Resultado do mês de maio (2019)

Como de costume, passamos por outro mês agitado (risos), marcado por manifestações em prol e contra algumas medidas do governo. Prevalece o clima de otimismo, porém os últimos balanços econômicos indicam que a economia brasileira apresentou retração. Felizmente, o mercado vem demonstrando um forte otimismo, até pelas negociações que estão surgindo (compartilharei algumas). Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

As manifestações sacudiram o país…

A primeira, foi um protesto dos estudantes quanto ao contingenciamento na educação – infelizmente, ficou nítida a infiltração da oposição para defender pautas de interesse próprio. Particularmente, entendo que o impacto era previsível e também considero que o governo não escolheu um bom momento ou setor para contingenciamento. Acredito que existem alternativas mais interessantes e menos polêmicas.

Ainda assim, a maior manifestação foi em apoio ao governo, defendendo pautas como a “Reforma da Previdência” e o “Pacote anticrimes” do Ministério da Justiça, por exemplo. Infelizmente, custou mais uma divisão na direita brasileira – alguns grupos estão demonstrando um extremismo preocupante. O MBL se opôs a manifestação, acreditando se tratar do movimento organizado pelo grupo Lobos Patriotas (agendado para o mesmo dia) e causou bastante reação quando se posicionou contrário ao movimento (a forma como se posicionaram causou revolta e reação). Ainda assim, particularmente, vejo que membros como Kim Kataguiri, Arthur do Val e Fernando Holiday defendem ativamente as principais pautas da manifestação. Portanto, apesar de discordar em alguns pontos, não os condeno e considero como grandes aliados.

Quem mais faria isto? Ninguém nunca havia feito algo parecido!

Além da polêmica em torno das manifestações, a decisão do STF em criminalizar a homofobia e transfobia também chamou atenção e preocupa. No meu entendimento, existe uma certa subjetividade no entendimento do “crime”, mas o que causa maior espanto é o fato do STF estar legislando (e não é a primeira vez).

Acredito que a manifestação do dia 26, ao demonstrar uma conscientização da população em relação a importância das reformas, acalmou os ânimos do mercado, levando a queda de preço do dólar e recuperação do índice Ibov. Ainda é cedo para comemorar, pois existe tensão no cenário externo.

Também não podemos negar que a economia brasileira apresentou uma pequena retração – alguns analistas afirmam que o acidente em Brumadinho influenciou no resultado. Segundo o portal Valor, “O orçamento da União para 2019 previa que o Brasil cresceria 2,5% este ano, mas hoje as projeções caminham para algo menor do que 1%. O recuo de 0,2% no Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre reforçou essa percepção“.

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo (do redator chefe da Modal):

Não sei se a retração econômica influenciou, mas o governo está avaliando liberar recursos de contas do FGTS e PIS-Pasep (mesmo as ativas) para estimular a economia. Espero que liberem!

Vale lembrar que, para quem for MEI, encerrou o prazo para a entrega da declaração DASM (sem multa). Solicitei o CNPJ como MEI no ano passado, no entanto outros projetos tomaram meu tempo e não tive faturamento algum. “Mesmo assim, isto não nos isenta da declaração – acessei o portal do empreendedor e declarei com todos os valores zerados.

Novamente, nas últimas semanas do mês, muitas empresas divulgaram seu balanço e alguns fatos relevantes pertinentes…

A Engie Brasil Energia (EGIE3), por exemplo, anunciou a entrada no segmento de gás natural brasileiro ao adquirir participação na Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG). Aliás, o desempenho da Engie permanece excelente.

Mas, nem tudo são flores… Adivinhem quem está tentando vender a participação da TAG para Engie? Ninguém menos que a Petrobras. Por ser uma estatal, o STF simplesmente suspendeu a negociação, alegando a necessidade de um processo de licitação. Então, não é à toa que defendemos as privatizações!

Dos ativos que mantenho em carteira, foram divulgados os balanços de Ambev (ABEV3 – lucro líquido +6,2%), BB Seguros (BBSE3 – lucro líquido +11,7%), Eztec (EZTC3 – lucro líquido +11,8%), Carrefour BR (CRFB3 – lucro líquido +28,8%), Engie (EGIE3 – lucro líquido +15,6%), Itaúsa (ITSA3 – lucro líquido +3,6%), Petrobras (PETR3 – lucro líquido -42%) e OdontoPrev (ODPV3 – lucro líquido +18,9%).

A avaliação da Petrobras ainda pede cautela. O lucro líquido apurado pela Petrobras foi de -42% no ano (sim, foi negativo), porém comparado com o último trimestre, houve um ganho de +92%

Para ter acesso ou acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
https://www.acionista.com.br/agenda/resultados-das-cias.html

No mês passado comentei sobre o interesse da Magazine Luíza (MGLU3) pela Netshoes. Para o meu espanto, a Centauro também entrou na briga, elevando a oferta para cerca de U$ 108 milhões. Ambas as empresas estão apostando alto na capacidade de reestruturação.

Pois é, mas a Magazine Luíza não parou por aí. Além da negociação com a Netshoes, está fechando acordo para venda de eletro no Carrefour. Infelizmente não sou sócio da MGLU3 (perdi uma excelente oportunidade). De qualquer forma, entendo que o negocio pode oferecer bons frutos ao grupo Carrefour (CRFB3) – tenho uma pequena exposição em CRFB3.

Outra empresa que abri posição “recentemente” e vem surpreendendo é a Weg (WEGE3). A empresa lançou um novo modelo de turbina de energia eólica, com potência de 4 MW. Decidi aportar na Weg por se destacar no mercado de motores elétricos, que considero muito promissor. E para minha surpresa (ainda mais agradável), a empresa começou uma parceria com a Embraer para construção de aeronaves com motor elétrico.

Quando parecia não haver mais espaço para novas negociações no mês, eis que o grupo Fleury (FLRY3) conclui a aquisição da dona da Lafe (laboratório de análises clínicas) por U$ 170 milhões. Aliás, não podemos esquecer também da proposta de fusão entre Fiat e Renault.

Faz algum tempo que não vejo o mercado tão otimista e promissor! 😉

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de BBAS3, FLRY3, GRND3, ITUB3, ODPV3, PETR3, BRCR11 (0,672%), FCFL11 (0,535%), PQDP11 (0,396%), KNRI11 (0,486%), RNGO11 (0,576%), SAAG11 (0,740%), GGRC11 (0,508%), MXRF11 (0,619%), KNCR11 (0,573%), HGRE11 (0,471%), FLMA11 (0,393%), HGBS11 (0,548%) e FIGS11 (0,790%). O desempenho dos FIIs permanece bastante estável e satisfatório. O pior rendimento foi do fundo FLMA11 – acredito que seja em função da forte valorização no mês (R$ 3,6 por cota). O rendimento do fundo PQDP11 também decepcionou um pouco, mas os fundamentos permanecem positivos e tem oferecido um ganho de capital expressivo – este foi um dos motivos que me levou realizar um pequeno ajuste na carteira em jul de 2018. De maneira geral, o rendimento da carteira permanece excelente, sendo *reforçado* com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3, FLRY3, GRND3, ITUB3, ODPV3 e PETR3 (desta vez, superou o rendimento dos FIIs).

Confiram qual foi remanejamento realizado em jul de 2018:

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de FLRY3, EGIE3, SAAG11, BRCR11 e KNRI11. O maior aporte foi para FLRY3 e o menor para KNRI11. Fora o aporte no fundo KNRI11, a distribuição foi bastante equilibrada. Felizmente, contei com uma capacidade de aporte maior.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A proporção em ações aumentou em decorrência da forte valorização do índice Ibov

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Conforme venho compartilhando, minha atuação principal é como holder. No entanto, tenho avaliado a possibilidade de especular o mercado futuro através de trades com mini contratos de dólar. Meu objetivo, caso bem sucedido, é aumentar minha capacidade de aporte.

O resultado dos trades com o robô no MT5 foi positivo, porém insignificante. Como estou encerrando os ajustes na programação do robô, acabei perdendo algumas oportunidades interessantes e finalizei o mês com um ganho de apenas R$ 115,00. Não seria tão ruim caso não gerasse uma despesa de R$ 110 (risos). Ou seja, fechei com lucro líquido de apenas R$ 5 (risos). Nunca achei que seria fácil, tenho consciência. Mas, apesar do fraco resultado, fiquei muito satisfeito com a otimização que consegui realizar ao longo do mês.

De maneira geral, continuo bastante satisfeito com o resultado da carteira e com a evolução do robô de trades. Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *