Como tornar o país mais justo?

Hoje cedo, ao navegar em uma rede social, recebi uma atualização de um amigo, em que questionava-se a hipocrisia existente na luta em defesa das minorias. Tenho uma opinião pessoal sobre o assunto e resolvi compartilhar.

O texto, publicado pelo Jornal da Cidade Online, trazia no título: “Maju: a 1ª mulher negra a ocupar a bancada do JN. Glória Maria era loira dos olhos azuis…“. Resumidamente, o texto demonstra que existe um esforço muito grande em mostrar uma luta em defesa das minorias, mas pouca ação realmente efetiva.

De maneira geral, quando alguém decide empreender, é preciso ficar cercado por profissionais competentes, pois, a princípio, o foco é que o negócio prospere e faça diferença na sociedade. Então, apesar de existir um pouco de preconceito, a última coisa que o empregador se importa é a cor, sexo ou credo – o foco é montar uma equipe que gere valor. É óbvio que características pessoais podem influenciar em função do negócio em questão.

O problema, na maioria das vezes, não é por questão de preconceito, mas sim de oportunidade. Ou o Estado oferece condições mais favoráveis para o crescimento pessoal, intelectual e profissional, ou a “luta em defesa” das minorias será eterna!

Pois é, parece meio batido, mas o segredo está em ter acesso à educação de qualidade. Um sistema de cotas, por si só, jamais resolverá isto! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *