SOMOSTODOSCAMINHONEIROS… De que lado você está?

Não restam dúvidas de que o assunto mais discutido durante a semana foi a greve dos caminhoneiros. O motivo para tanta revolta é legítimo, mas será que a população entende realmente o que está em jogo e por quais interesses estão realmente lutando? Tenho algumas dúvidas.

Antes de mais nada, gostaria de lembrar que, financeiramente falando, o Governo somos nós. Por mais que o movimento seja legítimo é preciso tomar cuidado para não cair em autossabotagem.

Então, quando falamos que o Governo que se vire para pagar algo – estamos falando de nós mesmos. O Governo JAMAIS perde. Não cabe aqui discutir se é justo ou não. O que podemos fazer é escolher melhor nossos representantes e cobrar mais eficiência nos serviços prestados e promessas de campanha. Felizmente, o trabalho da Polícia Federal também tem sido de grande valor. Existe uma luz no fim do túnel.

É uma questão complexa. No ambiente privado (por exemplo), as empresas visam lucro, até porque dele depende também sua sobrevivência. Isto não acontece e nunca acontecerá com estatais. Quando uma estatal vai mal, “não tem problema” – nós pagaremos a conta de um jeito ou de outro. De que forma uma estatal conseguiria sobreviver à uma dívida de R$ 500B? Parece inacreditável, mas estou falando da Petrobras. Por isto a ideia de privatizar algumas empresas não é algo tão ruim como muitos imaginam (até por questões de concorrência).

Em 2010, por exemplo, a dívida líquida da Petrobras estava em 60 bilhões e lucro líquido de R$ 35 bilhões. Bastou apenas 5 anos para a dívida pular para R$ 391 bilhões, com lucro líquido negativo em R$ 35 bilhões. Mesmo com dívida crescente, a empresa continuou patrocinando a produção de filmes e ainda sofreu controle de preços quando os preços do petróleo internacional dispararam – apenas com este controle, as perdas acumuladas atingiram o incrível patamar de 56,5 bilhões de dólares em outubro de 2014.

Todos nós estamos cansados de pagar pela falha de governos corruptos e ineficientes. No entanto, não podemos fugir da realidade. Assim como no exemplo das estatais, se tentarmos sabotar financeiramente o Governo, não sairemos vitoriosos – ele simplesmente repassará a conta. Vale lembrar que nem sempre quando o Governo cede é para o nosso bem – na maioria das vezes é para ganhar apoio popular e votos no futuro. A população, por exemplo, gostou e apoiou quando a Dilma optou pelo controle de preços dos combustíveis, mas pagamos por isto até hoje.

Quanto ao combustível, sugiro que assistam o vídeo:

Esqueçam as crenças ideológicas ou políticas, atenham-se aos fatos.

Por outro lado, é possível encontrar questionamentos referentes a capacidade de produção das refinarias nacionais, alegando que o país é “forçado a importar”. Para quem tem interesse no assunto, sugiro a leitura do seguinte artigo:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/06/1893968-importacao-de-combustivel-afeta-refinarias.shtml

É muito fácil escrever ou falar o que uma grande massa quer ouvir. Dizem por aí que nem tudo que reluz é ouro (risos).

Para obter melhores resultados no blog, seria mais eficiente e vantajoso escrever sobre criptomoedas e opções de investimentos muito mais arriscadas. Poderia compartilhar vídeos e estratégias que não sigo e nem acredito, mas sei que desperta grande interesse em função da frequente ganância por lucro rápido. Mesmo sabendo que a maioria perde, poderia selecionar facilmente apenas os casos de sucesso.

Cuidado quando a sua decisão é baseada em algo que você deseja ouvir.

Se comparado com o vídeo anterior, tenho certeza que o próximo agrada muito mais (óbvio):

Se identificou, não é mesmo? Retrata o que estamos passando e reforça a razão para tanta revolta. Ele não está mentindo. Também não estou afirmando que não exista motivo, mas quero mostrar como é possível direcionar os argumentos conforme o “interesse”.

Sem sombra de dúvidas, o discurso anterior é mais envolvente e agradável (vai ao encontro do pensamento da grande massa). Tente identificar se existe outra razão por trás. Não é fácil identificar, porém existe sim. Tudo isto faz parte do negócio dele nos Estados Unidos.

E, segundo alguns depoimentos, não sei se ele tem moral para tais questionamentos:

No Youtube há uma infinidade de depoimentos similares!

Voltando ao tema…
Ainda há rumores de que existem empresas do setor com interesse no movimento (locaute):
https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/05/25/O-que-%C3%A9-locaute.-E-o-que-caminhoneiros-e-empres%C3%A1rios-dizem-sobre-isso

Não acredito que a greve gere o impacto “esperado”, e temo que possa ampliar o tamanho do problema – gerando prejuízos ainda maiores. Adivinhem quem vai pagar novamente? Vai uma dica: é quem SEMPRE paga.

Também não se pode observar cada elemento isoladamente. É preciso enxergar a nação como um todo. Sem os caminhões não há transporte. Verdade. Mas, sem produção não há o que transportar.

Vi diferentes comentários, e muitos eram hipócritas. Existe razão – de sobra – para o descontentamento com o governo, porém algumas pessoas estão apenas defendendo seus próprios interesses ou por um falso “sentimento de patriotismo e união”. Digo isto porque pacientes estão sendo prejudicados no tratamento de hemodiálise (com risco de vida), medicamentos estão em falta e até a segurança pública está mais vulnerável (afetando as rondas). Estamos aceitando até desperdício de alimentos. É óbvio que quem depende destes serviços não está satisfeito. Logo, para quem não depende ou não está sendo lesado, é fácil dizer: “dane-se, não me afeta!”. Basta a água bater na bunda, que o argumento mudará.

Ainda não concorda?

Só há uma forma de ignorar isto… desde que não atinja alguém de sua família.

É possível que demore alguns anos para que possamos descobrir de que lado realmente estamos e o preço desta escolha. Não estou contente com o que está acontecendo, apenas tenho receio de consequências ainda piores.

Existem vários fatores que, muitas vezes desconhecidos, influenciam na condição atual:

Lembrem-se: para qualquer governo é muito mais vantajoso e conveniente adotar medidas populistas para ganhar votos e apoio popular, empurrando o problema para o próximo – até que se torne insustentável, se manifestando como outra grande crise. Precisamos exigir serviços de melhor qualidade, com impostos “compatíveis e justos” (fácil na teoria). Quanto a isto, todos concordam. Infelizmente, quando “conseguimos” penalizar (ou sabotar) o Governo financeiramente, estamos nos autossabotando – no final, como sempre, a conta será nossa!

Confiram uma análise interessante em relação ao impacto sobre as ações da Petrobras:

Apesar de um longo dia de trabalho, dedico algumas horas para pesquisar, selecionar e produzir conteúdo que possa acrescentar de alguma forma. Não sou dono da verdade, apenas compartilho informações. Cada um que tire suas próprias conclusões. Só estou compartilhando fatos que estão acontecendo. Quem quiser ignorar que ignore.

Boa sorte a todos (vamos precisar).

Resultado do mês de novembro (2017)

Desta vez, atrasei um pouco na publicação do resultado porque “precisei” viajar no último final de semana do mês. Em linhas gerais, não há grandes novidades no cenário político-econômico brasileiro. A economia permanece estável, mas o número elevado de incertezas continua gerando turbulências no mercado. Neste mês, fiz pequenos ajustes em minha carteira de investimentos e aproveitei as férias para reforçar algumas posições e também investir em minha saúde. Portanto, vamos aos resultados.

Inúmeras reformas estão em pauta, mas estão cercadas de incertezas e muita pressão. Até agora o Governo conseguiu, sob protestos, aprovar a reforma trabalhista, que já sofreu novas alterações. A Caixa também anunciou a liberação do FGTS e Previdência adaptados as novas regras. Particularmente, considero a proposta interessante, porém, ao contrário do que muitos acreditam, considero pouco impactante. O Governo vem se articulando para tentar apoio para aprovar a reforma da Previdência e Ministerial – acredito que a reforma da Previdência seja a mais importante, impactante e também a mais difícil. Toda esta incerteza tem causado certo estresse no mercado (sem confirmar a expectativa), fazendo com que o índice IBovespa apresente um resultado negativo nos últimos dias.

Algumas pesquisas de intenção de voto, para as eleições de 2018, estão apontando a liderança do ex-presidente Lula. Estranhamente, inúmeras manifestações, compartilhadas na Internet, demonstram o contrário. Aliás, a situação do Lula não é das melhores – há poucas semanas, por exemplo, o MP pediu o bloqueio de R$ 24 milhões dele e de seu filho. Aproveitando o assunto, recentemente, o Luciano Huck anunciou sua desistência. Particularmente, acredito que seria uma disputa interessante. Mas, para nossa surpresa, o nome que surgiu foi do Dr Rey. Vamos aguardar. Provavelmente, veremos turbulências ainda mais fortes no próximo ano. Apertem os cintos, pois 2018 promete (risos).

Felizmente, apesar de tantas turbulências, os indicadores econômicos continuam melhorando, apresentando redução da Inflação para 4,03%, crescimento do PIB em 2,51% e aumento na produção industrial em 2,96%. Com isto, naturalmente a taxa Selic cai e investimentos de Renda Fixa apresentam uma performance “menos atrativa”. Por outro lado, cresce o interesse por investimentos em Fundos Imobiliários ou renda variável em geral.

Novamente, inúmeros acontecimentos sacudiram o país e o mundo, principalmente nesta última semana:

Para “variar um pouco”, o movimento de euforia do Bitcoin (BTC) continua chamando a atenção e, durante a semana, a cotação ultrapassou U$ 10.000. É preciso ter cautela, pois a volatilidade permanece extremamente elevada – nos últimos dias conferimos flutuações de aproximadamente R$ 10.000. Não aposte uma parte muito significativa de seu patrimônio. Já compartilhei minha visão sobre o assunto: “acredito no futuro do Blockchain, porém vejo muitas limitações para o futuro do BTC“. Na forma como a “moeda” é apresentada hoje, não me interessa.

Por sorte (e com a ajuda das férias – risos), não precisei lidar com imprevistos, reforcei algumas posições e aproveitei as promoções da Black Friday para presentear minha mãe e comprar alguns itens essenciais para mim (algo que já vinha me planejando antecipadamente).

Quanto aos investimentos…

Houve pequenas alterações na carteira. Repensei minha posição no ETF IVVB11 e decidi encerrar. Apesar do resultado positivo, no meu entendimento, para formação de patrimônio, existem opções mais interessantes e também não pretendo reforçar posições em ETFs (logo, perdeu o sentido). Preferi reforçar algumas posições e optei por uma nova (pequena) em CARREFOUR BR (CRFB3). Por fim, fiz um novo position trade em opções de compra (com vencimento em janeiro) da Petrobras, mas não detalharei neste momento.

Recebi proventos de ITUB3, BBAS3, GRND3, BRCR11 (0,416%), FCFL11 (0,511%), PQDP11 (0,389%), KNRI11 (0,543%), RNGO11 (0,560%), SAAG11 (0,605%), GGRC11 (0,680%), MXRF11 (0,624%), KNCR11 (0,660%), HGRE11 (0,592%) e FIGS11 (0,926%). O desempenho dos FIIs permanece estável. A princípio, o “pior” resultado continua sendo do fundo PQDP11, mas isto se deve a expressiva valorização de suas cotas. O fundo GGRC11 distribuiu, aos cotistas (na proporção de 127%), o direito/preferência de subscrição. O rendimento mensal da carteira continua muito bom, reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ITUB3, BBAS3 e GRND3 (em torno de R$ 295).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações ou cotas de ITUB3, ITSA3, HYPE3, GRND3, EZTC3, CRFB3, BRCR11, HGRE11, MXRF11 e GGRC11. O aporte mais expressivo foi para o fundo GGRC11 e o menor para EZTC3. Nos demais, a distribuição foi equilibrada. Como entrei em férias, “não fiz nenhuma viagem programada” (apenas visitamos os pais de minha namorada) e encerrei a posição no fundo Multimercado, a capacidade de aporte foi expressivamente maior. Aproveitei para reforçar diferentes posições.

Encerrei a posição no fundo Macro Multimercado LP porque, conforme minha suspeita anterior, as regras mudaram realmente, limitando o aporte seguinte em R$ 1.000.000,00). Sinceramente, fiquei um tanto desapontado com a atitude do Banco Bradesco, pois o Banco mudou as regras no meio do caminho – não me parece muito correto, pois eu já estava posicionado (sob regras diferentes). Redistribuí o valor do resgate entre os FIIs.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado“.

Diante do que foi exposto, não é de espantar que o índice Ibovespa continue volátil. Ainda assim, a composição da carteira tem oferecido resultados espetaculares. Felizmente, apesar de tantas turbulências e impopularidade do atual governo, continua prevalecendo uma expectativa positiva para recuperação e crescimento econômico. Vale ressaltar que é importante ter consciência que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo).

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Petrobras anuncia oferta secundária da BR Distribuidora

Finalmente, é uma excelente notícia.

Segundo a ADVFN, “A Petrobras protocolou junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) documentos relacionados à oferta pública de distribuição secundária de ações ordinárias da BR Distribuidora, sua subsidiária de distribuição de combustíveis, de acordo com comunicado da companhia nesta quarta-feira. A empresa espera levantar R$ 4,96 bilhões com o IPO da sua subsidiaria BR Distribuidora sugerindo um preço-alvo para o IPO na faixa de R$ 15 a R$ 19. O preço será fixado após o procedimento de bookbuilding, não sendo admitido distribuição parcial”.

Para maiores informações, confiram o seguinte link:
https://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/petrobras-protocola-documentos-para-oferta-de-acoes-da-br-distribuidora.ghtml

Oferta de ações: Petrobras protocola pedidos na CVM

Segundo a ADVFN, “A Petrobras protocolou os pedidos de registro de companhia aberta e o registro de distribuição pública secundária de ações da BR Distribuidora. Segundo a Petrobras, ainda será preciso definir o preço e percentual das ações a serem ofertadas, que deverá ficar entre 25% e 40% da participação acionária detida pela companhia na BR. A oferta também está sujeita ao registro na CVM e na B3, que deverá aprovar o pedido de listagem ao Novo Mercado.

Leiam, na íntegra, a matéria:
https://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/petrobras-pede-registro-de-companhia-aberta-para-br-distribuidora.ghtml

Petrobras venderá até 40% da empresa dos postos de gasolina

Segundo a ADVFN, “A Petrobras definiu ontem que irá vender entre 25% e 40% da Petrobras Distribuidora, a BR, empresa dos postos de gasolina da companhia, em oferta pública a ser realizada no Brasil. A Petrobras vai protocolar o registro de oferta pública e de companhia aberta da BR na CVM e o pedido de adesão ao Novo Mercado da B3“.

Leiam, na íntegra,, a matéria:
https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/09/1922618-conselho-da-petrobras-aprova-venda-de-ate-40-das-acoes-da-br-distribuidora.shtml

Vejo como uma oportunidade interessante para a Petrobras.
Sigo como sócio! 😉