Bitcoin: Investir ou não?

Eis a grande questão: “INVESTIR” ou NÃO em BITCOIN? Esta tem sido a pergunta mais comum entre investidores e futuros investidores. É uma decisão pessoal, no entanto devemos fazer de maneira consciente. Já compartilhei minha opinião em outros artigos, mas, aproveitando o momento de euforia com uma pitada apreensão, resolvi fazer um vídeo expondo um pouco mais a minha visão.

Não existe uma resposta única, apenas procure fazer uma escolha consciente! 😉

Confiram, também, outros artigos sobre o assunto:
http://aprendizfinanceiro.com.br/awrp/blog/2017/09/24/bitcoin-debate-entre-ricardo-schweitzer-e-fernando-ulrich/
http://aprendizfinanceiro.com.br/awrp/blog/2017/05/26/bitcoins-por-que-optei-ficar-de-fora/
http://aprendizfinanceiro.com.br/awrp/blog/2017/01/18/cuidado-com-piramides-baseadas-no-bitcoin/
http://aprendizfinanceiro.com.br/awrp/blog/2016/08/14/bitcoin-links-uteis/
http://aprendizfinanceiro.com.br/awrp/blog/2016/06/13/bitcoins-vantagens-x-desvantagens/

É melhor alugar o nosso imóvel diretamente ou por imobiliária?

É incrível a polêmica que uma simples questão, como esta, é capaz de gerar. Durante a semana, colegas de trabalho começaram uma discussão sobre o assunto (para variar) – é interessante constatar o que realmente motiva a visão de cada um. Na maioria das vezes, percebemos que os argumentos são muito mais em defesa de escolhas já executadas, do que um critério frio e racional. Em relação ao tema, já vivenciei as duas situações. Novamente, não existe uma verdade única, mas é possível ponderar sobre algumas variáveis ou situações que tornam uma escolha mais favorável (ou flexível) que outra. Não é uma questão de certo ou errado.

Na postagem anterior, comentei sobre a ajuda que prestei à minha namorada para localizar um novo imóvel. Como esperado, na maioria das vezes, os imóveis eram anunciados por meio de uma imobiliária. A flexibilidade de negociação, neste caso, é muito engessada (muito mais do que os proprietários imaginam). Na maioria das vezes, exigiam fiador (em alguns casos, mais de um) ou seguro fiança (muito caro). De maneira geral, a flexibilidade de negociação foi mínima.

Confiram algumas ponderações interessantes sobre as diferenças:
https://www.creditooudebito.com.br/alugar-direto-via-imobiliaria/

O que surpreendeu foi ter encontrado vários apartamentos há mais de 2 anos sem alugar e, mesmo assim, a imobiliária não cedia em nada. O descaso era evidente. Será que os proprietários faziam ideia do interesse de locação? Duvido muito. Trata-se de uma relação comercial que, fatalmente, será influenciada pelo interesse da imobiliária. Então, como garantir que não exista conflito de interesse, se o lucro da imobiliária faz parte do negócio? Algumas vezes, na tentativa de flexibilizar a negociação, pedi que uma proposta fosse levada até o proprietário (que é o “maior interessado”). O “curioso” foi que não obtivemos respostas em NENHUMA DAS TENTATIVAS. Seguimos em frente. Durante algumas semanas, mapeamos condomínios de nosso interesse e, em seguida, perguntávamos ao porteiro (ou síndico) se existia algum imóvel disponível e que pudesse ser tratado diretamente com o proprietário. Vejam só… assim que encontramos um imóvel com a relação custo x benefício justa, fechamos negócio na PRIMEIRA TENTATIVA. Bem diferente, não? Não é uma questão de opinião, estou relatando um fato concreto.

No meu entendimento, a principal razão que motiva o proprietário alugar seu imóvel por meio de uma imobiliária é a comodidade em questão, transferindo a responsabilidade de administração e locação. Não deixa de ser justo. Porém, algumas pessoas comparam com a contratação de um seguro.  Não é uma comparação legítima. O seguro é uma garantia sobre o valor do bem. A imobiliária, de acordo com o art. 667 do Código Civil, fica obrigada a indenizar por quaisquer prejuízos advindos de uma conduta culposa (por parte da imobiliária). É bem diferente de uma seguradora, até porque comprovar a conduta culposa pode se tornar um belo desafio.

Sendo assim, não é de espantar que exista um mito de que pela imobiliária a preservação do imóvel será maior. Esta visão é muito relativa. Conheço proprietários que gostam de conversar com o possível inquilino para ter uma “ideia melhor” do perfil (faixa de idade, emprego, interesse no imóvel, número de filhos e etc). Logo, sendo seu o imóvel, alugar (ou não) é uma decisão sua. Já constatei, pessoalmente, um caso em que uma inquilina, ao conversar com o proprietário, afirmou que faria reformas no imóvel na primeira oportunidade. Muito simples, o proprietário recusou o aluguel (risos). A imobiliária dificilmente será tão criteriosa, basta o inquilino satisfazer a burocracia exigida ($$$).

Não importa qual a escolha, para maior segurança (tanto do proprietário como do inquilino), um contrato deve ser firmado entre ambas as partes – é possível consultar um advogado para auxiliar na elaboração do primeiro contrato, que servirá como modelo para os próximos (é simples). Também é recomendado assinar um termo de vistoria, comprovando em quais condições o inquino recebeu o imóvel (tudo previsto no contrato de locação). Em alguns casos, para ampliar as garantias, o inquilino pode oferecer uma carta de fiança do Sindicato – no caso de agentes da PF, por exemplo. pode ser feito pelo SINPEF.

Mesmo que o aluguel seja negociado diretamente com o proprietário, todas as questões contratuais serão tratadas normalmente. A vantagem é a flexibilidade de negociação, podendo inclusive rever algumas cláusulas contratuais.

Agora entendo porque o Bastter é tão famoso por suas voadoras. Algumas pessoas utilizam argumentos tão esdrúxulos, sem o mínimo conhecimento de causa. Ontem, me disseram que não vale a pena alugar um imóvel pelo risco usucapião. Se isto fosse possível (mesmo que minimamente), ninguém seria louco de colocar seu imóvel para alugar (com ou sem imobiliária). Imaginem como seria para os fundos imobiliários lidar com isto (risos) – até as empresas brigariam pelo direito usucapião. Vejam a colocação feita no portal jus.com.br (é fácil encontrar outras referências).

O principal requisito para sua configuração, além do tempo, é de ordem subjetiva: é o chamado “animus domini”, que configura a posse “ad usucapionem”. Ou seja, a pessoa deve se comportar em relação ao bem como se fosse seu dono.

Quando existe um contrato de locação, existem duas posses: a posse indireta (detida pelo proprietário/locador) e a posse direta (detida pelo locatário). Nesse caso, o locatário não possui o bem com intenção de dono, pois a relação jurídica que existe entre ela e o locador/dono obriga que o bem seja restituído a esse último após um determinado tempo (ainda que a locação subsista por mais 30 anos).

Tenho consciência que não é uma decisão muito simples.
Não existe uma verdade única. Trata-se de mais uma questão bastante relativa.

Inúmeros fatores influenciarão na escolha, incluindo aspectos pessoais.

Na minha opinião, a comodidade do aluguel via imobiliária será indiscutível se o proprietário desejar alugar um imóvel presente em outra cidade, pois a nossa disponibilidade de tempo e deslocamento para tratar uma negociação (ou imprevistos) será muito menor. Afetará até na qualidade de vida.

Por outro lado, com imóvel na mesma cidade, existem proprietários que colocam o imóvel para alugar diretamente e sem placa de indicação, avisando apenas o porteiro e síndico. Não é tão raro. De certa forma, acaba sendo um nível de “filtragem” adicional. Ahhhh, mas ninguém faz isto! Adoro este tipo de afirmação (risos). Se fosse para escrever o que todo mundo já faz com “grande eficiência” (questionável), a existência deste blog não faria sentido algum. Aliás, o engraçado é que foi exatamente nesta condição que minha namorada encontrou um imóvel para alugar.

Procure estudar sobre educação financeira, investimentos e deixe de seguir o *movimento de manada*. Quanto mais simples for o seu planejamento financeiro, melhores serão os resultados. A mudança tem que partir de nós mesmos.

É MUITO simples, se você almeja resultados diferentes, pare de “fazer tudo igual”! 😉

Minhas expectativas de investimento para o próximo ano!

Apesar do cenário político-econômico continuar bastante turbulento e um tanto incerto, podemos fazer algumas ponderações quanto a situação atual e expectativa para o próximo ano (principalmente para aplicações de renda variável). Independente dos acontecimentos, devemos manter nossa estratégia de investimento intacta, mas nada impede analisar alguns fatos para auxiliar na tomada de decisão para melhor posicionamento ou até mesmo “proteção”.

Começaremos falando sobre a renda fixa…

A queda da taxa Selic já era algo previsto e salutar para economia, mas confesso que conferir uma queda tão brusca de rendimento surpreendeu um pouco – estava ficando mal acostumado (risos) com taxas DI de aproximadamente 14% ao ano (atualmente na casa de 8%)

Muitos analistas e educadores financeiros afirmam que a queda da taxa de juros é pouco significativa porque o importante, no final das contas, é a taxa de *juros real* (diferença entre a taxa Selic e Inflação). Quem dera fosse tão simples. Independente de qualquer coisa, o importante é manter uma carteira de investimento “bem diversificada” para ter a chance de surfar o melhor momento de cada investimento naturalmente, sem ficar pulando de galho em galho ou procurando acertar timing.

Confiram este vídeo da Nath:

O que ela diz é real. Mas, afirmar que, apesar da queda da taxa de juros, estamos diante de uma oportunidade de ouro é sacanagem (risos). O racional, do juros real, faz mais sentido quando o investidor já está consumindo parte do rendimento, não na fase de acúmulo. Imagine, por exemplo, a vantagem atual (com as  taxas em queda) de investidores que optaram, naquela época, por títulos do Tesouro Direto de longo prazo com taxa de juros superior à 13% – não há como ser MAIS VANTAJOSO investir neste exato momento. Estou questionando apenas a comparação que estão fazendo.

A taxa de juros flutua ao longo do tempo, mas o seu ganho de capital será preservado!
Em qual cenário o seu volume financeiro aumenta mais rapidamente? Será que não importa mesmo? 😉

Na prática não há muito o que fazer. Resolvi comentar sobre o assunto por discordar um pouco da abordagem dada e por conferir uma queda de rendimento brusca (quase metade). Ainda assim, a taxa de juros brasileira é uma das mais altas e mantém o investimento em renda fixa como uma “excelente opção”.

É evidente que manter a taxa de juros tão elevada por muito tempo é prejudicial para o país, e sua queda é um dos sinais de recuperação econômica. Por consequência, investimentos em fundos multimercado ou renda variável passam a despertar maior interesse. Daí a importância da diversificação. Não precisamos acertar timing nenhum.

No auge da crise, priorizei o investimento em renda variável porque minha exposição em renda fixa já estava alta e por entender que o modelo Buy and Hold, quando bem compreendido, permite investir no mercado de ações com maior eficiência e segurança. Também surgiram assimetrias claras – o Banco do Brasil, por exemplo, está apresentando atualmente uma valorização de aproximadamente R$ 20,00 por ação. Estou bastante satisfeito com o resultado da carteira. Dificilmente uma aplicação de renda fixa permitirá uma evolução similar (não encontrei nenhuma opção que oferecesse um resultado próximo).

Infelizmente, as eleições de 2018 podem mudar este resultado drasticamente (por um longo período).

Não, não estou sendo dramático (risos). Assistam este vídeo:

Você pode até discordar de algumas afirmações, mas pesquise quais eventos causaram os movimentos mais relevantes e expressivos do índice Ibovespa nos últimos anos. Desde o impeachment da ex-presidente Dilma, estamos quebrando recordes de valorização. O mercado não considera mais a possibilidade do Lula se tornar presidente novamente, porém as principais pesquisas de intenção de voto estão divergindo disto. Não é uma mera questão de visão política. O que interessa para o mercado é simplesmente a evolução econômica que cada governo é capaz de oferecer. De que forma vocês acreditam que o país afundou? Pensem sobre o assunto.

Não é preciso dizer o que acontecerá caso o mercado seja “surpreendido”, não é mesmo?

A Empiricus afirmou que o mercado continuará reagindo positivamente com João Doria ou Geraldo Alckmin, abrindo espaço para valorizações ainda mais expressivas. Particularmente, compartilho da mesma opinião. Já o nome Bolsonaro continua uma grande incógnita; é difícil avaliar.

 O jeito é manter a estratégia de investimento. Continuarei com aportes mensais normalmente, porém, conforme aproximarmos das eleições, ficarei atento aos nomes mais cotados para presidente. Caso entenda que o Lula tem chance real no segundo turno (como mostram algumas pesquisas), certamente comprarei algumas PUTs (opções de venda) para minimizar o impacto sobre a carteira.

Para outras informações sobre o mercado de opções:
http://opcoesdescomplicadas.infomoney.com.br/2017/10/09/o-que-sao-opcoes-de-acoes/

Um ótimo final de semana todos!

Bitcoin cai bruscamente após reportagem de jornal na China

Resolvi compartilhar um artigo recente da Exame que demonstra claramente o que costumo alertar. Apesar de tudo, perto da volatilidade padrão desta moeda, a queda atual não impressiona tanto.

Essa historinha de que autoridades não podem fazer nada é pura ilusão. Se as especulações causam estrago desta dimensão, imaginem fatos concretos… Você pode achar que é capaz de antecipar qualquer mudança efetiva, porém quem vai lhe avisar quando acontecer?

A escolha é pessoal. Mas, saibam exatamente onde estão se metendo!
http://exame.abril.com.br/mercados/bitcoin-cai-bruscamente-apos-reportagem-de-jornal-na-china/

Economia x política: Câmara rejeita denúncia contra Temer

O resultado da votação desta quarta-feira causou bastante discussão e indignação. Mas, antes de compartilhar minha opinião, gostaria de fazer uma breve reflexão sobre a relação existente entre economia e cenário político. Pessoalmente, fico receoso com a crescente linha de pensamento de que todos os partidos ou políticos são iguais, não importando quem está no poder. Não é bem assim. Aliás, é um pensamento perigoso. Também não desejo a absolvição gratuita do atual presidente – ele deve responder por seus atos. No entanto, prefiro que o processo ocorra da forma menos traumática para o país.

Vale lembrar que, até pouco tempo, estávamos em recessão técnica.

Por apresentar inúmeras medidas impopulares e por ser citado recentemente na operação Lava Jato, o índice de rejeição do atual presidente (Temer) tem sido crescente. Não é para menos. Mas, será que afastá-lo agora é a melhor alternativa? Particularmente, entendo que não. Qualquer tumulto neste momento não trás benefícios (pelo contrário), visto que estão surgindo os primeiros sinais de recuperação econômica, resta pouco mais de um ano para as eleições presidenciais e existem outras investigações “emperradas”. Nesta semana, por exemplo, o ex-presidente Lula (já condenado) fez discurso sobre a legitimidade do atual governo e índice de desemprego. Complicado!

Não é novidade que as reformas propostas castigam grande parte da população.
Infelizmente, elas são necessárias!

Normalmente, para evitar uma visibilidade negativa acentuada (característica populista), é comum fugir de medidas que exijam “sacrifício coletivo”. Trata-se de uma forma de ganhar alguns pontinhos com a população, mesmo que sejamos sacrificados no futuro. Sempre que possível, é preferível fingir que o problema não existe, esconder a sujeira debaixo do tapete e torcer para que apareça apenas na administração seguinte. Cedo ou tarde, perde-se o controle.

Para refrescar a memória:

A questão não está na disputa presidencial ou no debate em si, mas na conduta populista do partido e da ex-presidente Dilma. O meu objetivo, com o vídeo anterior, foi demonstrar o preço que pagamos por desprezar deficiências conhecidas, permitindo potencializar a evolução do problema. Medidas impopulares se tornam praticamente imperativas quando a evolução de uma crise (como a que passamos) entra em descontrole.

Apesar da trajetória clara de estagflação, a ex-presidente, além de negar o problema, conseguiu apresentar números “comprovando o contrário“. Assumir o problema representaria mais munição para os adversários na disputa presidencial. Pois é, mas a matemática é uma ciência exata e impiedosa. Se as despesas superam as receitas frequentemente, cedo ou tarde a fonte seca. A conta chega de um jeito ou de outro. Ironicamente, na semana seguinte, depois de reeleita, o governo anunciou a revisão da taxa Selic para controlar a inflação.

O governo do PT alegava que a inflação e o índice de desemprego estavam sob controle! Ops… 😉

Cenário político econômico

Você pode pensar: “Ahhh, mas todos os partidos ou governantes são iguais“.
Será mesmo?

O ex-presidente FHC, por defender privatizações e evitar a falência de inúmeros Bancos, costuma ser questionado frequentemente. Tentam fazer parecer que não governou para o “povo”. Mas, goste ou não, foi no governo dele que a economia entrou nos eixos. Tanto é verdade que seus sucessores (Lula e Dilma) puderam ampliar os programas sociais e cometer atrocidades financeiras por tantos anos seguidos. Como teriam feito tudo isto sem recurso disponível (sobrando)? E porque (ou como) os recursos se esvaíram? No próximo vídeo, é possível conferir algumas razões.

É fácil prometer a manutenção de benefícios sociais para garantir votos, porém a disponibilidade dos recursos financeiros – que financiam estes programas – não se sustenta na base de promessas“.

Gastou-se como se não houvesse amanhã… Confiram alguns números:

Dentre várias razões, tudo isto permitiu certo grau de previsibilidade da crise que estava por vir.

Alguns indicadores econômicos deram sinais de alerta ao apresentar o aumento dos índices de desemprego, inflação, dívida interna e retração do PIB. No entanto, além de não demonstrar propostas efetivas para combater o resultado negativo, a conduta do governo se manteve inalterada – gastando mais do que arrecadava e destinando o dinheiro do contribuinte inadequadamente. Ao negar os indicadores, o governo não se mostrou propenso em atacar o problema.

Levantar a bandeira anti-privatização pode até soar bonito inicialmente, mas vejam como pode ser incoerente…

Diante de uma sucessão de “erros”, depenaram a Petrobras sem dó. Em 2010, a dívida líquida da empresa estava em 60 bilhões e lucro líquido de R$ 35 bilhões. Bastou apenas 5 anos para a dívida pular para R$ 391 bilhões, com lucro líquido negativo em R$ 35 bilhões. Mesmo com dívida crescente, a empresa continuou patrocinando a produção de filmes e ainda sofreu controle de preços quando os preços do petróleo internacional dispararam – apenas com este controle, as perdas acumuladas atingiram o incrível patamar de 56,5 bilhões de dólares em outubro de 2014. Na iniciativa privada, quem em sã consciência faria isto? Ninguém, claro!

Em relação ao controle de preços, o mesmo aconteceu com a tarifa de energia:
https://oglobo.globo.com/opiniao/a-ilusao-do-controle-de-precos-16241142

Com os Correios não foi muito diferente também. Segundo o site Extra da Globo, “A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) fechou 2016, pelo segundo ano consecutivo, com prejuízo em torno de R$ 2 bilhões. Para remediar a mais grave crise de sua história, o Correios apostou, entre outras medidas, num Programa de Demissões Voluntárias (PDV)”. O quadro de pessoal, naquela data, chegou a 117 mil funcionários, e cálculos da empresa mostravam que até 14 mil se enquadram nos critérios exigidos pelo plano.

Como se não bastasse, o mais irônico é ver indivíduos da classe média contrários a privatização, mas não percebem que pagam dobrado por serviços essenciais. Basta ver que é considerado insano não contratar um plano de saúde particular (mesmo “contando” com o SUS), plano de previdência privada (apesar da contribuição obrigatória do INSS), seguro de carro (mesmo pagando o DPVAT) e ainda se sentem extremamente felizes em pagar pedágio para contar com estradas de qualidade. Nem Freud explica (risos)“.

Exemplos não faltam. E vejam que nem falei sobre os fundos de pensão! 😉

Resumindo, o impeachment da presidentA Dilma foi importante para o país. Apesar de tantas incertezas, a troca de governo representava a quebra de um ciclo extremamente danoso. O atual presidentO (risos) formou uma equipe econômica eficiente e tomou medidas duras (ainda que insuficientes) para combater a crise, propondo reformas importantes. Os “primeiros sinais” de recuperação estão surgindo neste semestre. A situação do país ainda é delicada, basta ver a escassez de recursos de alguns Estados como RJ e RS.

Sendo assim, acredito que o afastamento do presidente Temer causaria ainda mais tumulto, abalando na continuidade do trabalho executado até então e prejudicando no combate à crise. Não se engane, a situação do país ainda é delicada e está apenas sob controle. Isto não significa abandonar as investigações. Ninguém deseja isto. As responsabilidades devem ser apuradas e, se condenado, que seja enquadrado dentro dos critérios da lei.