Resultado do mês de janeiro (2019)

E o ano começou predominando um clima de otimismo, com o índice IBov se aproximando dos 100 mil pontos. É claro que, para variar um pouco, o cenário político-econômico continua turbulento, com a mídia convencional tentando denegrir a imagem do atual Governo. Felizmente, a Internet tem sido uma grande aliada. De maneira geral, é possível observar inúmeros pontos positivos. Sem muitas delongas, vamos ao resultado.

Não sei se foi por muita falta do que fazer ou ausência de propostas, mas a oposição começou o ano criando uma enorme polêmica pela fala da Ministra Damares Alves de que “meninos vestem azul e meninas vestem rosa” – qualquer indivíduo com o “tico e teco” trabalhando em paralelo (risos) percebeu que se tratava de um questionamento quanto a “ideologia de gênero” nas escolas. Na mesma semana, apesar de pouco noticiado, a Ministra determinou a suspensão de um contrato de R$ 44 milhões da Funai para UFF para patrocínio de uma criptomoeda. De maneira geral, mesmo com tanta polêmica ao seu redor, ao conhecer um pouco mais sua história, começo a entender que a escolha de Damares Alves como Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos foi muito feliz.

Separem alguns minutinhos e conheçam um pouco mais a história da Ministra:

Por mais incrível que possa parecer, a oposição também tem questionado a aliança com Israel, mesmo com benefícios tão evidentes, como o acesso a tecnologias caríssimas, de grande interesse para a nação e até então distantes do brasileiro. Enquanto alguns discutem se o país tem ou não tecnologia para dessalinização, o povo nordestino fica sofrendo ano após ano (pimenta nos olhos dos outros é refresco). Não parece contraditório? A política brasileira é digna de vergonha – questionaram até a ajuda oferecida espontaneamente por Israel para busca dos corpos desaparecidos no desastre envolvendo o rompimento da barragem de Brumadinho. Oposição é importante, desde que lutem pelo bem geral, não por interesses pessoais e meramente ideológicos.

Quanto mais o tempo passa, mais me convenço de que regimes de esquerda, em qualquer parte do mundo, só defendem interesses próprios. Enquanto a Venezuela vive uma situação caótica e sem nenhuma solução em vista, governos de esquerda defendem a “soberania nacional” – de longe fica fácil defender, agora tente convencer a população de que tudo isto é uma ilusão ou culpa do americano… Escapamos por muito pouco!

O ano começou bastante violento no Estado do Ceará e rapidamente o Ministro Sérgio Moro solicitou o envio de tropas da Força Nacional na busca de reestabelecer a lei e a ordem. Infelizmente, a situação permanece delicada.

Como eu disse, no início, o cenário político-econômico continua agitado.

Felizmente, tanto a equipe formada (perfil técnico) como algumas decisões do atual governo tem passado maior confiança para o mercado e, consequentemente, reflete positivamente na economia.

Nas últimas semanas, conferimos o corte de inúmeros gastos indevidos, como o corte de R$ 30 milhões ao ano com assessoria de imprensa internacional. E, não sei se conseguirão, mas o Ministro Paulo Guedes defende que servidores com mau desempenho sejam demitidos. É possível perceber sinais de um esforço maior para tornar o Estado mais eficiente. O grande desafio será aprovar a reforma de previdência.

Em função destes acontecimentos, o otimismo aumenta, a taxa de juros se mantém estável (sem projeção de alta) e o mercado de capitais tem demonstrado maior confiança, com elevação de índice IBov e queda do dólar no Mercado Futuro.

É evidente que, diante deste cenário, alguns oportunistas afirmam que nada disto beneficia o mais pobre. No entanto, gostaria de saber de que forma os mais pobres seriam beneficiados com a economia em colapso? O grande problema do país é a ignorância de grande parte da população e a falta de caráter de alguns representantes. Pois é, li comentários de “cientistas políticos” (difícil acreditar) de que a flutuação do dólar não afeta a vida do brasileiro – ignorância ou mau-caratismo?

Talvez seja por isto que estamos atrás da Etiópia no ranking da Educação:

Onde está a pátria educadora?

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

O otimismo no mercado de criptomoedas não é mais o mesmo e, com isto, a cotação continua sendo castigada…

Ao contrário do que muitos querem acreditar, o grande interesse nas criptomoedas tem sido, basicamente, especulação. No início, quando poucos conheciam, o potencial de valorização era maior, conforme despertava o interesse entre os novatos (pela possibilidade de valorização). Entendo que a tecnologia é interessante, mas não acredito que o modelo defendido atualmente seja sustentável. O mercado de futebol, que também movimenta muito dinheiro, tentou surfar nesta onda, mas as moedas do Corinthians, Atlético Paranaense e do Ronaldinho Gaúcho simplesmente fracassaram.

Resumindo: quem busca incessantemente ganhos rápidos (fora do padrão de mercado), acabará encontrando, rapidamente, grandes prejuízos!

Em janeiro também foi anunciada uma aliança entre Volksvagen e Ford, envolvendo uma cooperação vai além do segmento de veículos comerciais (novas Ranger e Amarok vão dividir plataforma)

Segundo o site oglobo, outra operação que chamou atenção foi a compra da refinaria de Pasadena da Petrobras pela Chevron (Texas) – unidade com espaço para lidar com o fluxo de “shale oil” (petróleo de xisto) de suas operações no Oeste do estado americano.

Já os principais balanços estão previstos para o mês fevereiro.

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Tirando os gastos com pagamento de impostos (IPTU e IPVA), não fui surpreendido com “imprevistos” financeiros. Porém, novamente, foram os dividendos que salvaram o aporte mensal. Aliás, o mês foi excelente

Quanto aos investimentos…

Aproveitei o direito de subscrição para aumentar minha participação no fundo HBGS11 e pretendo fazer o mesmo com GGRC11. Continuo trabalhando em meu robô de trades no MT5 e, no momento, considero que as pequenas perdas refletem no custo de produção do robô – é um desafio pessoal, mas não estou convencido de que realmente compensará (vou pagar para ver – literalmente)

Recebi proventos de HYPE3, BBSE3, ITUB3, ITSA3, ODPV3, BRCR11 (0,332%), FCFL11 (0,570%), PQDP11 (0,495%), KNRI11 (0,506%), RNGO11 (0,567%), SAAG11 (0,676%), GGRC11 (0,791%), MXRF11 (0,586%), KNCR11 (0,481%), HGRE11 (0,495%), FLMA11 (0,483%), HGBS11 (0,639%) e FIGS11 (1,192%). Não há muita novidade em relação a performance da carteira. Os ativos continuam esticados e, com isto, a percepção do rendimento fica um pouco distorcida. O fundo FLMA11, por exemplo, vem oscilando próximo de R$ 3.00, desencorajando novos aportes (não me incomoda). O fundo BRCR11 continua gerando expectativa, mas, finalmente, soltou fato relevante referente a concretização da negociação dos imóveis. De maneira geral, o rendimento da carteira permanece excelente e, neste mês, contou com reforço substancial do pagamento de dividendos e JCP de HYPE3, BBSE3, ITUB3, ITSA3 e ODPV3 (o JCP pago por BBSE3 foi o mais expressivo).

Para quem está apreensivo com o FIGS11, principalmente após a renúncia do Administrador e Gestor do fundo, confiram o vídeo do canal Viva de Renda com Fundos Imobiliários:

Conforme comentei em resultados anteriores, a situação do fundo reduziu um pouco a minha tranquilidade e, por esta razão, diminui minha exposição pela metade.

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de BBSE3, EGIE3, HGBS11, FLMA11 e RNGO11. Os menores aportes foram para FLMA11 e HGBS11, já para os demais a distribuição foi bastante equilibrada (fiquei até surpreso ao apurar… risos). No caso do HBGS11, ainda exerci metade do direito de subscrição que recebi. Foi parcial porque também pretendo exercer o direito de subscrição de GGRC11.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

O resultado mensal superou minhas expectativas e o ganho de capital foi superior ao do mês anterior. Ainda assim, precisei lidar com um pequeno prejuízo gerado pelas operações de trade com o robô no MT5 – além de considerar um desafio pessoal, encaro que trata-se do custo do robô (espero não estar me iludindo). Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Desejo a todos um excelente final de semana!

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Resultado do mês de dezembro (2018)

Finalmente, o último resultado do ano (2018). Para quem opera no mercado de capitais, este foi um ano recheado de emoções e turbulências. Passamos por diferentes crises, greves, turbulências no cenário político-econômico e etc. Felizmente, tivemos a oportunidade de ver o brasileiro se inteirando e participando mais ativamente das questões políticas que influenciam no futuro do país. Particularmente, estou bastante satisfeito com o desfecho do mês e desejo a todos um 2019 ainda melhor. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Inúmeras decisões políticas sacudiram o país no decorrer do ano, não seria diferente no final de 2018. Apesar do governo negar, conferimos a votação à toque de caixa de inúmeras pautas bomba e decisões bastante polêmicas. Aliás, chegamos ao ponto de presenciar o Ministro do STF, Marco Aurélio, determinar a soltura de TODOS os presos em segunda instância – tudo indica que o foco principal seria a soltura do ex-presidente Lula, mesmo que resultasse na liberação de aproximadamente 170 mil presos. Presenciamos manobras políticas dignas de filme.

Assim como eu, acredito que boa parte dos brasileiros ficou satisfeita com o resultado da disputa eleitoral à presidência da república, com a vitória de Jair Bolsonaro. A renovação do governo fortalece a democracia.

No entanto, é preciso ser realista, inúmeros desafios estão por vir. Se por um lado entendemos que a reforma da previdência é fundamental e polêmica, por outro fica difícil compreender e aceitar os diferentes reajustes salariais do setor público votados neste fim de ano. Para se ter um ideia, estudos indicam que o salário do setor público cresceu o dobro do privado. Mesmo com os gastos acima do teto, o Judiciário recriou o auxílio moradia para juízes, após negociar aumento salarial. Pois é, se o deficit fiscal já estava preocupante, para o próximo ano será ainda maior.

No dia 26 de DEZ, por exemplo, segundo o portal do MBL, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou a reforma da previdência municipal, cujo relator foi o vereador Fernando Holiday, do MBL. O clima de tensão foi tanto, que o vereador sofreu um atentado.

Há pouco tempo, o país conseguiu sair de uma recessão técnica. Portanto, é importante ter consciência de que ainda existe um longo caminho a ser percorrido. O que tranquiliza e trás um otimismo maior é ver tantos nomes diferentes e de competência já reconhecida, como: Jair Bolsonaro (presidente), Hamilton Mourão (vice-presidente), Janaína Paschoal (deputada estadual), Sérgio Moro (ministro da justiça), Kim Kataguiri (deputado federal, merecidamente citado na Forbes – categoria Direito/Política), Arthur do Val (deputado estadual),  Joice Hasselmann (deputada federal) e Augusto Heleno (GSI – Gabinete de Segurança Institucional). A lista é extensa. Também teremos a oportunidade de conhecer o trabalho do partido Novo.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (retrospectiva do redator chefe da Modal):

O ano está encerrando com otimismo para algumas corretoras de valores. A XP Investimentos, por exemplo, recebeu autorização do Banco Central para se tornar Banco. Sinceramente, não sei o que esperar, pois o Banco Itaú tem 49,9% da XP. É uma excelente corretora, mas, para o pequeno investidor, os custos operacionais são “pouco” convidativos. Tenho operado pela Modalmais (cresceu bastante neste ano) e estou muito satisfeito com a relação custo/benefício e não pretendo mudar. Vale lembrar que a Modalmais é do Banco Modal e atualmente é possível vincular a conta da corretora a uma conta digital do Banco (não ativei a conta digital).

Infelizmente, os entusiastas do mercado de criptomoedas sofreram com a forte desvalorização dos principais ativos e também uma grande perda neste final de ano, com o falecimento, em acidente de carro, do fundador da corretora FoxBit.

O BTC vem oscilando entre R$ 14.000 e 17.000

O mercado de capitais impressionou bastante…

Apesar da forte volatilidade, em decorrência de tantas incertezas no cenário político-econômico interno, o índice Ibov encerrou acima de 80.000 pts, mantendo otimismo de curto prazo. Entretanto, o cenário internacional vem colocando em dúvida a tranquilidade dos ativos de maior risco. Prefiro não fazer suposições, o único remédio é a diversificação – faça o seu dever de casa e durma tranquilo.

Após muitos anos sem distribuir dividendos, os acionistas da Petrobras (meu caso) foram surpreendidos com a distribuição de dividendos e juros sobre capital próprio. E não pára por aí, a petroleira francesa Total anunciou a criação de uma joint-venture entre a Total Eren e a Petrobras para desenvolver conjuntamente projetos solares e eólicos no Brasil. Mais um elemento que torna minha posição como sócio mais tranquila. Sigo como sócio e bastante satisfeito.

Os principais balanços foram liberados no mês passado.

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Neste mês, quase um ano depois, recebi o segundo pagamento do Google Adsense (U$ 102,58). A remuneração está melhorando lentamente, mas ainda é fraca. Espero que, ao conquistar a monetização no Youtube, os resultados sejam mais expressivos. Na realidade, não me importo muito,  porém um rendimento maior reforça o nosso ânimo (risos).

Felizmente, não fui surpreendido por “imprevistos” (os gastos que tive estavam planejados) e ainda contei com excelentes dividendos.

Quanto aos investimentos…

Aproveitei o mês de novembro e dezembro para concentrar na codificação de um robô, no Metatrader 5, para automatizar os trades com mini contratos de dólar. Neste meio tempo não realizei operações de trade. Porém, nas últimas semanas, permiti que o robô realizasse pequenas operações. O objetivo é a busca de uma remuneração adicional para a carteira. O foco principal é a atuação como Holder!

Recebi proventos de ABEV3, BBAS3, ITUB3, CRFB3, PETR3, BRCR11 (0,347%), FCFL11 (0,589%), PQDP11 (0,521%), KNRI11 (0,487%), RNGO11 (0,565%), SAAG11 (0,691%), GGRC11 (0,838%), MXRF11 (0,589%), KNCR11 (0,498%), HGRE11 (0,514%), FLMA11 (0,630%), HGBS11 (0,610%) e FIGS11 (1,204%). A performance da carteira continua bastante estável. Novamente, parece que o rendimento foi ligeiramente menor, porém o rendimento é calculado de acordo com o preço de fechamento na respectiva data base – na maioria dos casos, houve valorização das cotas. Continuo satisfeito com o desempenho da carteira. O fundo BRCR11 ainda não desatou o nó (continua a expectativa), principalmente após prorrogar a proposta de compra do portfólio CENESP. De maneira geral, o rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ABEV3, BBAS3, ITUB3, CRFB3 e PETR3 (o JCP pago por ABEV3 foi o mais expressivo) – já conferi um belo rendimento provisionado para JAN 2019.

Para quem ainda não conhece o fundo GGRC11, convido assistir uma apresentação feita pela Suno:

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de ITUB3, EGIE3, FLMA11 e RNGO11. O maior aporte foi para EGIE3 e o menor para ITUB3. De maneira geral, o aporte foi equilibrado.

Decidi aproveitar a desvalorização de EGIE3 para abrir posição (já havia deixado em radar). E, após a bonificação de ITUB3, também reforcei um pouco mais a minha posição no Banco até inteirar em um múltiplo do lote padrão.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Para demonstrar mais detalhadamente a “evolução” da carteira (pela valorização), compartilharei o resultado do ganho por ativo (em relação ao preço médio):

 

Papel P. médio P. mercado % Setor
ABEV3 18,44 15,38 -16,63 Consumo não Cíclico
BBAS3 18,88 46,49 146,15 Financeiro e Outros
BBSE3 27,66 27,59 -0,27 Financeiro e Outros
BRCR11 99,81 103,41 3,59 Financeiro e Outros
CRFB3 15,66 18,09 15,47 Consumo não Cíclico
EZTC3 15,53 25,02 61,02 Construção/Transporte
FCFL11 1607,05 1988,00 23,70 Financeiro e Outros
FIGS11 74,79 70,04 -5,87 Financeiro e Outros
GGRC11 122,13 134,89 10,44 Financeiro e Outros
GRND3 6,93 8,2 18,20 Consumo Cíclico
HGRE11 137,34 149,35 8,74 Financeiro e Outros
HYPE3 33,92 30,2 -10,98 Consumo não Cíclico
ITSA3 8,59 13,3 54,81 Financeiro e Outros
ITUB3 19,02 30,05 57,93 Financeiro e Outros
KNCR11 110,81 105,98 -4,36 Financeiro e Outros
KNRI11 145,60 146,22 0,42 Financeiro e Outros
MXRF11 9,67 10,24 5,85 Financeiro e Outros
PETR3 9,35 25,04 171,37 Petróleo, Gás e Bioc
PQDP11 1335,89 3000,00 124,57 Financeiro e Outros
RNGO11 83,66 84,7 1,24 Financeiro e Outros
SAAG11 119,98 128,7 7,26 Financeiro e Outros
ODPV3 13,84 13,75 -0,68 Consumo não Cíclico
EGIE3 33,27 33,02 -0,78 Energia Elétrica
WEGE3 18,27 17,54 -4,0 Motores
HGBS11 197,05 238 20,78 Financeiro e Outros
FLMA11 2,40 2,74 13,75 Financeiro e Outros

Alterações da carteira:
INICIEI posições em: ODPV3, EGIE3, WEGE3, HGBS11 e FLMA11.

Em 2018, NÃO FECHEI posições, apenas reajustei a proporção de cotas entre os fundos FIGS11, PQDP11 e HGBS11. Cogitei a possibilidade de fechar FIGS11, porém ainda acredito no potencial do fundo no longo prazo.

Ajuste em carteira: PQDP11, FIGS11 e HGBS11

De acordo com o IRPFBolsa, a carteira de renda variável (incluindo os aportes mensais) apresentou um ganho de capital de aproximadamente  22,50%. Apesar de tantas turbulências, a performance foi excelente e superou minhas expectativas.

As ações da Hypera Pharma (HYPE3) foram castigadas quando a empresa foi citada na operação lava jato, mas gosto dos fundamentos e perfil da empresa. Já no caso de WEGE3 e EGIE3, abri posição recentemente por entender que além de se tratar de empresas lucrativas, atuam em um mercado muito promissor. Em breve, pretendo fazer novos aportes.

Apesar da desvalorização, lamento não poder comprar mais cotas do fundo KNCR11 – tenho uma pequena posição porque, na época, a corretora Rico permitiu a compra para qualquer investidor. Agora, pela Modalmais, não consigo fazer novos aportes neste fundo. Da forma como a carteira está evoluindo, espero me tornar investidor qualificado o quanto antes.

Para saber um pouco mais sobre o robô no MT5, leiam o artigo:

Meu primeiro Robô no Metatrader5

Continuo extremamente SATISFEITO com o resultado. Vale ressaltar que é preciso ter consciência que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de uma tendência de alta, os papeis não se movimentam em linha reta.

Sejam pacientes e invistam em si mesmos (fisicamente, profissionalmente e economicamente), o crescimento será uma consequência! 😉

Desejo a todos um FELIZ 2019!

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Resultado do mês de novembro (2018)

Mais um mês se encerra e o ano está chegando ao fim. Felizmente, após as eleições, o clima de otimismo prevalece. Até o momento, o futuro presidente (Jair Bolsonaro) tem demonstrado uma posição sensata e vem formando uma equipe de profissionais com habilidades técnicas já conhecidas. Durante o mês quase não me manifestei porque estou de férias e tenho trabalhado no robô de trade para operações com mini contratos de dólar (terminando o indicador). De maneira geral, tirando a perda de um grande amigo, o mês tem sido tranquilo e não precisei lidar com grandes imprevistos. Sem mais delongas, vamos aos resultados.

O cenário político vem contribuindo para clima de otimismo e euforia no mercado de capitais. Logo, tive o privilégio de conferir uma valorização bastante expressiva de minha carteira de renda variável. O futuro presidente começou bem, apresentando uma excelente equipe (20 ministros até o momento) – aliás, quem imaginou que a nomeação do juiz Sérgio Moro como Ministro da Justiça enfraqueceria a operação Lava Jato, provavelmente ficou surpreso com a atuação da juíza Gabriela Hardt. Diferente do governo anterior, já estamos tratando de acordos realmente produtivos com países como Israel (tecnologia) e Chile (livre comércio).

Para o mercado, vale mais a dúvida de uma nova administração do que a certeza de um governo conhecidamente ineficiente e corrupto!

Infelizmente, nem tudo são flores. Recentemente, o governo cubano resolveu abandonar o programa Mais Médicos após o pronunciamento do futuro presidente quanto a revalidação dos médicos cubanos, o pagamento de salário integral e liberdade para trazer os familiares para o país. É evidente que um regime ditatorial e antidemocrático jamais concordaria com estes termos. Por mais que as condições do programa sejam questionáveis, o país foi prejudicado com este rompimento tão repentino e inesperado (já demonstra a fragilidade deste tipo de dependência).

Se você ainda acredita que Cuba é um paraíso, sugiro acessar o link:

A realidade de Cuba em 2018

Alguns acontecimentos negativos chamaram a atenção. Em um momento tão delicado para país, onde sequer foi possível oferecer um reajuste digno para o salário mínimo, o STF decide reajustar seu salário, apesar do efeito em cascata. No mesmo mês o senado aprovou o Rota 2030 e impôs um novo revés ao próximo governo. Ou seja, aumenta o gasto e diminui a arrecadação. Logo em seguida, de acordo com o Estadão, o senado também cortou pela metade uma das fontes de financiamento do Fundo Social do Pré-Sal (os recursos cortados eram destinados a saúde e educação). Se manter as contas sob controle parecia um grande desafio, agora piorou. Estranho, não?

Na última semana, o atual presidente (Temer) sancionou o aumento do STF, ampliando ainda mais o rombo nos cofres públicos – pelo que acompanhei, o MBL entrou com duas ações para barrar o aumento do STF, sendo a última baseada em uma limitação imposta pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo:

O mês encerrou castigando os entusiastas de investimentos em criptomoedas. O bitcoin, por exemplo, serve como referência para as demais criptomoedas e está variando entre R$ 15.000 e R$ 17.000 – bem distante dos R$ 70.000 atingidos no ano passado. Como o meu perfil predominante é de Holder (e por diferentes razões – já apresentadas), prefiro não me expor à este mercado.

Em relação aos ativos de minha carteira, fiquei bastante satisfeito com os balanços apresentados (terceiro trimestre de 2018) pelo Banco do Brasil (lucro de R$ 3,4 bilhões), Itaú (lucro de 6,4 bilhões) e Petrobras (lucro de R$ 6,64 bilhões). Não é à toa que já provisionaram excelentes dividendos (ou JCP) para os próximos meses. Já a Ambev, que vem sendo injustamente castigada pelo mercado, apresentou um lucro líquido de R$ 2.9 bilhões (10,2% inferior, se comparado com 3T17). Neste ano, abri uma pequena posição no Grupo Carrefour (CRFB3) e o lucro líquido apresentado foi de R$ 391 milhões (67,6% superior, comparado com 3T17) – confesso que fiquei um pouco surpreso.

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Aproveitando que estamos tratando da situação de algumas empresas, o momento não está fácil para a editora Abril (pode fazer com que jornalistas paguem indenizações) e da Saraiva, ambas entraram em recuperação judicial.

Felizmente, não precisei lidar com “imprevistos”. Aproveitei o período de férias para resolver algumas pendências, como consulta no oftalmo para trocar o óculos (a situação estava ficando complicada – risos) e despesas com o carro. Após avaliar as pendências e prioridades, resolvi não viajar.

Quanto aos investimentos…

As ações do Banco Itaú (ITUB) foram desdobradas na proporção de 50%. Aliás, caso você esteja trabalhando com alguma calculadora de IR (como o IRPFBolsa), basta lançar o desdobramento como: *para cada 1 ação, desdobrar em 1,5*. Novamente, não realizei operações de trade – estou trabalhando em um indicador que ajustará as cores das barras (candlestick) de acordo com o tipo de operação (long ou short) – na próxima semana farei a programação do robô (EA – Expert Advisor).

Recebi proventos de BBAS3, ITUB3, GRND3, BRCR11 (0,350%), FCFL11 (0,583%), PQDP11 (0,509%), KNRI11 (0,534%), RNGO11 (0,588%), SAAG11 (0,729%), GGRC11 (0,841%), MXRF11 (0,593%), KNCR11 (0,594%), HGRE11 (0,549%), FLMA11 (0,544%), HGBS11 (0,539%) e FIGS11 (1,205%). Em um primeiro momento, a performance da carteira parece ter reduzido, no entanto não podemos esquecer que o rendimento é proporcional ao preço da cota. Logo, ao avaliar o preço médio em relação a valorização dos principais ativos, percebe-se que o resultado se mantém estável e positivo. O rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3, ITUB3 e GRND3 (o JCP pago por BBAS3 foi o mais expressivo).

Para quem ainda não conhece o fundo FLMA11, convido assistir uma apresentação feita pela Suno:

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de CRFB3, WEGE3, FLMA11, KNRI11, HGRE11 e RNGO11. O maior aporte foi para WEGE3 e o menor para FLMA11. Para os demais, o aporte foi equilibrado.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Finalmente, o IRPFBolsa ajustou o esquema de cores na exibição da carteira em formato pizza (ficou bem melhor). O clima de otimismo e euforia está prevalecendo e espero que o ano encerre com o índice Ibov acima dos 90 mil pontos. E, caso a equipe econômica do futuro presidente realmente confirme um perfil mais liberal, a expectativa de ganhos na renda variável tende aumentar (com entrada de capital estrangeiro ainda maior). Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Um ótimo final de semana a todos! 😉

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Petrobras com novo presidente

Segundo a ADVFN: “O economista Roberto Castello Branco aceitou o convite para presidir a Petrobras no futuro governo de Jair Bolsonaro. A informação, antecipada pelo jornal O Estado de S. Paulo, foi confirmada na manhã desta segunda-feira, 19, pela assessoria do futuro ministro da Economia (Paulo Guedes), por meio de nota distribuída à imprensa”.

Também foi dito que o próximo governo pretende manter o atual presidente, Ivan Monteiro, na gestão da Estatal. Assim espero, pois seu trabalho tem se mostrado bastante eficiente.

O jeito é aguardar!
Sigo como sócio!

Resultado do mês de agosto (2018)

Termina mais um mês recheado de “emoções”. Até mesmo o último dia (31/08) foi marcado com a expectativa do julgamento do registro da candidatura de Lula. O mês fez jus à sua fama de “cachorro louco” (risos). Inúmeros fatores internos geraram bastante insegurança e incertezas no cenário político-econômico do país, ampliando ainda mais o momento turbulento. Tentarei resumir da melhor forma possível. Desta vez, precisei lidar com pequenos imprevistos financeiros (pouco impactantes). Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Começarei pelo julgamento do registro da candidatura de Lula. Chega ser irônico, principalmente por ocorrer no mesmo dia em que Lula foi condenado a pagar R$ 31 milhões no caso Triplex. A atuação da ONU, em sua defesa, também é questionável, visto que ele já foi condenado em todas as instancias – “nem Freud explica tanto empenho em defesa“. Aliás, no meu entendimento, o fato de ser ex-presidente não diminui sua responsabilidade, pelo contrário, aumenta. Por sorte, a votação encerrou impossibilitando o registro da candidatura.

A falta de seriedade e irresponsabilidade do Governo tem sido espantosa. Mesmo com o rombo nos cofres públicos e deficit crescente, o presidente Temer sinalizou que aprovaria o aumento salarial dos servidores da União. Felizmente, no último dia do mês, o presidente voltou atrás e adiou para 2020. Algo semelhante ocorreu no Rio de Janeiro quando a Assembleia Legislativa derrubou o veto do governador para aumento de salário dos servidores do Judiciário (mesmo depois do Governo recorrer à esfera federal para manter os salários em dia) – pois é, mas o STF também suspendeu esta decisão no dia 31/08. Conforme exposto inúmeras vezes, o Estado cobra sacrifícios da população, porém não demonstra a mesma disposição (assim fica difícil convencer).

Aproveitando o assunto Rio de Janeiro, o confronto extremamente violento entre traficantes e forças armadas, na capital, também chamou atenção, resultando na morte de três militares e inúmeros feridos. Mais uma questão de difícil solução, restando a dúvida se a cidade já não está vivenciando uma Guerra Civil.

A situação do país é delicada e, no curto prazo, continua imprevisível. Manter o otimismo tem sido uma tarefa desafiadora. O índice de desemprego, apesar da queda (em 12,3%), continua alto e a imigração dos Venezuelanos fragiliza ainda mais a situação – ressaltando que também dependerão de assistência básica que já é escassa para os próprios brasileiros. Segundo o General de Brigada Gustavo Henrique Dutra, o fluxo de imigrantes coloca Boa Vista em risco de colapso até março de 2019, defendendo manter a fronteira aberta para efeito de controle e mantendo a distribuição do fluxo entre diferentes Estados. Não é uma questão fácil e, infelizmente, Brasília vem se omitindo em relação ao problema.

Os indicadores econômicos continuam demonstrando um resultado bastante medíocre e preocupante. O PIB do Brasil, por exemplo, cresceu apenas 0,2% no segundo trimestre (retomando aos patamares de 2011). Diante do resultado fraco, os principais analistas estimam que economia volte ao patamar anterior da recessão a partir de 2022 apenas. Logo, independente do resultado das eleições, não crie muita expectativa para 2019.

Conforme exposto inúmeras vezes, apesar da minha opinião desagradar alguns, a greve dos caminhoneiros refletiu negativamente em diferentes setores da economia, elevando a inflação do período e prejudicando o crescimento econômico do país. A Coca-Cola, que perdeu benefícios depois da paralisação, ameaçou deixar o país caso não recupere os subsídios na Zona Franca. Há quem não se importe e ainda comemora, porém é impossível que o país cresça se a economia continuar encolhendo cada vez mais – nada é tão ruim que não possa piorar!

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo:

O mercado de renda variável continua bastante volátil, encerrando com forte entrada de capital estrangeiro, tendo em vista o ganho de capital pela desvalorização do real frente ao dólar (ganha-se de um lado, perde-se do outro). Não há novidade em relação ao balanço dos ativos que mantenho em carteira, mas deixarei o link para consulta do calendário de meses anteriores ou seguintes.

Para acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

O mercado de criptomoedas, para variar, continua bastante volátil e sua obscuridade vem chamando cada vez mais a atenção das autoridades brasileiras. Segundo o portal Portaldobitcoin, o Governo Brasileiro, no combate à corrupção e lavagem de dinheiro, através da Procuradoria da Fazenda Nacional, vem intimando as principais Exchanges Brasileiras para revelar seus dados operacionais.

Precisei lidar com pequenos imprevistos, felizmente sem grandes impactos. Resolvi fazer um ajuste em carteira no mês passado, diminuindo minha exposição (sem fechar) em PQDP11 e FIGS11. Nos Fundos Imobiliários, os rendimentos são isentos de IR, mas a negociação das cotas não. Enganei-me na estimativa que fiz do imposto devido, e o Governo “mordeu” um pouco mais que imaginei. Para completar minha “felicidade”, recebi duas multas de transito (falta leve e antes do reajuste) de uma viagem que fiz há mais de um ano. Ainda assim, o resultado do mês foi excelente.

Quanto aos investimentos…

Mais uma vez, realizei pequenos ajustes na carteira. Minha posição em ITSA4 aconteceu após a bonificação de ações de Itaúsa, porém minha concentração de ações desta empresa é em ITSA3 (ordinárias). Por entender que existe um mercado muito promissor para WEG SA, resolvi fechar a pequena posição em ITSA4, abrindo uma nova em WEGE3 (onde pretendo manter aportes recorrentes). Também iniciei posição no fundo imobiliário FLMA11 (trata-se de um fundo sólido, muito bem localizado e com preço bastante acessível)

Recebi proventos de BBSE3, BBAS3, GRND3, ITUB3ITSA3, CRFB3, EZTC3, PETR3, BRCR11 (0,437%), FCFL11 (0,607%), PQDP11 (0,486%), KNRI11 (0,554%), RNGO11 (0,571%), SAAG11 (0,735%), GGRC11 (0,720%), MXRF11 (0,794%), KNCR11 (0,641%), HGRE11 (0,657%), FLMA11 (0,560%), HGBS11 (0,578%) e FIGS11 (1,189%). O desempenho dos FIIs vem apresentando quedas consecutivas, principalmente no valor de suas cotas – vale lembrar que, até pouco tempo, o mercado estava eufórico e inúmeras mídias recomendavam (e ainda recomendam) o investimento. Porém, o clima de incertezas e insegurança tende a reforçar uma forte volatilidade, que foi acentuada ainda mais com o estresse causado pela suspensão do fundo MFII11 (até hoje indisponível para negociação). O momento atual está sendo movido mais por emoção do que razão. Então, mantenha cautela. Analisando no curto e médio prazo, não há mudanças significativas nos fundamentos dos principais fundos imobiliários. Por esta razão, não vejo motivo para tanta agitação. O rendimento da carteira permanece excelente, e foi reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de BBSE3, BBAS3, GRND3, ITUB3, ITSA3, CRFB3, EZTC3 e PETR3 (desta vez foram caprichados, total superior a R$ 1000,00).

Com o rendimento da própria carteira (mais expressivo neste mês), somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de CRFB3, ITSA3, ITUB3, WEGE3, EZTC3, BBSE3, HGRE11, RNGO11, FLMA11 e MXRF11. Os maiores aportes foram para WEGE3 e CRFB3. Os demais aportes foram equilibrados, com menor volume financeiro para HGRE11 e FLMA11.

É evidente que precisei separar uma quantia em dinheiro para pagar DARF da operação envolvendo o fundo PQDP11 – pelo custo envolvido, é claro foi uma decisão um pouco difícil (compensou).

Visando explorar a volatilidade do dólar, aproveitei para estudar operações com minicontratos. Conheço os riscos envolvidos e, apesar da pouca experiência com day trade, resolvi fazer um pequeno experimento. Na primeira operação, obtive lucro de R$ 30,00, com apenas R$ 67 em conta. A estratégia parecia muito boa e simples. Infelizmente, inúmeros fatores, além dos técnicos, levaram-me falhar em operações seguintes com prejuízo de aproximadamente R$ 200.00. Depois disto, resolvi interromper as operações e revisar toda a estratégia. Farei o experimento até o final deste ano, compartilhando a evolução. Estabeleci um teto máximo de prejuízo e prazo limitado até o final do ano para apresentar resultado positivo.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

É evidente que, em função de tantas incertezas e insegurança no cenário político-econômico, o ano continua prometendo fortes turbulências. O dólar vem quebrando recordes nas últimas semanas, e pouco tem sido a eficiência do Banco Central para controlar o avanço – analistas afirmam que o efeito é similar a “enxugar gelo”. Portanto, mantenha cautela. Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.