Resultado do mês de setembro (2019)

Basta iniciar os meses terminados em “bro” e o ano passa num piscar de olhos. Apesar das turbulências no cenário político, o ano tem sido bastante interessante para a economia brasileira e em minhas conquistas pessoais também. Felizmente, não tenho sido surpreendido com imprevistos e venho conseguindo gerenciar os meses com tranquilidade. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

No cenário interno, não há muita novidade. Continuamos presenciando um conflito bastante claro e constante de narrativas com um forte viés ideológico. O discurso do presidente Jair Bolsonaro, na ONU (por exemplo), pode ser avaliado de diferentes perspectivas, dependendo de sua fonte de informação.

Basta ver a diferença na forma como foi noticiado pela Rede Globo ou Record:

Entendem agora porque o país está tão dividido? 😉

Como se não bastasse, estamos vivenciando uma “censura” velada (nem tão velada assim, pois é nítida).

Nesta semana, por exemplo, discutiu-se muito sobre a morte da menina Ágatha, na cidade RJ, vítima de bala perdida em um confronto entre traficantes e policiais. É lamentável. Mas, o interessante é que algumas mídias só “informam” quando as mortes envolvem confronto com a polícia, fazendo um prejulgamento que condene a atuação da polícia militar, omitindo-se quando traficantes executam moradores caso ofereçam algum empecilho ao tráfico de drogas.

Ao contrário da falsa imagem que parte da imprensa vende, os moradores das comunidades do RJ não deixam claro o que pensam sobre os traficantes porque, na realidade (infelizmente), temem MUITO mais as leis do tráfico – onde existe pena de morte. Questionar a atuação da polícia, pode ser complicado. Porém, questionar a atuação do tráfico significa assinar a própria sentença de morte.

Quando compartilhei, em minha fanpage, a execução de um policial militar, vítima de tiro de fuzil, meu acesso foi moderado por uma semana. Talvez, você simpatizante da esquerda, queira ver apenas um lado da história. Porém, lembrem-se de que não existe meia liberdade de expressão – todos perdem. Defenda sempre o “direito de expor sua opinião e discordar”!

Sendo assim, diante deste cerceamento da liberdade de expressão, meu protesto contra o facebook, tem sido deixar de fazer anúncios pagos indefinidamente – apesar do forte viés de esquerda, o facebook atua e sobrevive graças à um sistema extremamente capitalista! (irônico, não?)”

Quanto ao cenário internacional, a guerra comercial entre Estados Unidos e China parecia suavizar, mas continua chamando atenção e gerando bastante expectativa nas principais Bolsas de Valores do mundo. Para aumentar o clima de incertezas, também fomos surpreendidos com mais um pedido de impeachment contra o presidente norte americano (provavelmente sem sucesso), Donald Trump.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Os principais balanços das empresas que mantenho em carteira foram divulgados no mês anterior.

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://financenews.com.br/?s=2t19

Como o portal acionista.com.br passou a cobrar assinatura para exibir os balanços, passaremos a trabalhar com o financenews.com.br.

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de ITUB3, CRFB3, EGIE3, ODPV3, BBASE3, BRCR11 (0,442%), FCFL11 (0,512%), PQDP11 (0,506%), KNRI11 (0,468%), RNGO11 (0,586%), SAAG11 (0,723%), GGRC11 (0,505%), MXRF11 (0,642%), KNCR11 (0,538%), HGRE11 (0,492%), VISC11 (0,807%) e HGBS11 (0,549%). O resultado da carteira continua excelente e o desempenho dos Fundos Imobiliários vem se mostrando crescente. Neste mês, o pior resultado foi do fundo BRCR11, mas a performance está melhorando. O fundo FCFL11 (Campus Faria Lima – Insper) também surpreendeu, informando um desdobramento de suas cotas na proporção de 1:20. Particularmente, para tornar mais acessível, espero que façam o mesmo com o fundo PQDP11. De maneira geral, o rendimento da carteira permanece excelente, sendo reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ITUB3, CRFB3, EGIE3, BBAS3 e ODPV3 (o rendimento mais expressivo foi do Banco do Brasil – provisionado para o dia 30/09).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de KNCR11 e EGIE3. Em ambos ativos, o aporte foi bastante equilibrado, mas levemente superior para o fundo KNCR11.

Decidi deixar aproximadamente 30% do capital que costumo aportar na conta da corretora para explorar melhor o robô de trades no próximo mês.

E, aproveitando que estamos tratando sobre alocação de carteira, recomendo acessar o seguinte artigo:

No momento atual, em que a taxa selic está atingindo sua mínima histórica (5.5%), decidi fazer um pequeno rebalançamento em minha carteira de renda fixa, diminuindo minha exposição em fundos DI e direcionando para dois fundos de Renda Fixa de Longo Prazo.

Fiz o rebalanceamento por entender que estava muito concentrado em fundos DI (permaneço com maior exposição) e por visualizar que o rebalanceamento oferecerá maior performance. Aliás, contrariando a crença de inúmeros investidores, ainda é possível encontrar fundos de Renda Fixa (Prefixado ou Inflação) com rendimentos acima de 1% ao mês, evidentemente com maior risco (no meu caso, por exemplo, optei por fundos que aceitam até 30% de exposição em derivativos).

Acreditem ou não, um dos fundos ofereceu retorno superior à 2%! 😉

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov – em 105 mil pontos

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Quanto ao meu projeto APFTrend-v2.0 (robô trades)…

O projeto está na 23 revisão, com previsão da 24 até domingo (29/09). O resultado mensal melhorou bastante, mas prejudiquei o desempenho do mês quando, contrariando as estimativas atuais, tentei operar na sexta-feira com um número de contratos superior (3) e alvo inferior (3 pontos). Infelizmente, preciso assumir o risco para simular e testar novos recursos.

Apesar de negativo, se comparado com o mês passado, o resultado dos trades foi melhor. Uma alternativa, para quem estiver testando ou simulando, é reduzir o take profit (encerramento com lucro) em até 15 pontos e, de preferência, não ativar o robô na sexta-feira – pretendo fazer apenas simulações no último dia da semana (de acordo com os resultados históricos, é mais prudente).

A partir da versão 11 do APFTrend-EA, incluí novos modos de operação. No próximo mês farei um vídeo detalhando como cada modo trabalha e quais recursos novos que foram codificados!

A versão demo do robô (apenas binários) está disponível para download através do link:
http://aprendizfinanceiro.com.br/APFTrend-v2.0-demo.zip

De maneira geral, continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e, por mais estranho que possa parecer, também com a evolução do robô de trades. O ganho da capital da carteira continua superando minhas expectativas. Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

O objetivo aqui é meramente didático. Algumas estratégias (mais especulativas) que comento envolvem risco elevado, com potencial de ganho expressivo ou, em alguns casos, prejuízos imediatos. Então, estude sempre, consulte diferentes fontes de informação e tire suas próprias conclusões – a única recomendação que faço é: não façam trades na fase inicial (a tolerância aos erros será pequena)!

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *