Resultado do mês de novembro (2018)

Mais um mês se encerra e o ano está chegando ao fim. Felizmente, após as eleições, o clima de otimismo prevalece. Até o momento, o futuro presidente (Jair Bolsonaro) tem demonstrado uma posição sensata e vem formando uma equipe de profissionais com habilidades técnicas já conhecidas. Durante o mês quase não me manifestei porque estou de férias e tenho trabalhado no robô de trade para operações com mini contratos de dólar (terminando o indicador). De maneira geral, tirando a perda de um grande amigo, o mês tem sido tranquilo e não precisei lidar com grandes imprevistos. Sem mais delongas, vamos aos resultados.

O cenário político vem contribuindo para clima de otimismo e euforia no mercado de capitais. Logo, tive o privilégio de conferir uma valorização bastante expressiva de minha carteira de renda variável. O futuro presidente começou bem, apresentando uma excelente equipe (20 ministros até o momento) – aliás, quem imaginou que a nomeação do juiz Sérgio Moro como Ministro da Justiça enfraqueceria a operação Lava Jato, provavelmente ficou surpreso com a atuação da juíza Gabriela Hardt. Diferente do governo anterior, já estamos tratando de acordos realmente produtivos com países como Israel (tecnologia) e Chile (livre comércio).

Para o mercado, vale mais a dúvida de uma nova administração do que a certeza de um governo conhecidamente ineficiente e corrupto!

Infelizmente, nem tudo são flores. Recentemente, o governo cubano resolveu abandonar o programa Mais Médicos após o pronunciamento do futuro presidente quanto a revalidação dos médicos cubanos, o pagamento de salário integral e liberdade para trazer os familiares para o país. É evidente que um regime ditatorial e antidemocrático jamais concordaria com estes termos. Por mais que as condições do programa sejam questionáveis, o país foi prejudicado com este rompimento tão repentino e inesperado (já demonstra a fragilidade deste tipo de dependência).

Se você ainda acredita que Cuba é um paraíso, sugiro acessar o link:

A realidade de Cuba em 2018

Alguns acontecimentos negativos chamaram a atenção. Em um momento tão delicado para país, onde sequer foi possível oferecer um reajuste digno para o salário mínimo, o STF decide reajustar seu salário, apesar do efeito em cascata. No mesmo mês o senado aprovou o Rota 2030 e impôs um novo revés ao próximo governo. Ou seja, aumenta o gasto e diminui a arrecadação. Logo em seguida, de acordo com o Estadão, o senado também cortou pela metade uma das fontes de financiamento do Fundo Social do Pré-Sal (os recursos cortados eram destinados a saúde e educação). Se manter as contas sob controle parecia um grande desafio, agora piorou. Estranho, não?

Na última semana, o atual presidente (Temer) sancionou o aumento do STF, ampliando ainda mais o rombo nos cofres públicos – pelo que acompanhei, o MBL entrou com duas ações para barrar o aumento do STF, sendo a última baseada em uma limitação imposta pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo:

O mês encerrou castigando os entusiastas de investimentos em criptomoedas. O bitcoin, por exemplo, serve como referência para as demais criptomoedas e está variando entre R$ 15.000 e R$ 17.000 – bem distante dos R$ 70.000 atingidos no ano passado. Como o meu perfil predominante é de Holder (e por diferentes razões – já apresentadas), prefiro não me expor à este mercado.

Em relação aos ativos de minha carteira, fiquei bastante satisfeito com os balanços apresentados (terceiro trimestre de 2018) pelo Banco do Brasil (lucro de R$ 3,4 bilhões), Itaú (lucro de 6,4 bilhões) e Petrobras (lucro de R$ 6,64 bilhões). Não é à toa que já provisionaram excelentes dividendos (ou JCP) para os próximos meses. Já a Ambev, que vem sendo injustamente castigada pelo mercado, apresentou um lucro líquido de R$ 2.9 bilhões (10,2% inferior, se comparado com 3T17). Neste ano, abri uma pequena posição no Grupo Carrefour (CRFB3) e o lucro líquido apresentado foi de R$ 391 milhões (67,6% superior, comparado com 3T17) – confesso que fiquei um pouco surpreso.

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Aproveitando que estamos tratando da situação de algumas empresas, o momento não está fácil para a editora Abril (pode fazer com que jornalistas paguem indenizações) e da Saraiva, ambas entraram em recuperação judicial.

Felizmente, não precisei lidar com “imprevistos”. Aproveitei o período de férias para resolver algumas pendências, como consulta no oftalmo para trocar o óculos (a situação estava ficando complicada – risos) e despesas com o carro. Após avaliar as pendências e prioridades, resolvi não viajar.

Quanto aos investimentos…

As ações do Banco Itaú (ITUB) foram desdobradas na proporção de 50%. Aliás, caso você esteja trabalhando com alguma calculadora de IR (como o IRPFBolsa), basta lançar o desdobramento como: *para cada 1 ação, desdobrar em 1,5*. Novamente, não realizei operações de trade – estou trabalhando em um indicador que ajustará as cores das barras (candlestick) de acordo com o tipo de operação (long ou short) – na próxima semana farei a programação do robô (EA – Expert Advisor).

Recebi proventos de BBAS3, ITUB3, GRND3, BRCR11 (0,350%), FCFL11 (0,583%), PQDP11 (0,509%), KNRI11 (0,534%), RNGO11 (0,588%), SAAG11 (0,729%), GGRC11 (0,841%), MXRF11 (0,593%), KNCR11 (0,594%), HGRE11 (0,549%), FLMA11 (0,544%), HGBS11 (0,539%) e FIGS11 (1,205%). Em um primeiro momento, a performance da carteira parece ter reduzido, no entanto não podemos esquecer que o rendimento é proporcional ao preço da cota. Logo, ao avaliar o preço médio em relação a valorização dos principais ativos, percebe-se que o resultado se mantém estável e positivo. O rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3, ITUB3 e GRND3 (o JCP pago por BBAS3 foi o mais expressivo).

Para quem ainda não conhece o fundo FLMA11, convido assistir uma apresentação feita pela Suno:

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de CRFB3, WEGE3, FLMA11, KNRI11, HGRE11 e RNGO11. O maior aporte foi para WEGE3 e o menor para FLMA11. Para os demais, o aporte foi equilibrado.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Finalmente, o IRPFBolsa ajustou o esquema de cores na exibição da carteira em formato pizza (ficou bem melhor). O clima de otimismo e euforia está prevalecendo e espero que o ano encerre com o índice Ibov acima dos 90 mil pontos. E, caso a equipe econômica do futuro presidente realmente confirme um perfil mais liberal, a expectativa de ganhos na renda variável tende aumentar (com entrada de capital estrangeiro ainda maior). Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Um ótimo final de semana a todos! 😉

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Petrobras com novo presidente

Segundo a ADVFN: “O economista Roberto Castello Branco aceitou o convite para presidir a Petrobras no futuro governo de Jair Bolsonaro. A informação, antecipada pelo jornal O Estado de S. Paulo, foi confirmada na manhã desta segunda-feira, 19, pela assessoria do futuro ministro da Economia (Paulo Guedes), por meio de nota distribuída à imprensa”.

Também foi dito que o próximo governo pretende manter o atual presidente, Ivan Monteiro, na gestão da Estatal. Assim espero, pois seu trabalho tem se mostrado bastante eficiente.

O jeito é aguardar!
Sigo como sócio!

A realidade de Cuba em 2018

Diante do momento delicado em que vivemos, com o abandono do programa Mais Médicos no Brasil, inúmeras discussões sobre Cuba estão surgindo. E, como sempre, os simpatizantes da esquerda costumam alegar que Cuba é referência para educação, saúde e etc. Será que a qualidade de vida é tão boa assim?

Primeiro, gostaria de compartilhar um vídeo do MBL (Cuba: Paraíso da Saúde e Educação?)

É fácil perceber que a teoria, por mais linda que pareça, muitas vezes não acompanha a realidade. Particularmente, na minha opinião, além da qualidade de vida caótica, o maior problema é o controle que o Estado exerce sobre os indivíduos (a nossa liberdade não tem preço). A vida do cubano é complicada.

Acredite se quiser: “sabonete lá é artigo de luxo”! 😉

Com o próximo vídeo, você chegará a conclusão de que Cuba é realmente um país miserável:

O vídeo foi produzido pelo pessoal do canal Ih, Mochilei!

Não é uma questão meramente ideológica.
Precisamos apurar os fatos para compreender e buscar um padrão de vida melhor para todos.

A grande mentira do pagamento da dívida externa

Infelizmente, poucos brasileiros conhecem os detalhes informados no artigo de JM Almeida. Não deixe de mostrar ao seu amigo socialista de iPhone, aquele que adora dizer que o Governo Lula emprestou dinheiro ao FMI (risos).

O artigo pode ser encontrado através do link:
https://www.jornaldacidadeonline.com.br/noticias/1042/a-grande-mentira-do-pagamento-da-divida-extera

Um dos argumentos mais usados pelos petistas na defesa de Lula, é que o ex-presidente pagou a dívida externa brasileira, recuperando crédito junto ao FMI. Esse foi o discurso do PT para a classe menos informada do país, e que por absoluta tristeza nossa, compõe a maioria dos brasileiros.

No dia 22 de fevereiro de 2008, o Governo Lula anunciou, por meio do Ministério da Fazenda e do Banco Central, que a dívida externa brasileira havia sido quitada. E ainda mais: já éramos até credores.

Tal notícia foi estampada, na época, na manchete dos principais jornais do país, como, por exemplo, no jornal Estado de S. Paulo: “O relatório divulgado ontem pelo Banco Central, segundo o qual o Brasil, pela primeira vez em 508 anos de história, deixa o papel de devedor e ingressa no seleto time dos credores do mercado internacional, é a consolidação de uma virada histórica”.

Quando Lula assumiu o seu primeiro mandato em 2002, a dívida externa era de R$ 212 bilhões, enquanto a dívida interna era de R$ 640 bilhões. Ou seja, o total, dívida externa mais interna, chegou aos inacreditáveis R$ 852 bilhões.

Em 2008, quando Lula assumiu ter pago a dívida, a dívida externa caiu para 0, já a interna chegou a – pasme – R$ 1,4 trilhão. Total da dívida: R$ 1,4 trilhão – 65% do PIB do Brasil. Agora em 2013 passou de R$ 2 trilhões!!

Mas por que nosso endividamento aumentou tanto? Então aí vai a resposta que os petistas que tanto abrem a boca pra falar em “elite e burguesia” não queriam ouvir: Para pagar ao FMI, Lula captou dinheiro junto aos banqueiros, que compraram os títulos da dívida (pagaram ao FMI). O Brasil, que pagava 4% de juros ao ano para o FMI, passou a pagar 19,5% ao ano para os banqueiros, beneficiando-os.

Ou seja, os banqueiros, ou a “elite” satanizada pelos petistas passaram a ser donos do Brasil, e que foi entregue por Lula para sustentar uma mentira política. E esses dados são da CPI da Dívida, que ocorreu entre 2009 e 2010 da Câmara dos Deputados, com farta documentação do Ministério da Fazenda e do Banco Central, sendo assim INCONTESTÁVEIS!

Os efeitos colaterais sobre a população
Mais uma vez os petistas desinformados haverão de chorar na cama, que é lugar quente. Ainda com um endividamento crescente, Lula não deixou de pegar novamente dinheiro no FMI. Não para pagar qualquer parcela da dívida interna que se avolumava, mas para sustentar os falsos programas sociais como PAC e obras faraônicas superfaturadas que nunca foram concluídas.

Além de pagarmos juros extorsivos aos banqueiros, passamos a dever também, novamente ao FMI. Isso causou um impacto na economia sem precedentes, e posso dizer que vivemos numa bolha de endividamento prestes a estourar, pois já chegamos a quase R$ 3 TRILHÕES no nosso endividamento total. Isso porque Lula assumiu com um endividamento de R$ 852 bilhões e fez o “favor” de mais que triplicá-lo.

Assim, tornou-se impraticável qualquer pretensão de reforma tributária, e o que aconteceu foi o contrário: A carga de impostos aumentou e foi regressiva, prejudicando as classes menos favorecidas. Lula deu vários incentivos para que a indústria barateasse seus produtos (mais uma vez a elite), estimulando o consumo. As indústrias tiveram a chance de vender seus produtos com prazos longos, lastreados pelos bancos e financeiras que já estavam com os cofres abarrotados.

Por outro lado, Lula deu uma falsa vantagem ao povo de baixa renda, pois carregou nos impostos sobre os produtos, diminuindo o poder de compra da população carente. O pobre podia comprar a TV dos sonhos, mas em prestações com juros extorsivos, e achando que Lula era “o cara”. Só enriqueceu mais ainda os bancos.

Já não bastasse a população estar com pele de vira-lata mas latindo como pastor alemão, iludida por Lulla, esta também foi a mais prejudicada e achatada pela política populista do PT, pois o Brasil chegou a ter 43,8% de sua receita total comprometida com a amortização da dívida e pagamento de spreads (juros) tanto ao FMI quanto aos banqueiros, e com isso sacrificou todos os investimentos em serviços públicos.

Vejamos em 2011 como a nossa receita foi distribuída:

Amortização da dívida e pagamento de juros: 43,8% da receita

Saúde: 4,17% da receita

Educação: 3,34% da receita

Trabalho: 2,42%

Ciência e Tecnologia: 0,34% da receita.

Cultura: 0,05% da receita

Saneamento: 0,04%

Ou seja, tudo aquilo que é essencial ao povo brasileiro representou APENAS 10,36% do dinheiro aplicado pelo governo, sendo que foi aplicado QUATRO VEZES mais só para beneficiar banqueiros e pagar dívidas.

Lula pagou alguma coisa, ou nos colocou no caminho da falência financeira e social?

Resultado do mês de outubro (2018)

O mês de outubro encerrou com fortes emoções, definindo, após uma disputa eleitoral bastante polarizada, o futuro Presidente do Brasil (Jair Bolsonaro). Particularmente, fiquei satisfeito com o resultado e com a equipe que vem sendo apresentada. Em função do segundo turno, resolvi focar no cenário político-econômico brasileiro, procurando mostrar a importância de uma renovação política (buscando o fim de um sistema extremamente corrupto) e ajudando na divulgação de informações verdadeiras. Logo, fui obrigado a tomar uma posição clara e, portanto, não pude agradar a todos. Aliás, tudo isto custou bastante tempo, fazendo com que adiasse até mesmo a codificação (em MQL5) do robô para automatizar trades com mini contratos de dólar. Além disto, precisei lidar com pequenos imprevistos. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Durante o período eleitoral, considero que a esquerda tentou manchar a imagem de Jair Bolsonaro distorcendo algumas de suas falas ou mesmo o entendimento de democracia, induzindo o entendimento de que sua vitória representaria a volta do regime militar ou também abandono total das “minorias”. O mais irônico foi ver que o candidato participou de uma disputa democrática e quase foi executado durante o processo. Foram tantos acontecimentos inacreditáveis, dignos de filme. Vale lembrar que, “a democracia NÃO é um sistema feito para garantir que os melhores sejam eleitos, mas sim, para impedir que os ruins fiquem para sempre“.

Se Bolsonaro fosse realmente homofóbico, como explicar este vídeo (contra fatos não há argumentos)?

Está sendo formada uma equipe que já comprovou eficiência e seriedade (o otimismo está voltando):

Nas últimas semanas fugi um pouco do propósito principal da fanpage, mas entendi que não poderia me omitir e decidi tomar uma posição clara. Eram apenas dois candidatos, com ideologias bem diferentes (basicamente 0 ou 1). Então, não havia como agradar todos. Obrigado pela paciência, apoio de alguns e desculpem pela insistência (foi necessário).

E, para você que ainda está muito preocupado com o fascismo, racismo ou machismo, gostaria de deixar uma reflexão:

Não esqueçam que estamos no mesmo barco…
Devemos torcer por um país melhor e próspero para TODOS! 😉

Quanto a economia, ainda estamos vivenciando um momento bastante delicado, mas, felizmente, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), em setembro, o Brasil gerou 137.336 mil empregos com carteira assinada – foi o melhor resultado para o mês em 5 anos. Com a aproximação do Natal estes números tendem melhorar ainda mais.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo:

Em relação aos investimentos, o mercado abriu uma oportunidade de especulação “interessante” para Forjas Taurus (alguns investidores “puderam” dobrar o capital). Minha atuação principal é como Holder, portanto especulo apenas em momentos pontuais. Por entender que os fundamentos da empresa são fracos e por perder o momento de entrada, preferi ficar de fora – o ideal é fugir de “micos”. Vale lembrar que poucas pessoas tem habilidade suficiente para tirar proveito de momentos como este. Aliás, para quem estiver com a ação em radar (FJTA4), recomendo muita cautela. Após a saída de um grande investidor, a Suno Research fez um alerta não recomendando a abertura de posição.

Não há novidade em relação ao balanço dos ativos que mantenho em carteira, mas deixarei o link para consulta do calendário de meses anteriores ou seguintes.

Para acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Quanto aos investimentos…

Minha capacidade de aporte foi comprometida porque precisei lidar gastos adicionais, como revisão do carro, troca de pneu e uma viagem curta para aproveitar o feriado. Não realizei operações de trade porque mantive foco na divulgação de informações sobre o segundo turno, procurando desfazer o preconceito e a distorção que a mídia tradicional produziu contra o Bolsonaro. Pessoalmente, acredito que nosso destino caminhava para um futuro similar ao da Venezuela. Espero que o presidente não nos desaponte, mas certamente já mudamos o nosso rumo.”

Recebi proventos de ITSA3, ITUB3, ODPV3, BRCR11 (0,366%), FCFL11 (0,601%), PQDP11 (0,540%), KNRI11 (0,603%), RNGO11 (0,596%), SAAG11 (0,796%), GGRC11 (0,716%), MXRF11 (0,714%), KNCR11 (0,510%), HGRE11 (0,490%), FLMA11 (0,629%), HGBS11 (0,569%) e FIGS11 (1,233%). O desempenho dos FIIs permanece estável e, nas últimas semanas, vem apresentando recuperação. Infelizmente, o fundo BRCR11 continua com o pior resultado, porém, com a conclusão da negociação com a Brookfield, acredito que a partir do próximo mês o resultado será melhor – aliás, em dezembro, está previsto um presentão de Natal (expectativa de distribuição de rendimento de aproximadamente R$14,37 por cota). O rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ITSA3, ITUB3 e ODPV3 (pouco expressivo).

Para quem ainda não conhece o fundo FCFL11, convido assistir uma apresentação feita pela Suno:

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de ABEV3 e RNGO11. O maior aporte foi para ABEV3 e o menor para RNGO11. Por considerar que o mercado precificou injustamente as ações ABEV3, aproveitei o momento para reforçar minha posição. Imprevistos financeiros limitaram minha capacidade de aporte.

Como dediquei um tempo maior para compartilhar informações sobre as eleições presidenciais e combate à fake news ou distorções históricas (como a interpretação de fascismo, por exemplo), não realizei operações de trade e interrompi o meu projeto de codificação do robô para o MetaTrader 5. Mas fiquei muito feliz por fazer parte deste movimento para a construção de um novo Brasil.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Nem preciso dizer que, com o resultado das eleições, o clima de otimismo volta a reinar. O mercado reagiu muito bem com a nomeação do juiz Sérgio Moro como Ministro da Justiça, levando o índice Ibovespa fechar perto dos 89 mil pontos (registrando uma nova máxima histórica). Fiquei muito satisfeito com o resultado, não só pela valorização de minha carteira de renda variável como também pela expectativa de dias melhores. Conforme a brincadeira no início, a equipe formada é digna de uma Liga da Justiça (risos). Tenho certeza de que o preconceito sobre o presidente será desfeito no decorrer do tempo. E, caso não corresponda à nossas expectativas, cobraremos com a mesma energia. Mas, os últimos contatos com Israel demonstram que o próximo governo não ficará apenas na promessa.

“Espero que o presidente não nos desaponte… certamente já mudamos o nosso rumo!

Um ótimo final de semana a todos! 😉

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.