Cartão de crédito: Quando é vantajoso?

Eis que, durante a semana, no ambiente de trabalho, o assunto surgiu das cinzas novamente (risos) e, para variar, fui questionado sobre as razões que me levam “não expor as vantagens que o cartão de crédito pode oferecer“. Uma das alegações foi que o Bastter defende a utilização do cartão em seu livro, e nunca comentei sobre isto. Infelizmente, o ser humano têm maior predisposição para sempre focar naquilo que melhor lhe convém ou agrada, algo que influencia facilmente na interpretação do que é dito. Aliás, a afirmação do Bastter não foi um incentivo para utilização. Seja como for, não se iluda em acreditar que toda estratégia funcione igualmente para todos. Ironicamente, as vantagens do cartão de crédito são reais justamente para quem NÃO depende delas. Na realidade, as vantagens são proporcionais a renda: “quanto menor, pior“.

Ao contrário do que costumam repetir, o cartão de crédito é excelente para pessoas com renda alta! 😉

Grande parte dos educadores financeiros focam no pagamento á vista porque é uma conduta que retrata melhor a nossa realidade financeira, bem como a capacidade de planejamento. Parece tolice, mas diz muito sobre nossa capacidade de poupança também – algo que influenciará na regularidade e volume financeiro para investir. Logo, o volume em dinheiro aportado mensalmente depende da nossa capacidade de poupança. O esforço é, sem sombra de dúvidas, maior no início. Conforme exposto em inúmeros artigos, o esforço reduz ao longo dos anos e, ao mesmo tempo, a recompensa se torna cada vez mais evidente.

Além dos custos, o cartão de crédito é um instrumento que tende nos afastar deste processo facilmente, pois, para “ser vantajoso”, induz à gastos constantes (tornando-nos devedores). O problema é que o benefício é proporcional aos gastos – um perigo para rendas mais baixas. E muitos insistem em dizer que recebem “prêmios” de graça (não é bem assim, risos). Dependendo da renda, manter o controle sobre a movimentação financeira será um grande desafio, exigindo cada vez mais.

Por não trabalhar com cartão de crédito, tanto eu quanto o meu pai NUNCA lançamos nossos gastos em planilha ou aplicação, mesmo investindo há décadas – cada um com sua particularidade (história de vida e perfil de investidor, por exemplo). Acreditem, o nosso controle é manual e baseado em consultas periódicas (bastante simples). É evidente que abrimos mão de muita coisa no início, mas o resultado tem sido recompensador. As pessoas que nos chamam de mão fechada (ou pão duro), são as mesmas que justificam que tivemos SORTE por ter uma vida “mais fácil” – preferem procurar justificativas para a nossa trajetória, do que entender o processo. Nem ligo, mas é irônico (risos)!

No mundo dos investimentos, existe um consenso de que o mais importante é exercitar o hábito de poupar e começar investir o quanto antes (com o que for possível, independente da renda) – como diria o Bastter: “taxa NÃO ganha de TEMPO“. Infelizmente, muitos brasileiros costumam generalizar conceitos específicos para qualquer estratégia, sem levar em conta que a faixa de renda influenciará na escolha mais adequada para cada momento da vida. O mesmo se aplica para quem vê no cartão de crédito uma alternativa de investimento, como é o caso de quem acredita que GANHARÁ uma viagem DE GRAÇA. Não passa de ilusão.

Ao afirmar que trabalhar com cartão crédito é algo aceitável para pessoas controladas, o Bastter não necessariamente incentivou sua utilização. Não é tão simples”

Confiram o quanto pode ser relativo:

Suponhamos um indivíduo (ou família) com renda mensal líquida de R$ 15.000,00 (MUITO ACIMA da média brasileira), resolva separar R$ 5.000,00 para despesas no cartão – terá uma bela pontuação, não é mesmo? Neste cenário, ainda estará tranquilo, com R$ 10.000,00 disponíveis para pagamentos à vista, investimentos ou imprevistos. Logo, mesmo com um gasto tão elevado (compatível com sua renda), o que sobra todo mês é simplesmente o DOBRO das despesas com o cartão – sua margem de segurança é gigantesca. Destes R$ 10.000,00 restantes, se “apenas” R$ 3.000,00 fossem investidos em um fundo extremamente conservador, ao final de 10 anos, este mesmo indivíduo teria acumulado aproximadamente R$ 550.000,00 (estimando apenas 0,65% ao mês) – tanto a capacidade para lidar com imprevistos quanto a tranquilidade serão cada vez maiores. No mês, ainda sobrariam R$ 7.000,00 para as demais despesas ou pequenas emergências. Para tornar a análise mais interessante, imagine o rendimento mensal dessa aplicação ao atingir R$ 550.000,00. Resumindo, trata-se de uma pessoa controlada e com renda alta. Percebam que, neste caso, acompanhar a movimentação financeira também não será trabalhoso.

No exemplo anterior, o benefício do cartão é real e nem caberia discussão sobre os riscos envolvidos.

Infelizmente, esta não é a realidade de grande parte da população. A estratégia demonstrada não pode ser reproduzida em qualquer faixa de renda. Engane-se como quiser. Para o benefício ser real, o gasto no cartão precisa ser significativo, podendo levar ao endividamento rapidamente. Percebam que R$ 5.000,00 é um gasto mensal relativamente elevado, mas representou apenas 1/3 da renda exemplificada. Assim, fica muito fácil explorar os benefícios do cartão.

Tente fazer o mesmo com uma renda inferior a R$ 3.000,00
Seu controle não será o mesmo, pode apostar! 😉

Utilize, preferencialmente, em caso de emergência. Fora isto, evite ao máximo!

Um ótimo final de semana!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *