Bitcoin: Debate entre Ricardo Schweitzer e Fernando Ulrich

O assunto vem chamando a atenção cada vez mais, e já compartilhei a minha opinião. Até acredito que o momento possa ser realmente oportuno para especular, mas prefiro não mudar meu foco de investimento e também não acredito no futuro das criptomoedas (na forma como conhecemos hoje).

Existe uma diferença gritante entre investir e apostar.

Quer arriscar?
A escolha é sua,  mas faça de forma consciente (entenda os dois lados da moeda… risos)!

Exemplo de superação…

Não costumo compartilhar conteúdo motivacional porque, muitas vezes, os exemplos são repetitivos ou baseados em especificidades extremamente abstratas (como a comparação com a águia… sinceramente, não tenho paciência – risos). Mas, histórias objetivas, “cotidianas”, com uma sequência lógica e real de conquistas, despertam a minha atenção. E foi o que aconteceu hoje!

Um amigo compartilhou, no facebook, um vídeo que trata a história de superação da primeira mulher indígena que se tornou Oficial do Exército Brasileiro, mostrando o poder de transformação que a educação pode oferecer (aliás, já escrevi sobre isto). Gostei do vídeo e resolvi compartilhar.

COE (Notas estruturadas): Vale a pena?

No início desta semana, clientes da corretora Rico foram informados sobre a disponibilidade de um COE (Certificados de Operações Estruturadas) indexado às ações de Facebook, Google e Apple. Trata-se de uma modalidade de investimento muito interessante (perfil moderado ou agressivo) e nova no Brasil. Portanto, resolvi compartilhar informações detalhando o que é e como funciona.

Para entender o que é um COE, recomendo assistir o vídeo da Cetip:

 Entendido o que é um COE, podemos analisar como funciona a operação e suas vantagens:

Eu pretendia compartilhar o vídeo com a proposta da Rico (no youtube), mas, verifiquei que a listagem do vídeo não está pública. Particularmente, acredito que seria mais vantajoso para a corretora torná-lo público. Porém, como não fizeram, comentarei apenas alguns detalhes gerais da oferta…

O COE oferecido pela Rico é emitido pelo Citibank, tem 2 anos de duração, requer aplicação mínima de R$ 5.000 e conta com quatro datas de observações, com rentabilidade fixa (muito boa) para cada observação. Ou seja, a operação pode ser encerrada, a cada semestre, caso o preço dos três ativos esteja acima do preço de strike (cotação no dia do fechamento do papel – data anterior ao início da operação e prazo de reserva). No pior cenário, o investidor resgata o valor aplicado.

É uma opção de investimento bastante interessante. Porém, não pretendo adquirir porque já montei um portfólio diversificado, visando longo prazo, com ativos de renda variável e renda fixa. A vantagem oferecida pelo COE é tentadora, mas, em relação ao portfólio que montei, perde um pouco o sentido.

No meu caso (como holder), a aplicação mínima de R$ 5.000, com prazo de 2 anos e possibilidade de resgatar o valor exato no final do período, torna o investimento pouco interessante.

Vou pensar com calma neste final de semana e segunda feira decido! 😉

A reforma da previdência é necessária?

O assunto é extremamente polêmico e, em função da complexidade e distorções colocadas por grupos específicos, é pouco compreendido também. Tem sido comum encontrar pensamentos movidos por ideologia ou aspectos emocionais. Mas, a matemática é uma ciência exata e comprova facilmente a criticidade do caminho em que a economia brasileira está tomando, bem como a necessidade real das reformas. Infelizmente, não é apenas uma questão de opinião.

O governo do atual presidente (Michel Temer) vem apresentando propostas de reformas extremamente impopulares, mas indiscutivelmente necessárias. E, fatalmente, isto vem resultando na queda de sua popularidade. A PEC 241 e a reforma da previdência, por exemplo, são temas de muita discussão e tem surgido distorções sobre o assunto. Pense bem… “ao invés de começar com medidas tão impopulares, não seria mais simples e cômodo para o presidente ignorar estas questões e deixar a bomba estourar na mão do próximo?”. Separei alguns vídeos e artigos técnicos que auxiliarão neste entendimento.

Se você ainda acredita que não existe déficit e que tudo isto é uma manobra para favorecer os mais ricos, é melhor rever seus conceitos. As classes menos favorecidas serão as mais afetadas e castigadas.

Para compreender melhor a dimensão do problema e como nos afeta, leiam os seguintes artigos (é muito sério):
http://mercadopopular.org/2016/10/a-pec-do-teto-dos-gastos-publicos-mitos-e-verdades/
http://mercadopopular.org/2016/08/a-previdencia-social-e-superavitaria-mito-ou-verdade/

O vídeo acima é longo, bastante esclarecedor e ajuda compreender melhor a urgência destas reformas. É injusto? De certa forma, sim. Porém, se nada for feito o resultado será muito pior. E, ao contrário do que alguns estão afirmando, para os ricos é indiferente, pois não dependem do INSS.

Não adianta fingir que o problema não existe:

A título de curiosidade, o Brasil é um dos seis países, junto com Nigéria, Argélia, Turquia, República da Eslováquia e Egito, que ainda permitem aposentadoria sem limite de idade, considerando somente com o tempo de contribuição ou serviço. Pelo visto, não são casos de sucesso para seguir.

Não cabe aqui discutir se é injusto ou não. Independente dos próximos acontecimentos, se você quer contar com uma aposentadoria tranquila, não dependa exclusivamente do INSS. A condição do INSS é preocupante e a recomendação dos principais economistas tem sido a construção da própria previdência, investindo em Títulos do Tesouro Nacional ou Mercado de Capitais (como FIIs ou ações, por exemplo).

Confiram o texto extraído do Instituto Mises Brasil:

João recebe R$ 1.000 por mês. Esse é o seu salário bruto.

Desse valor, João paga 8% para o INSS. Isso dá R$ 80.

Seu patrão paga 20% desse valor também para o INSS. Isso dá R$ 200.

Por mês, portanto, João e seu patrão repassam R$ 280 ao INSS.

De acordo com as futuras novas regras da Previdência, João terá de trabalhar por 49 anos para conseguir se aposentar com seu salário integral. Ou seja, João e seu patrão terão de pagar, mensalmente, R$ 280 ao INSS durante 49 anos para que, no ano de 2066, João se aposente e receba uma aposentaria mensal de… R$ 1.000.

(Para facilitar o exemplo, estamos considerando inflação zero pelos próximos 49 anos. Isso significa que, em 2066, R$ 1.000 terão o mesmo poder de compra que têm hoje. Essa forma de raciocinar tem a vantagem de pensarmos tudo em valores de hoje para qualquer época futura, o que mantém o raciocínio mais claro.)

Agora, qual seria a situação de João caso ele investisse esses R$ 280 em aplicações de alto rendimento corrigidas pela inflação?

Como mostra esse artigo, se João fizesse isso, daqui a 49 anos ele teria à sua disposição uma quantia cujo poder de compra equivale a nada menos que *R$ 1,038 milhão* em valores de hoje.

Mas agora vem o principal: esse R$ 1,038 milhão (em valores de hoje) que João terá daqui a 49 anos, caso continuem aplicados, renderão a ele nada menos que R$ 5.086 por mês (em valores de hoje).

Apenas compare e se espante:

No primeiro cenário, tudo o que restou a João é receber R$ 1.000 por mês (em valores de hoje). E só. Ele não tem mais nada. Toda a dinheirama que ele deu ao INSS (um total de R$ 178.360 durante 49 anos) se perdeu. Ele não tem acesso a ele. Tudo o que lhe restou, repetindo, é receber R$ 1.000 por mês.

Já no segundo cenário, João não apenas estará em posse de R$ 1,038 milhão (em valores de hoje), como ainda estará ganhando mais R$ 5.086 por mês (em valores de hoje) só com os juros incidentes sobre esse R$ 1,038 milhão!

Eis, portanto, as alternativas de João: patrimônio nenhum acumulado e apenas R$ 1 mil por mês para sobreviver; ou patrimônio de R$ 1,038 milhão acumulado mais uma renda mensal de R$ 5.086 por mês.

Isso, e apenas isso, já deveria bastar para acabar com qualquer debate sobre a Previdência.

Aliás, o exemplo do Instituto Mises Brasil foi bastante modesto. Há uma série de aplicações conservadoras que oferecem, ao longo de muitos anos, taxas de juros na ordem de 0,80% ao mês. Então, se investirmos R$ 280, por 49 anos, a uma taxa mensal de 0,75%, nosso patrimônio atingirá incríveis R$ 3 milhões. Isto representará uma renda mensal superior a R$ 20.000,00.

Alguns simuladores de juros compostos:
http://www.clubedospoupadores.com/simulador-de-juros-compostos
http://carteirarica.com.br/juros-compostos/

Perceberam a diferença? Bem diferente dos resultados oferecidos pelo INSS.