Resultado do mês de julho (2018)

Por questões pessoais, não consegui finalizar o resultado na semana passada. Mas, agora estou “quase certo” de que nenhum mês será mais agitado que julho (risos). Estamos vivenciando um momento ímpar na história do país. O cenário político-econômico continua bastante turbulento e, quanto mais nos aproximamos das eleições, mais intenso se torna. Felizmente, o pessimismo na renda variável está perdendo força, embora ainda seja cedo para comemorar. Também não precisei lidar com grandes imprevistos e o mercado de capitais vem demonstrando otimismo novamente. Sem muitas delongas, vamos aos resultados.

Por perceber um fluxo crescente de contas no instagram e visando maior proximidade com os seguidores, resolvi criar uma conta nele também. Espero que gostem!

Quanto às questões internas, é incrível como o poder público insiste em demonstrar pouca – para não dizer nenhuma – disposição em realizar sacrifícios em favor do equilíbrio das contas públicas. Pois é, o mês iniciou com a notícia de que a Câmara aprovou reajuste do salário-esposa dos servidores do Tribunal de Contas de SP. Como se não bastasse, o congresso derrubou veto a reajuste de servidores públicos para o ano que vem e a conta pode superar R$ 17 bilhões. E, sob inúmeras “justificativas”, deputados aprovaram uma brecha para liberar indicações políticas em estatais. Assim fica cada vez mais distante a conquista do superavit.

O que dizer então sobre a briga judicial, em pleno final de semana, pela liberdade de Lula? O caso foi para o STJ, que já negou mais de 143 pedidos de liberdade. Não importa sua visão sobre o assunto, isto é uma vergonha para o país. Infelizmente, parece que a cada passo à frente, damos dois para trás.

Aliás, neste mês houve uma reunião do Foro de São Paulo em Cuba. Em nossa fanpage compartilhei o vídeo da senadora Gleisi Hoffmann discursando sobre o evento e pedindo apoio para liberdade de Lula. Caso você desconheça as atividades do Foro de São Paulo, sugiro se informar o quanto antes.

Apesar de tudo, é possível encontrar luz no fim do túnel. A operação Lava Jato vem quebrando a certeza da impunidade e isto pode representar, mesmo que prematuramente, uma mudança de conduta para os próximos governantes. Até pouco tempo, seria impensável a possibilidade de conferir um ex-presidente preso, ou personalidades de grande influência, prestígio e poder sendo investigadas, com bens bloqueados e, em alguns casos, presas. O Eike Batista, por exemplo, foi condenado a 30 anos de prisão. A soltura de José Dirceu, apesar de questionável, não invalida tudo isto.

Não é de surpreender que a greve dos caminhoneiros prejudicou a apuração do resultado econômico do mês de junho. As exportações de carne de frango recuaram 30%. Outra consequência negativa foi a aceleração da inflação para o patamar de 1,26% (em junho). Mas, por ter sido um evento não recorrente, a tendência é diminuir nos próximos meses.

Também conferimos bastante agitação no cenário internacional. O Governo norte-americano tem criado um grande mal-estar nas relações comerciais com a China e União Europeia. A União Europeia chegou aprovar retaliação comercial – por sorte, no final do mês, conseguiram fechar um acordo para evitar uma guerra comercial.

Para entusiastas e simpatizantes dos ideais socialistas (não é meu caso), surgirá a chance de observar o desempenho do México nos próximos anos, mas não vale culpar o norte-americano por eventuais fracassos (este argumento já ficou maçante)!  😉

Como de costume, confiram os principais números e acontecimentos que sacudiram o país e o mundo:

O mercado de renda variável voltou apresentar otimismo, com uma valorização de 8,88% do índice IBov. Dos ativos que mantenho em carteira, inúmeros apresentaram um balanço trimestral positivo, como o caso de Ambev (+9,7%), Atacadão/Carrefour (+39,4%), Hypera (+22,9%), Itaú Unibanco, (+3,8%), OdontoPrev (+16,9) e Petrobras (+3000%). Infelizmente, o pior resultado (negativo) foi da Grendene (-15,9%).

Para acompanhar os balanços, recomendo o seguinte link:
http://www.acionista.com.br/agenda/agenda-e-resultados-das-cias.html

Quanto aos investimentos…

Realizei alguns ajustes em carteira visando melhorar o potencial de retorno financeiro. Também diminui a exposição à ativos de maior risco, como o FIGS11. Porém, encerrei posição apenas em PETRI20 (apurando um pequeno lucro). Em breve, seremos contemplados pelo desdobramento das ações do Banco Itaú (oferecerá um ganho de 50% de dividendos)

Recebi proventos de ABEV3, ITUB3ITSA3ODPV3, BRCR11 (0,368%), FCFL11 (0,556%), PQDP11 (0,481%), KNRI11 (0,646%), RNGO11 (0,675%), SAAG11 (0,741%), GGRC11 (0,72%), MXRF11 (1,031%), KNCR11 (0,589%), HGRE11 (0,662%) e FIGS11 (1,225%). De maneira geral, o desempenho dos FIIs foi superior se comparado com o mês anterior. Alguns acontecimentos marcaram o mês: “a negociação do fundo MFII11 foi suspensa sob suspeita de formação de pirâmide financeira e atividade irregular; e o fundo GGRC11 ofereceu maior rendimento em função da amortização. Apesar da pequena confusão com a distribuição dos rendimentos de GGRC11, fiquem tranquilos porque a distribuição será mantida no patamar atual. O rendimento da carteira permanece excelente, e foi reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de ABEV3, ITUB3, ITSA3 e ODPV3 (pouco expressivo, em aproximadamente R$ 215,00).

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações (ou cotas) de ITSA3, ODPV3, HGBS11, RNGO11 e FLMA11. Os maiores aportes foram para os fundos HGRE11 e HGBS11. Os demais aportes foram equilibrados e em uma proporção expressivamente inferior (ITSA3 foi o menor).

Realizei alguns ajustes em carteira e fechei a posição em PETRI20 – não precisei gerar DARF porque abati de prejuízo passado.

Ajuste em carteira: PQDP11, FIGS11 e HGBS11

Como ajudei minha namorada em seu projeto pessoal, minha capacidade de aporte foi menor. Comparado com outros meses, o giro financeiro continuou expressivo porque fiz um ajuste em carteira, diminuindo minha exposição em PQDP11 e FIGS11. Vendi algumas cotas, reduzindo minha exposição ao FIGS11 pela metade, e abri posição em HBGS11.

Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI):

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado

Felizmente, o mercado está dando uma trégua, abrindo espaço para o otimismo novamente. Conforme exposto logo no início, é possível perceber que inúmeras empresas apresentaram uma evolução significativa do lucro líquido no segundo trimestre (a Petrobras quem diga, risos), algo que contribuiu para a recuperação do índice IBov. É evidente que, em função das incertezas no cenário político-econômico, o ano continua prometendo fortes turbulências. Mantenha cautela. Vale lembrar que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo). Dentro de qualquer tendência, os papeis não se movimentam em linha reta.

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *