Economia x política: Câmara rejeita denúncia contra Temer

O resultado da votação desta quarta-feira causou bastante discussão e indignação. Mas, antes de compartilhar minha opinião, gostaria de fazer uma breve reflexão sobre a relação existente entre economia e cenário político. Pessoalmente, fico receoso com a crescente linha de pensamento de que todos os partidos ou políticos são iguais, não importando quem está no poder. Não é bem assim. Aliás, é um pensamento perigoso. Também não desejo a absolvição gratuita do atual presidente – ele deve responder por seus atos. No entanto, prefiro que o processo ocorra da forma menos traumática para o país.

Vale lembrar que, até pouco tempo, estávamos em recessão técnica.

Por apresentar inúmeras medidas impopulares e por ser citado recentemente na operação Lava Jato, o índice de rejeição do atual presidente (Temer) tem sido crescente. Não é para menos. Mas, será que afastá-lo agora é a melhor alternativa? Particularmente, entendo que não. Qualquer tumulto neste momento não trás benefícios (pelo contrário), visto que estão surgindo os primeiros sinais de recuperação econômica, resta pouco mais de um ano para as eleições presidenciais e existem outras investigações “emperradas”. Nesta semana, por exemplo, o ex-presidente Lula (já condenado) fez discurso sobre a legitimidade do atual governo e índice de desemprego. Complicado!

Não é novidade que as reformas propostas castigam grande parte da população.
Infelizmente, elas são necessárias!

Normalmente, para evitar uma visibilidade negativa acentuada (característica populista), é comum fugir de medidas que exijam “sacrifício coletivo”. Trata-se de uma forma de ganhar alguns pontinhos com a população, mesmo que sejamos sacrificados no futuro. Sempre que possível, é preferível fingir que o problema não existe, esconder a sujeira debaixo do tapete e torcer para que apareça apenas na administração seguinte. Cedo ou tarde, perde-se o controle.

Para refrescar a memória:

A questão não está na disputa presidencial ou no debate em si, mas na conduta populista do partido e da ex-presidente Dilma. O meu objetivo, com o vídeo anterior, foi demonstrar o preço que pagamos por desprezar deficiências conhecidas, permitindo potencializar a evolução do problema. Medidas impopulares se tornam praticamente imperativas quando a evolução de uma crise (como a que passamos) entra em descontrole.

Apesar da trajetória clara de estagflação, a ex-presidente, além de negar o problema, conseguiu apresentar números “comprovando o contrário“. Assumir o problema representaria mais munição para os adversários na disputa presidencial. Pois é, mas a matemática é uma ciência exata e impiedosa. Se as despesas superam as receitas frequentemente, cedo ou tarde a fonte seca. A conta chega de um jeito ou de outro. Ironicamente, na semana seguinte, depois de reeleita, o governo anunciou a revisão da taxa Selic para controlar a inflação.

O governo do PT alegava que a inflação e o índice de desemprego estavam sob controle! Ops… 😉

Cenário político econômico

Você pode pensar: “Ahhh, mas todos os partidos ou governantes são iguais“.
Será mesmo?

O ex-presidente FHC, por defender privatizações e evitar a falência de inúmeros Bancos, costuma ser questionado frequentemente. Tentam fazer parecer que não governou para o “povo”. Mas, goste ou não, foi no governo dele que a economia entrou nos eixos. Tanto é verdade que seus sucessores (Lula e Dilma) puderam ampliar os programas sociais e cometer atrocidades financeiras por tantos anos seguidos. Como teriam feito tudo isto sem recurso disponível (sobrando)? E porque (ou como) os recursos se esvaíram? No próximo vídeo, é possível conferir algumas razões.

É fácil prometer a manutenção de benefícios sociais para garantir votos, porém a disponibilidade dos recursos financeiros – que financiam estes programas – não se sustenta na base de promessas“.

Gastou-se como se não houvesse amanhã… Confiram alguns números:

Dentre várias razões, tudo isto permitiu certo grau de previsibilidade da crise que estava por vir.

Alguns indicadores econômicos deram sinais de alerta ao apresentar o aumento dos índices de desemprego, inflação, dívida interna e retração do PIB. No entanto, além de não demonstrar propostas efetivas para combater o resultado negativo, a conduta do governo se manteve inalterada – gastando mais do que arrecadava e destinando o dinheiro do contribuinte inadequadamente. Ao negar os indicadores, o governo não se mostrou propenso em atacar o problema.

Levantar a bandeira anti-privatização pode até soar bonito inicialmente, mas vejam como pode ser incoerente…

Diante de uma sucessão de “erros”, depenaram a Petrobras sem dó. Em 2010, a dívida líquida da empresa estava em 60 bilhões e lucro líquido de R$ 35 bilhões. Bastou apenas 5 anos para a dívida pular para R$ 391 bilhões, com lucro líquido negativo em R$ 35 bilhões. Mesmo com dívida crescente, a empresa continuou patrocinando a produção de filmes e ainda sofreu controle de preços quando os preços do petróleo internacional dispararam – apenas com este controle, as perdas acumuladas atingiram o incrível patamar de 56,5 bilhões de dólares em outubro de 2014. Na iniciativa privada, quem em sã consciência faria isto? Ninguém, claro!

Em relação ao controle de preços, o mesmo aconteceu com a tarifa de energia:
https://oglobo.globo.com/opiniao/a-ilusao-do-controle-de-precos-16241142

Com os Correios não foi muito diferente também. Segundo o site Extra da Globo, “A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) fechou 2016, pelo segundo ano consecutivo, com prejuízo em torno de R$ 2 bilhões. Para remediar a mais grave crise de sua história, o Correios apostou, entre outras medidas, num Programa de Demissões Voluntárias (PDV)”. O quadro de pessoal, naquela data, chegou a 117 mil funcionários, e cálculos da empresa mostravam que até 14 mil se enquadram nos critérios exigidos pelo plano.

Como se não bastasse, o mais irônico é ver indivíduos da classe média contrários a privatização, mas não percebem que pagam dobrado por serviços essenciais. Basta ver que é considerado insano não contratar um plano de saúde particular (mesmo “contando” com o SUS), plano de previdência privada (apesar da contribuição obrigatória do INSS), seguro de carro (mesmo pagando o DPVAT) e ainda se sentem extremamente felizes em pagar pedágio para contar com estradas de qualidade. Nem Freud explica (risos)“.

Exemplos não faltam. E vejam que nem falei sobre os fundos de pensão! 😉

Resumindo, o impeachment da presidentA Dilma foi importante para o país. Apesar de tantas incertezas, a troca de governo representava a quebra de um ciclo extremamente danoso. O atual presidentO (risos) formou uma equipe econômica eficiente e tomou medidas duras (ainda que insuficientes) para combater a crise, propondo reformas importantes. Os “primeiros sinais” de recuperação estão surgindo neste semestre. A situação do país ainda é delicada, basta ver a escassez de recursos de alguns Estados como RJ e RS.

Sendo assim, acredito que o afastamento do presidente Temer causaria ainda mais tumulto, abalando na continuidade do trabalho executado até então e prejudicando no combate à crise. Não se engane, a situação do país ainda é delicada e está apenas sob controle. Isto não significa abandonar as investigações. Ninguém deseja isto. As responsabilidades devem ser apuradas e, se condenado, que seja enquadrado dentro dos critérios da lei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *