilidade e negociar parte dos ativos quando julgar necessário.

Sejam investidores conscientes…  😉

Um ótimo domingo a todos!

FIIs e Ações: Como diversificar sua carteira!

Há algum tempo atrás, um amigo comentou sobre a qualidade dos vídeos do canal do Arthur Vieira (da Infomoney) e recomendou a análise acadêmica e científica sobre sobre investimentos em Fundos Imobiliários, Ações e estratégias de diversificação com minimização de riscos. Realmente, a qualidade das informações é excelente.

Para quem investe ou tem interesse, recomendo assistir:

Pelo visto, estou no caminho certo! 😉

Caso necessite de informações de introdução, recomendo a seguinte leitura:

Letras de Crédito Imobiliário ou Fundos de Investimento Imobiliários?

Petrobras aprova abertura de capital dos postos de gasolina

O dia está sendo bastante agitado e, felizmente, gerando expectativa positiva para a economia. Além da notícia da aprovação de reforma trabalhista, recebi um alerta da ADVFN indicando que a Petrobras aprovou abertura de capital dos postos de gasolina (BR Distribuidora). E, para aumentar ainda mais a emoção, “Moro condena Lula a 9 anos de prisão por corrupção e lavagem no caso Trípex“.

Neste exato momento, o índice IBovespa negocia em alta de 1%.

Segundo a ADVFN, “A Petrobras aprovou a abertura de capital da BR Distribuidora, a maior rede de postos do país, através de uma oferta pública secundária de ações. A BR pretende aderir ao segmento especial do mercado de ações da B3 denominado Novo Mercado“.

Subscrição de ações: O que é e como proceder

Há poucos dias, comentei em nossa fanpage sobre a possibilidade de subscrição de ITAUSA. Antes de expor a minha escolha, é importante compreender o que é subscrição de ações, vantagens, custos operacionais e tributação.

Começaremos entendendo o que é subscrição e como exercer ou negociar o seu direito:

Resumindo: de acordo com o vídeo e descrição da própria BMFBovespa, “é o direito de preferência do acionista para adquirir novas ações ou ativos conversíveis em ações de uma companhia em decorrência da proporção das ações que possui quando há aumento de capital desta. Este ativo pode ser negociado no mercado secundário e tem um período de validade que, quando atingido, implica na extinção dos Direitos“.

Como mantenho uma pequena posição em ações ordinárias de Itaú SA (ITSA3), ganhei o direito de subscrição com o recebimento de ativos ITSA1 em 24/02/2017. Atualmente, com as ações ordinárias sendo negociadas acima de “R$ 9“, o direito de subscrição torna-se bastante interessante, pois confere ao acionista o direito (ou preferência) de aquirir novas ações por “R$ 6,10“. Infelizmente, no meu caso, como a posição é pequena, exercer o direito de subscrição terá pouca representação sobre minha carteira. E também tenho outros interesses. Por esta razão, optei pela venda dos ativos que recebi. Vale lembrar que o prazo de negociação encerra no dia 24 deste mês (24/03/2017).

Para quem ainda está indeciso, sugiro a leitura do seguinte artigo:
http://50segundos.com/subscricao-de-itausa-itsa-vale-a-pena-ou-nao/

“Para exercer o direito de subscrição, é preciso que o investidor manifeste o interesse a sua corretora e disponha do saldo correspondente no dia do exercício. Caso contrário, considere a possibilidade de negociar o ativo”.

Ao vender o direito de subscrição, não há isenção de imposto de renda e cabe ao investidor gerar e pagar o DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) referente ao lucro da operação (alíquota de 15% sobre o lucro) – no caso da subscrição, a alíquota de 15% é sobre o valor total da venda, visto que o investidor recebeu os ativos sem custo algum. É evidente que, conforme exposto no vídeo, a negociação só faz sentido se o lucro for superior ao custo da operação.

“Mas atenção, é possível abater o valor a ser pago de prejuízos anteriores. Vale ressaltar que, o valor informado no DARF deve corresponder a multiplicação do ganho (com a venda) por 0,15 (15%). Porém, pagamentos inferiores a R$ 10 são vedados (não permitidos) e, conforme a Lei 9430/96, ficam acumulados até que o mínimo seja alcançado e não requer informação a Receita”.

De acordo com o site Valor, o preenchimento deve ser feito da seguinte maneira: “O código da receita para tributação sobre renda variável para pessoa física é 6015. O período de apuração refere-se ao mês quando foram vendidas as ações. Assim, se as ações foram vendidas em março, a data a ser colocada no campo “período de apuração” do DARF é 31.03.2017. A data de vencimento é o último dia útil do mês subsequente ao da apuração, neste caso 30.04.2017. O campo 05, “número de referência”, não necessita ser preenchido“.

Caso o investidor precise gerar ou recalcular (multas por atraso, por exemplo) um DARF, é possível utilizar a ferramenta Sicalc da própria Receita Federal. O Sicalc é uma aplicação disponível para download, mas existe também uma versão web que funciona online (clique na aba “pagamento“). Não custa lembrar: “informe o valor a ser pago, não o valor da venda (risos)“.

Para finalizar, fiquei indeciso nos primeiros dias e, por consequência, reduzi levemente minha margem de lucro. Lancei a operação no programa IRPFBolsa, indicando uma compra padrão de ITSA1, em 24/02/2017, com os custos de corretagem e preço de compra zerados. No dia 06 do mês de março, vendi o direito de subscrição (zerando a posição) e lancei a operação com os custos e preço de venda (R$ 3,55 por ativo) de uma operação qualquer.

Infelizmente, ao contrário do que imaginei, o programa IRPFBolsa não apurou o lucro da operação. Acredito que a aplicação ainda não prevê a venda do direito de subscrição (farei contato com os desenvolvedores durante a semana). De qualquer forma, estou “tranquilo” porque ainda posso compensar pequenos prejuízos realizados em operações passadas, conforme relatado em postagem anteriores. No meu caso, o único problema é que o valor do “prejuízo a compensar” (no IRPFBolsa) permanece inalterado.

Petrobras dispara: motivo desconhecido

Esta foi a nota que recebi hoje cedo (ADVFN Newsletter). Inicialmente, não “entendi” a forte alta conferida ontem (o resultado do índice IBovespa também impressionou), mas acredito que o fator preponderante foi o excelente resultado da Balança Comercial Brasileira.

Segundo a ADVFN, “As ações da Petrobras dispararam ontem, chegando ao pódio das maiores valorizações do índice Ibovespa (ON, +6,3% e PN, 5,7%), mas grande parte dos analistas não sabe explicar o motivo de tamanhos ganhos no dia. Nenhum fato relevante foi publicado pela companhia durante o pregão de ontem que pudesse justificar tal disparada. No entanto, circulam rumores pelo mercado de que a Petrobras esteja preparando um novo reajuste no preço dos combustíveis. No final do ano passado, a companhia publicou a nova política de precificação da gasolina e do diesel nas refinarias, contando com o preço de importação desses derivados, adicionando uma margem de risco e tributos. Esse processo seria revisto mensalmente para definição dos preços praticados no mercado nacional, com o último reajuste ocorrido no início de dezembro passado“.

Segue o jogo! 😉