Resultado do mês de Junho (2017)

Mais um mês se passou e muitas dúvidas permanecem no ar. No Brasil, o cenário político-econômico continua bastante turbulento, mantendo a situação do atual presidente cada vez mais delicada. Ainda assim, as reformas propostas seguem adiante, como é o caso da reforma trabalhista (irá para votação no plenário do Senado). No mês, também foi sancionada a lei que permite descontos para compras feitas em dinheiro. Novamente, houve turbulências no cenário internacional. Há poucos dias, na Venezuela, militares rebelados atacaram o Palácio da Justiça. Aliás, diante do estado de calamidade em que se encontram, é surpreendente como isto não aconteceu antes. Outro acontecimento importante foi a decisão do presidente norte-americano em recuar na aproximação com Cuba. Se antes, por diferentes razões, o investimento no Porto de Mariel já era questionável, agora ficou ainda mais. Diante do aumento do desmatamento, a Noruega resolveu cortar pela metade a verba para o Fundo da Amazônia. Não é de espantar que o mercado continue reagindo com grande volatilidade. Felizmente, não fui surpreendido com grandes imprevistos, contei com recurso disponível do mês anterior e ainda optei por uma pequena operação com opções.

Durante a semana, surgiram protestos contra a reforma trabalhista. A meu ver, a maior preocupação dos sindicatos é com o fim da contribuição sindical obrigatória – que, em 2016, recolheu “modestos” R$ 3,9 bilhões (comentei no resultado do mês de abril). De uma maneira geral, a proposta apresentada demonstra flexibilizar a negociação entre funcionários e empregador. Esta flexibilidade coloca os empresários em posição mais confortável para futuras contratações – o que é bom para ambas as partes.

Mas, há inúmeros acontecimentos impactantes. A Câmara, por exemplo, recebeu a denúncia de corrupção passiva contra o presidente Temer. Segundo a publicação do site UOL, “Sem a presença do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o diretor-geral do STF (Supremo Tribunal Federal), Eduardo Silva Toledo, protocolou na manhã desta quinta-feira (29), na Casa a denúncia por corrupção passiva, feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República), contra o presidente Michel Temer (PMDB). O processo foi recebido pelo secretário-geral da Mesa Diretora da Casa, Wagner Padilha“.

Diante de tantas incertezas, nos resta apenas agir com cautela e aguardar pelo desfecho dos acontecimentos.

Não fui surpreendido com grandes imprevistos, mas precisei renovar o contrato com o serviço de hospedagem YCorn (R$ 94,80 por 1 ano) e registro de DNS aprendizfinanceiro.com.br (pagamento único de R$ 112, por 3 anos). Também costumo investir em torno de R$ 95 (por mês) para impulsionar algumas publicações de nossa fanpage – o gasto total, até agora, foi compartilhado na postagem “É fácil ganhar dinheiro na Internet?“. Como o mês foi dos namorados, não poderia deixar de presentear minha namorada também. Em suma, foram gastos controlados.

Comecei operar pela Modalmais, onde fiz os principais aportes do mês. Conforme exposto em outras oportunidades, o HB adotado pela corretora é o mesmo disponibilizado pela Gradual, tornando a transição ainda mais tranquila. Fiquei bastante satisfeito com o serviço oferecido e custos envolvidos. A página principal, com o resumo das aplicações, ainda é fraca (a atualização dos valores é lenta), nada que desqualifique a corretora. Até o início do ano, antes dos novos custos operacionais, a Rico atendia perfeitamente. Infelizmente, os custos operacionais da Rico estão quase impeditivos para o pequeno investidor. Por esta razão, vou preparar outro formulário de transferência de custódia, migrando para a corretora Modalmais, na semana que vem.

Também aproveitei o momento para montar uma “estratégia” bastante simples com opções. Não é exatamente um trade. Depois de quedas tão expressivas do índice Ibovespa, vejo que o “momento atual” é propício, raro e abre uma janela de “oportunidade” interessante. Desejo, por exemplo, aumentar minha posição no Banco do Brasil. Porém, eu gostaria de explorar parte desta volatilidade e ainda buscar “alternativas de médio prazo” para reforçar a posição. Estratégias com opções se encaixam perfeitamente neste quesito. Tenho consciência de que o risco é alto. Sendo assim, selecionei opções de compra (fora do dinheiro), prevendo uma quantidade que eu possa exercer (se assim desejar) e com prazo de 2 meses. Não farei trades neste período. Por enquanto, não entrarei em maiores detalhes. Até o presente momento, a estratégia está se mostrando eficiente. Caso dê certo, o retorno será alto. Do contrário, a perda será pequena. É um risco controlado e não pretendo repetir em curto espaço de tempo. No resultado de agosto apresentarei o desfecho (risos). Para quem está começando, NÃO recomendo.

Quanto aos investimentos…

Recebi proventos de BBAS3, ITUB3, BRCR11 (0,551%), FCFL11 (0,561%), PQDP11 (0,493%), KNRI11 (0,609%), RNGO11 (0,600%), SAAG11 (0,676%), FVBI11 (0,414%), MXRF11(1,027%), KNCR11 (0,789%), EDGA11 (0,192%), HGRE11 (0,633%) e FIGS11 (1,233%). Devido a incorporação, ocorrida no mês passado, o fundo XPGA11 foi substituído pelo MXRF11 (pagou também as frações restantes, não convertidas no processo de incorporação). O rendimento dos FIIs foi “bom”, muito semelhante ao resultado do mês anterior. Mas, para variar um pouco, o pior resultado continua com o fundo EDGA11 (está quebrando recordes de péssimo desempenho). O rendimento foi reforçado com o pagamento de dividendos e JCP de BBAS3 e ITUB3.

Com o rendimento da própria carteira, somado ao capital que me prontifico separar para investir mensalmente, comprei mais ações ou cotas de ITUB3, KNRI11, MXRF11, RNGO11 e SAAG11. O aporte mais expressivo foi para o fundo KNRI11 e o “menor” para MXRF11. Neste momento, de tantas incertezas, continuo achando mais prudente priorizar os FIIs. Nos demais, a distribuição foi equilibrada.

Conforme exposto no início, comprei algumas opções de compra do Banco do Brasil e Petrobras. Como operações com opções envolvem um risco elevado, apresentarei os detalhes apenas no encerramento da operação (seja com lucro ou prejuízo) – provavelmente na publicação do resultado do mês agosto“.

“Continuo avaliando o rendimento do fundo Macro Multimercado LP, sem realizar novos aportes. A volatilidade permanece alta. Comparando com minha carteira de renda variável, não estou certo se compensa reforçar a posição neste fundo. Sigo observando!

 Confiram a distribuição dos ativos, segundo o portal CEI (NÃO inclui o Fundo DI ou Multimercado):

A composição atual ficou assim (gráfico do IrpfBolsa):

Vale lembrar que o gráfico acima representa uma distribuição baseada no custo de aquisição, não no valor de mercado“.

Diante de tantas flutuações e incertezas, não faz muito sentido dissertar sobre a trajetória do mercado. Se, em “situações comuns”, a previsibilidade é relativamente limitada, quem dirá nas atuais circunstâncias (é praticamente nula). Ainda assim, continuo satisfeito com a composição da carteira e a performance final continua excelente – estou incomodado apenas com o desempenho do fundo EDGA11. Vale ressaltar que é importante ter consciência que, no curto prazo, oscilações são naturais e esperadas (com movimentos de repique, por exemplo).

Em determinados casos – se você souber o que está fazendo e for cauteloso -, estratégias com opções podem ser bem vindas:
https://www.facebook.com/notes/empiricus-research/o-paradoxo-do-maior-retorno-com-menor-risco/1102316853210396/

Estou apenas demonstrando o potencial de crescimento, isto não é recomendação de investimento.

6 thoughts on “Resultado do mês de Junho (2017)

  1. Olá, boa noite!
    Vou te fazer a pergunta que recentemente fiz num outro fórum. Lá ninguém respondeu;
    Recentemente foquei no estudo de fundos multimercado, que têm uma estratégia arrojada, sendo que alguns têm rendido acima do CDI nos últimos anos.
    Você aporta grana no fundo, deixa na mão do gestor, e em troca da taxa de administração e da taxa de performance (nem sempre há taxa de performance, mas os mais badalados têm), o gestor se empenha em diversificar a grana do fundo buscando bater o IBOV e o CDI. Em geral, o benchmark para pagamento de performance é o CDI ou o IPCA + x %. Pra chegar lá o gestor opera em títulos, câmbio, faz apostas em short, em longo prazo, etc.
    Acontece que, olhando algumas das lâminas do fundo, percebi que a maioria (na verdade, quase todos que vi) tem um limite super alto de alavancagem. Alguns dizem que podem se alavancar em 99%, outros 999% e o BAHIA AM MARAÚ FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO foi o campeão: 9.999,00%. Não sei se é muita paranoia minha, afinal, este mesmo fundo citado rendeu, desde sua criação em 2012, 89% contra 63% do CDI acumulado. Ou seja, ganhou com folga.
    Outra coisa que me chamou a atenção é a proliferação de fundos-espelho. Há um fundo “master”, em geral com poucos cotistas, e as corretoras vivem abrindo fundos espelho, que nada mais fazem que investir em cotas dos fundos “master”.
    Aliás, outra coisa ainda, que ajuda a acabar com a credibilidade dos emissores, é a profusão de fundos com nomes quase idênticos ou quando não idênticos, mudando o CNPJ do emissor. Enxergo como estratégia para confundir os investidores. Tipo o tênis Nuke que a chinesada quer te vender. Tem gente que cai.
    Você não se caga de medo de fundos alavancados???
    A XP vive me indicando uma tonelada deles (claro, eles ganham comissão). Mas a Luciana Seabra da Empiricus também é campeã de indicá-los.
    abs!

    • Bom dia.

      Pois é, a alavancagem destes fundos assusta mesmo. Atualmente, conto com uma diversificação bastante interessante – distribuindo entre “fundos DI”, uma pequena parcela no “fundo Macro Multimercado LP” do Bradesco e estou priorizando os novos aportes em “renda variável” (FIIs e ações).

      Seja qual for a escolha, o importante é manter uma diversificação “equilibrada”. Ainda assim, acredito que a maior parte de nosso patrimônio deve ser composto por investimentos extremamente conservadores. Na medida em que o patrimônio se consolida, fica mais confortável aceitar níveis de risco mais elevados. Porém, ao assumir riscos mais elevados, nossos erros e acertos passam a refletir com mair intensidade também. Infelizmente, errar faz parte do processo (ninguém acerta sempre) – é por esta razão que insistimos com a diversificação. De certa forma, sempre adotei uma conduta semelhante aos conceitos abordados na “filosofia bastter de acumular patrimônio” (detalhei quando escrevi o artigo a A estratégia).

      Mantenho meus investimentos em RF em grandes bancos. Todas as operações que tenho feito por corretoras são destinadas à compra ou venda de ações ou FIIs. E, na maioria das vezes, com aportes mensais, estou apenas comprando ativos (atuando como holder). Raramente tento especular (position trade). Particularmente, costumo evitar investir em fundos de fundos. Um fundo pode montar uma carteira baseada em outros fundos, mas o gestor precisa ser muito bom para compensar. Não me atrai muito. Existem opções mais interessantes.

      Há poucos meses, optei pelo fundo Macro Multimercado LP porque fiquei interessado pela proposta e histórico do fundo e, com isto, resolvi fazer um experimento. Este fundo permite uma alavancagem máxima de 1.000%. Confesso que assusta um pouco, mesmo sendo classificado como fundo de “médio risco” (risos). As demais opções, que permitiam até 10.000%, ignorei de imediato. A escolha é algo muito pessoal. É importante ter uma visão clara dos riscos. Nunca vi acontecer, mas você já deve ter lido na lâmina destes fundos que, em caso de prejuízo, podemos ser chamados para repor perdas! Tendo em vista um nível de alavancagem tão alto, fico mais confortável optando por grandes bancos (mesmo que isto signifique um rendimento menor). Por enquanto, não tenho feito novos aportes no fundo. Estou apenas observando.

      Enquanto a Empiricus trava uma guerra contra os Grandes Bancos….

      • Olá, Beto, obrigado pelo retorno!
        De fato, tenho ciência de que você pode ser chamado para fazer aportes.
        Tenho um primo que entrou numa canoa furada dessas. Não sei se era fundo multimercado que ele tinha, ou o cara da corretora dele que fazia alavancagem por ele. O fato é que ele perdeu tudo e teve que colocar grana na mão da corretora para cobrir prejuízo. É o pesadelo de todo investidor.
        Risco eu até aceito. Perder tudo? Ok. Ter que cobrir prejuízo de gestor incompetente? Aí é difícil de engolir.
        Eu assinei o relatório de fundos da Empiricus. A moça que escreve é um fenômeno – Luciana Seabra. Eles não são bobos, foram caçá-la no Valor Econômico. Ela é jornalista de cobria mercado há muito tempo. Então ela escreve muito, muito bem.
        Os caras têm uma queda por esses multimercados, mas omitem sorrateiramente os riscos. Também não mencionam que existe, em alguns, taxa de saída (isso, você paga para retirar). E também nunca ouvi falar num relatório que o saque do fundo é D+30, às vezes D+60. Ou seja, você dá a ordem de retirada na alta, o fundo derrete e em D+30 você recebe uma merreca.
        Mas a verdade é que nesse momento de euforia pós-impeachment os fundos multimercado bons (recomendados por eles) bateram o CDI com folga. Quem não fica tentado? Eu, se entrar, vou colocar no máximo 5% da carteira. Se um fundo pode se alavancar em 10.000%, ele pode emprestar 100x o seu patrimônio. Imagina o gestor entrar vendido numa ação e ela dispara? Pois é. Abs!

  2. Outra coisa. Acabei abrindo conta na XP. Já transferi boa parte da minha grana do BB pra lá. Por enquanto só apliquei em renda fixa (Tesouro e LCI/LCA), mas daqui a pouco vou entrar no mercado variável, bolsa inclusive.

    As taxas dos caras são tão ruins assim? Talvez eu abra em outra só pra operar na bolsa..

    Abs!

    • Bom, tudo vai depender do número de operações que você fizer por mês.

      Existe um mito de que vale a pena operar através de “grandes corretoras” para contar com uma gama maior de serviços e pela estabilidade supostamente oferecida. A estabilidade e eficiência do HB (Home Broker) realmente são importantes, mas pequenas ou médias corretoras oferecem o serviço com a mesma qualidade também. De qualquer forma é sempre bom pesquisar antes – problemas com o HB podem prejudicar, principalmente para traders (não é o meu caso). Na Rico, por exemplo, a corretagem está em R$ 16,20 por operação… Agora isentaram a taxa de custódia. Mas, não ajuda muito. Se você decidir encerrar uma posição em um ativo qualquer e iniciar em outro, terá um custo de R$ 32,40 só nesta operação. Se não me engano, a taxa de corretagem da XP é menor (pouca coisa). De qualquer forma, para o pequeno investidor é muito dinheiro. Eu costumo fazer em média 4 operações por mês. Para Fundos Imobiliários, a Modalmais cobra R$ 0,99. Imagine agora a diferença dos custos e o dinheiro que poderia ser investido ao longo do ano! Faz diferença.

  3. Pingback: Resultado do mês de Julho (2017) |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *